Foto de www.olimpia24horas.com.br
       
      Inaugurado em 08-08-2019, o Vale dos Dinossauros é a mais nova atração de Olímpia, no interior de São Paulo, e promete movimentar ainda mais a cidade que já conta com dois parques aquáticos (Thermas dos Laranjais e o Hot Beach) e aumenta a cada ano o número de turistas e de leitos disponíveis em hotéis que não param de ser construídos. É recorrente a fala de que a ideia dos investidores é transformar Olímpia em uma "Orlando brasileira". Sabemos que ainda falta muito para isso, mas o projeto corre a todo vapor e a proposta ganha cada vez mais simpatizantes.

Vale dos Dinossauros - Olímpia-SP
         Entre os empresários responsáveis pelo empreendimento está o grupo Dreams Entertrainment que possui a mesma atração em Canela-RS e em Foz do Iguaçu-PR. O Vale dos Dinossauros de Olímpia é o primeiro na região sudeste do Brasil e conta com 38 dinossauros animatrônicos com até 15m de altura, que se movimentam e emitem sons, distribuídos em uma área de 6 mil m2. O cenário é o de uma grande floresta por onde os visitantes caminham e se deparam a todo momento com animais pré-históricos com os quais podem interagir e fotografar. Ainda não visitamos esse parque em Olímpia, mas conhecemos o Vale dos Dinossauros de Foz do Iguaçu e, como nesse caso nenhuma semelhança é mera coincidência, já vou contando para vocês o que esperar da atração e quando conhecê-lo (bem em breve) trago mais detalhes.
Vale dos Dinossauros
        O Tiranossauro e o Braquiossauro já são bem conhecidos dos filmes, principalmente Jurassic Park (1993 - 1º) e Jurassic World (2015 - 1º) que são claramente as inspirações desse parque, mas... você conhece o Dimetrodon, o Paquirinossauro, o Espinossauro ou o Anquilossauro, entre vários outros? Pois estão todos lá com plaquinhas que informam nome científico e as principais características do bichão. Todo trajeto é feito a céu aberto buscando retratar fielmente o ambiente da floresta, por isso, em dias chuvosos não é uma boa pedida, principalmente porque o público mais interessado é o infantil. Nós visitamos o Vale de Foz do Iguaçu em um dia bem nublado, mas a chuva tinha dado uma trégua e foi possível fazer o passeio.
Vale dos Dinossauros - Olímpia SP
         O parque foi inaugurado já com expansão prevista para o final de 2020 em que serão acrescentados às atuais atrações e quiosques de alimentação um restaurante temático ao estilo do T-Rex de Orlando e uma pista para 'dino motos', aqueles bichinhos motorizados que são facilmente encontrados nos shoppings, porém, com roupagem de dinossauro. A cada novo Vale dos Dinossauros inaugurado o Dreams Group aperfeiçoa e melhora as opções. No parque de Foz do Iguaçu-PR são 20 réplicas, em Canela-RS são cerca de 30 e agora Olímpia recebeu 35 dinossauros.
Vale dos Dinossauros - Olímpia SP
      Podemos esperar por várias outras novidades nos próximos anos, pois o grupo Dreams investe pesado em atrações temáticas. No Rio Grande do Sul, por exemplo, além do Vale dos Dinossauros em Canela, há outras quatro atrações na vizinha Gramado: Hollywood Dream Cars (Museu do Automóvel), Dreamland (Museu de Cera), Harley Motor Show e o Super Carros. O combo com as cinco atrações de Gramado e Canela custa R$170.
       Em Foz do Iguaçu são quatro atrações: Vale dos Dinossauros, Museu de Cera, Maravilhas do Mundo e Dreams Ice Bar (leia mais), com combo de ingressos por R$150. O grupo ainda é responsável pelo Memorial da Devoção, em Aparecida do Norte, e pelo Museu de Cera de Caldas Novas. Se você já conhece alguma(s) dessas atrações temáticas sabe o que esperar pelo novo parque de Olímpia.
Vale dos Dinossauros - Olímpia - SP
        Os passaportes (combos) com várias atrações deixam o custo benefício de cada uma delas bem mais interessante para o turista, por isso, estamos na torcida para que outros empreendimentos do grupo cheguem a Olímpia. Os preços de cada uma delas é diferente e mesmo nos três Vales dos Dinossauros há valores diferentes: o ingresso de Foz do Iguaçu custa R$80, em Canela são R$60 e em Olímpia R$50. Ao final do passeio, a lojinha de lembrancinhas temáticas fica dentro de uma caverna.
    Confesso que estou bem curiosa e admito que a atração não agrada apenas às crianças. No final da postagem veja o vídeo feito em Foz do Iguaçu.

Serviço
Site: Vale dos Dinossauros
Endereço: Av. Dr. Adhemar Pereira de Barros, n.1702, Olímpia-SP
Valor do ingresso: R$50 (inteira); R$25 (meia)
Meia entrada para crianças de 4 a 11 anos, idosos acima de 60 anos, estudantes, professores e militares.
Horários: diariamente, das 9h às 21h


As fotos do Vale dos Dinossauros de Olímpia são do site www.olimpia24horas.com.br  
logo mala

Jardins do MuBE com o MIS ao fundo

        A região de São Paulo conhecida como Jardins é formada pelos bairros Jardim América, Jardim Paulista, Jardim Europa, Jardim Paulistano e Cerqueira César. Entre o Jardim América e o Jardim Paulista ficam algumas atrações interessantes e acessíveis que podem preencher o seu domingo:
Paróquia de Nossa Senhora do Brasil

Paróquia de Nossa Senhora do Brasil - é a igreja mais disputada pelas celebridades paulistanas para cerimônias de casamento, as noivas agendam as datas escolhidas com até dois anos de antecedência e pagam pequenas fortunas para casar nessa belíssima igreja. Aos domingos há missas em vários horários entre às 8h e as 20h. Se seu objetivo for apenas conhecer e fotografar seja discreto. Leia mais.

Recreação no MIS

- MIS - Museu da Imagem e do Som - além de suas famosas exposições, aos domingos, o MIS sempre tem atividades recreativas e  culturais em seu entorno que envolvem toda a família. Além das grandiosas exposições pagas (por exemplo: Castelo Ra-Tim-Bum; Quadrinhos; Björk Digital), o MIS tem exposições menores e gratuitas em seu andar térreo. Não deixe de visitá-las.

Feira de Antiguidades do MuBE

- MuBE -  Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia - bem ao lado do MIS, o MuBE foi criado com a proposta de não ter acervo fixo, por isso, as exposições estão sempre se renovando. Em seus jardins projetados por Burle Marx há várias esculturas e aos domingos acontece uma Feira de Antiguidades. Leia mais.

Fundação Ema Klabin

- Fundação Ema Klabin - basta atravessar a avenida e em frente ao MIS e ao MuBE esta a casa-museu de Ema Klabin que guarda um acervo de obras de arte colecionadas durante quarenta anos. Após a morte da proprietária, a casa foi aberta à visitação atendendo ao desejo de sua idealizadora. Leia mais.

Restaurante do MIS ao fundo

          Tanto o MIS quanto o MuBE têm restaurantes para almoçar ou fazer um lanchinho. Se preferir após o pacote cultural dos três museus escolha um shopping próximo para o almoço e um passeio antes de voltar para casa. Os shoppings mais próximos são o Iguatemi São Paulo e o Jardim Pamplona Shopping. Bom domingo!
logo mala

ABAV Expo 2018

           Está aberto o credenciamento para a 47ª ABAV EXPO, que acontece entre 25 e 27 de setembro, na Expo Center Norte, em São Paulo (as fotos dessa postagem são da ABAV Expo/2018).
       A ABAV (Associação Brasileira de Agentes de Viagem) Expo é uma feira internacional direcionada a negócios de turismo e restrita a operadoras, agências de viagens e, entre outros, profissionais de marketing. Por isso, os blogueiros de turismo estão sempre por lá, pois a ABAV Expo é um verdadeiro parque temático para quem quer pensar em novos destinos nas próximas viagens.
ABAV Expo 2018
         Por exemplo, conhecer os detalhes do novíssimo navio MSC Sea View que aportou no Brasil na temporada 2018/2019. A lindíssima maquete foi bem disputada para fotos. A vitrine em que cada estande se transforma divulga um pouco do melhor que o destino tem a oferecer: montanhas russas em realidade virtual, danças típicas, sabores e produtos regionais, fotos em diversos cenários de roteiros turísticos, as últimas novidades dos parques temáticos de Orlando, os melhores resorts e hotéis, o conforto da primeira classe das melhores empresas aéreas do mundo... e muito mais.
ABAV EXPO 2018
       O pão com mortadela no estande de São Paulo, as batidinhas com cachaça Ypióca no Ceará e o acarajé baiano são garantidos em todas as edições da ABAV. No entanto, as experiências disponíveis vão bem além das gastronômicas: turbantes na Bahia, pintura com henna indiana, seu nome escrito em árabe no estande de Marrocos... a divulgação é bem interativa e 'trabalhar' ali é uma alegria para quem ama viajar. Mas é trabalho, por isso, não se esqueça da mala de rodinhas para carregar todos os panfletos, livros, revistas... que vai receber sobre cada destino. Se você nunca percebeu o quanto papel pesa, esse será o momento de descobrir. Vá prevenido e não conte com com o guarda-volumes: é caríssimo.
ABAV EXPO 2018
      A ABAV também oferece palestras na Vila do Saber e a programação é divulgada previamente no site do evento. E há os sorteios de passagens aéreas e outros brindes distribuídos pelos expositores, o que atravancam bastante os estandes, principalmente quando a feira, que geralmente não é aberta ao público, recebe a visita de estudantes de turismo ávidos por se divertirem e colecionarem mimos: canetas, bloquinhos, botons, etiquetas de malas, etc 
ABAV EXPO 2018
         Sim, também gosto de brindes, mas se o foco for esse não vale a pena a visita, pois passar o dia em filas gigantescas para rodar uma roleta e concorrer a uma caneta não é nem divertido e nem produtivo, além de caro, caso inclua gastos com viagens e hospedagem. O credenciamento para imprensa é gratuito se realizado até 24/09/2019. Durante o evento o valor é de R$70 para os três dias de evento.
ABAV EXPO 2018
Programe-se:
- O primeiro dia não é o melhor, a feira abre e os expositores ainda estão se organizando. Deixe a visita para o 2º ou 3º dia, a não ser que alguma(s) das palestras do 1º dia lhe interesse. Fique de olho na programação;
- Se quiser tranquilidade para sentar nos estandes e conversar sobre seus interesses, prefira o horário mais cedo, antes das 17h; 
- No final da tarde o público começa a aumentar e também aumenta a oferta de apresentações típicas, degustação de vinhos, etc;
- Aproveite o transfer gratuito: é rápido e eficiente;
- Não se esqueça da mala para carregar o material de divulgação;
- Divirta-se enquanto trabalha.
ABAV EXPO 2018

Serviço
Data: entre 25 e 27 de setembro de 2019, das 12h às 20h
Local: Expo Center Norte - Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme, São Paulo-SP
Como chegar: Transfer gratuito (ida e volta) saindo do Terminal Rodoviário Tietê e dos aeroportos de Guarulhos (GRU) e Congonhas (CGH).
Site: ABAV EXPO

Leia também como foi a 
ABAV EXPO 2018
logo mala
       Como uma atração criada para gerar likes no Instagram, vai sobreviver sem os likes do Instagram? Não sei! 
Museu mais doce do mundo - SP

         O Museu mais doce do mundo foi criado para driblar as proibições dos museus 'comuns' para fotografias. Afinal qual o interesse de um instagrammer em visitar um lugar que ele não pode mostrar a seus seguidores? Nesse museu é possível fotografar à vontade, mas no lugar de objetos históricos ou obras de arte há guloseimas gigantes principalmente em tons de rosa, distribuídos em 15 salas de doces cenários que possibilitam postagens de sucesso no Instagram. O nome oficial da exposição é "Diga sim à felicidade", porém, eu disse 'não' a pagar R$60 para ficar uma hora entre picolés, marshmallows e brigadeiros gigantes do espaço instagramável. Para entender melhor do que se trata acesse a hashtag #museumaisdocedomundo no Instagram e veja as centenas de postagens dos visitantes.

Museu mais doce do mundo
         Eu achei que pudesse estar sendo meio ranzinza (talvez sovina?) por não me entregar à doce tentação do museu, afinal passei em frente passeando pelo Jardim América em um domingo que tinha no roteiro o MIS (Museu da Imagem e do Som), o MuBE com sua feirinha de antiguidades, a casa de Ema Klabin com suas obras de arte e a lindíssima igreja de Nossa Senhora do Brasil, todas as atrações na mesma região e quase todas gratuitas. A meu ver, um museu desse tipo tem a relevância cultural de um panfleto de supermercado: cheio de imagens, apenas com interesse comercial. Mas essa é só a 'minha' opinião, o cartaz divulgando os horários com ingressos esgotados é a prova de que despertou o interesse em muita gente.
Museu mais doce do mundo
        O que dizer sobre um museu que nem visitei? Realmente seria incoerente, por isso, vou emprestar as palavras de Tati Bernardi, que escreveu suas impressões sobre o museu para a Folha de São Paulo: 

O museu mais deprimente do mundo


         Um inferno caro e com cheiro de peido doce (de quem acabou de comer 67 Sonhos de Valsa e está entre o frenesi e a morte). O Museu Mais Doce do Mundo, se avaliado em termos de custo-benefício, poderia se chamar o Museu Mais Salgado do Mundo. Ou o Mais Enganação, se você pensar que usaram a palavra “museu” como desculpa para fazer propaganda de marcas de chocolate e refrigerante. Ou o Mais Deprimente, se você prestar atenção na fila de gente querendo tirar foto com a palavra “felicidade” ao fundo.       Se isso não é a simbologia máxima de que estamos completamente na merda, eu não sei de mais nada. 

        Mas perder dinheiro é pouco perto do que você sente esvair do peito ao adentrar cada sala lambuzada de frases vazias e guloseimas de plástico: é a fé na humanidade que, talvez, nunca mais será refeita. A Amazônia morre, os parques morrem, as mesinhas nas calçadas são proibidas, o cinema morre, a água que acaricia as madeixas da minha filha na banheira tem mais de 30 agrotóxicos. O Nordeste, segundo nosso presidente, não existe. A fome, o desmatamento e o racismo não existem. Não vamos nos enganar: o presente é terrível e o futuro nem teremos. O que nos resta agora é fazer poses idiotas em donuts de plástico achando que estamos resgatando algo mágico da infância.
       Já na entrada, pouca informação sobre a segurança das crianças e um blá-blá-blá sobre a importância de fazer muitas fotos e usar as hashtags do “museu”. É uma atração para você “se marcar” e não para estar. Para você postar feelings em vez de sentir. Ou melhor, eu senti uma leve vontade de falecer. 
        Monitores treinados para parecer recém-saídos de um tonel de Prozac gritam “marshmallow!” antes de as crianças entrarem em uma decepcionante piscina de marshmallows. “Aqui é o dinheiro que manda!”, um pai reclama ao ver seu filho, em prantos, sendo expulso do brinquedo depois de segundos. Foi, disparado, o segundo pior momento que tive neste 2019. O primeiro, é claro, se refere à posse do nosso presidente. 
       Na mistura das duas desgraças, fica a sensação de que tudo é tão deprimente que aqueles adultos deslizando em caldas doces de plástico, provavelmente seus eleitores, saíram do mundo invertido do “Stranger Things”. 
      Eu pergunto a este jornal: vocês, que indicaram tal passeio como “um dos melhores” para as férias, de fato estiveram lá? Mães histéricas, aflitas para capturar “o momento mágico” de seus filhos entediados em bancos de quindins, várias vezes quase derrubaram a minha filha. Funcionárias vestidas de “fada do bombom vintage” tentavam convencer uma criança bem pequena de que tal guloseima era sim uma delícia. E a criança respondia: “Não, é muito doce”. E elas insistiam: “Vai, experimenta”. Atenção pediatras e nutricionistas! 
       Seja feliz! Divirta-se! Marshmallow! Brigadeiro! Era o que todos os funcionários desejavam, sem parar, a uma massa cabisbaixa, a procurar o melhor filtro para dentes falsamente brancos e escancarados. É o match perfeito (e perverso) entre um marketing medíocre e a nossa mediocridade marqueteira. Um embate escandaloso, uma dança pegajosa, a carência dando as mãos à ambição para um salto ornamental onde apenas os mais fortes têm paraquedas. E, nessa lambança, quem morre é quem tem alguma noção do ridículo. 
     Saí em coma espiritual, arrasada, subjugada pela superficialidade soberba de nossos tempos, esquartejada pelas pequenas vidas que só se realizam em frames congelados. Minha filha odiou tanto que se distraiu com um pote de melão cortadinho que levei escondido na bolsa.

         Ler o texto de Tati Bernardi foi um balsamo para mim. Não, eu não estou louca, realmente é superficialidade demais... porém, caso queira conferir se não estamos exagerando, seguem as informações.

Serviço

Até 18 de agosto em São Paulo
R. Colômbia 157, Jardim América
Das 11h às 21h, de terça-feira a domingo
Preço R$60 e R$30 (meia entrada)
Menores de 14 anos devem estar acompanhados dos pais ou responsáveis.

Após 15/09/2019 no Rio de Janeiro.
Exposição Björk Digital

    O MIS (Museu da Imagem e do Som) é famoso por suas inesquecíveis exposições tanto pelo interesse temático quanto pela qualidade artística dos eventos. Já passaram por lá, por exemplo, com enorme presença de público, as exposições Castelo Ra-Tim-Bum (2015) e Quadrinhos (2019). Até o dia 18 de agosto de 2019 está em cartaz a exposição Björk Digital, que retrata a obra da artista islandesa Björk Guðmundsdóttir, compositora e cantora de músicas conceituais em um estilo alternativo e experimental que já lhe rendeu o Polar Music Prize, considerado o prêmio Nobel da música, por sua voz de timbre incomum e único.
      Além de cantora e compositora, Björk já aventurou-se no cinema como atriz e produtora de trilha sonora em filmes como Juniper Tree (1990), Dancer in the dark (2000), Screaming Masterpiece (documentário/2005) e Drawing Restraint 9 (2005). Sua história com o Brasil passa por apresentações no Free Jazz Festival (1996) e Tim Festival (2007), além de parceria com Milton Nascimento e música dedicada a Elis Regina: Isobel, do álbum Post (1995).
          A exposição em cartaz no MIS estreou em 2016 em Sydney e antes de chegar ao Brasil passou, entre outras cidades, por Barcelona, Tóquio, Cidade do México, Moscou, Londres e Los Angeles. Trata-se de uma experiência imersiva e interativa de realidade virtual que inicia-se com seis faixas/clips do álbum Vulnicura (2015) produzido logo após o fim do casamento de Björk com Matthew Barney com quem tem uma filha. A ordem em que são apresentadas as músicas enfatizam o processo sofrido desse momento, desde as feridas abertas pós-separação até o renascimento como uma borboleta a sair do casulo.
Exposição Björk Digital
        Os fãs acostumados com uma Björk cibernética e performática vão deparar-se nos primeiros clipes da exposição com uma artista intimista, introspectiva e de 'cara limpa' para depois reencontrá-la em sua essência vanguardista no segundo andar onde é possível experimentar a criação de sons digitais em tablets e assistir a dezenas de clipes remasterizados em alta definição em uma sala aconchegante, com puffs super macios espalhados pelo chão para deitar e relaxar.
        Não é permitido fotografar dentro das salas de exposição, na verdade não há o que ser fotografado, pois são salas escuras apenas com banquetas e óculos de realidade virtual que serão utilizados pelos visitantes. Diferente de outras exposições do MIS, essa não vai atrair as crianças, embora seja permitida sua entrada. O grupo com o qual entramos na exposição tinha alguns casais com filhos pequenos que foram sumindo durante o roteiro guiado que dura cerca de 80 minutos. Imagino que tenham saído antes com as crianças, pois não é o tipo de exposição que prende a atenção delas. Porém, aos domingos, o MIS sempre tem programação que agrada à família toda em seu entorno. No dia de nossa visita estava acontecendo uma festa junina e na barraca mais animada era possível 'pedalar o próprio suco'. A bebida ecologicamente correta não tinha canudo plástico e sim um tubinho de macarrão.
Domingo no MIS
        A primeira imagem dessa postagem é a mesma que anuncia a exposição em frente ao MIS e faz parte de um folder especial distribuído aos visitantes que se transforma em um poster com textos da própria Björk e de Zeca Camargo no verso. O jornalista e apresentador brasileiro, declarado fã de Björk, ressalta que acompanhar a obra musical da artista é "uma viagem nunca menos que fascinante". Nas palavras da própria artista registradas no folder, "a realidade virtual não é apenas uma continuidade natural do videoclipe, mas tem um potencial dramatúrgico ainda mais íntimo, ideal para esta jornada emocional" (a jornada que se apresenta no álbum Vulnicura).
Exposição Björk Digital
      Além da exposição principal, o MIS sempre tem outras exposições gratuitas em seu primeiro piso. Não deixe de visitá-las. Inclua na logística de visita ao MIS, o MuBE (Museu Brasileiro da Escultura) que fica ao lado, a casa-museu Fundação Ema Klabin (em frente) e a lindíssima Paróquia de Nossa Senhora do Brasil (na mesma rua, três quadras adiante). Divirta-se e aculture-se!

Serviço
Exposição Björk Digital
Período: de 18 de junho a 18 de agosto de 2019
Horários: terça a sábado, das 10h às 20h; domingos e feriados, das 10h às 19h 
Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia);
Ingressos antecipados no site Ingresso Rápido
Endereço: Av. Europa, 158, Jd. Europa - São Paulo - SP
Outras exposições do MIS
logo mala

         Vai visitar o MIS (Museu da Imagem e do Som) em São Paulo? Não deixe de conhecer também a casa-museu Fundação Ema Klabin, que fica em frente:

Fundação Ema Klabin

       Ema Klabin nasceu no Brasil, mas era filha de imigrantes de origem judaica que construíram em São Paulo uma das maiores produtoras de papel e celulose do mundo na década de 1920. Foi uma amante da cultura e das artes e construiu seu acervo, além de compras em antiquários e com marchands, em suas viagens pelo mundo. Aquela lembrancinha que nós, simples mortais, trazemos do destino turístico, no caso de Ema Klabin custavam algumas centenas ou milhares de dólares em obras de arte que ela colecionava.
Fundação Ema Klabin
        O gosto pelas viagens (e o orçamento folgado) levaram Ema Klabin a cinco cruzeiros de volta ao mundo durante sua vida e a alternar temporadas de três meses no Brasil e três meses na Europa, onde a grande predileção era Paris. Em 1947, comprou a obra Ariadne, de Jean-Baptiste Greuze (acima), a primeira de muitas peças importantes que foram formando seu acervo durante quarenta anos, com grande diversidade de estilos brasileiros e europeus, ultrapassando 1500 peças em sua coleção que inclui pinturas, esculturas, livros raros, móveis, louças, gravuras e objetos arqueológicos.
Fundação Ema Klabin
         Para abrigar a coleção que ganhava volume e melhor receber nas festas e jantares para a sociedade paulista, no início de 1950, Ema começou a buscar por projetos para uma casa nova que atendesse a seu gosto refinado e às demandas de sua vida social. Vários projetos foram analisados e a predileção foi pelo estilo eclético do engenheiro-arquiteto Alfredo Ernesto Becker com inspiração no Palácio de Sanssouci, na Alemanha.  Cada rico detalhe da construção foi escolhido e acompanhado por Ema Klabin e a grandiosa construção, que já recebeu políticos, artistas e personalidades da sociedade paulistana em seus ricos jantares, foi inaugurada em 1961. Os jardins foram projetados por Burle Marx.
Fundação Ema Klabin
         Cada nova peça adquirida ganhava um lugar eleito por Ema na decoração da casa que preserva em seus cômodos a mesma disposição de móveis e objetos escolhida por sua antiga proprietária que viveu nessa casa 33, de seus 87 anos de vida.
      Como não tinha herdeiros diretos, Ema decidiu criar uma fundação para transformar sua casa e suas obras de arte em um museu aberto ao público após sua morte. A Fundação Ema Klabin foi criada em 1978, 16 anos antes de seu falecimento (1994), e a casa foi aberta à visitação em 2007.
Fundação Ema Klabin
         Além de preservar e divulgar o acervo de Ema Klabin, cuja família foi doadora do terreno para a construção do Hospital Albert Einstein, a Fundação tem intensa programação cultural com exposições, cursos, oficinas, apresentações musicais, palestras e outras opções, geralmente gratuitas. Consulte o site da Fundação e conheça a programação; na área de download o site está disponível também o caderno de receitas de Ema Klabin para inspirar seus próximos jantares.
Fundação Ema Klabin
           A visita é uma deliciosa volta ao passado. Não se trata de uma mansão, não é uma casa de dimensões exageradas, mas de uma grandiosidade de detalhes incomparável. A disposição dos cômodos não permite uma visitação muito linear, então a dica é começar pelo hall de entrada e assistir ao vídeo de 12 minutos sobre a história de Ema e da construção da casa da Rua Portugal, depois visite a galeria em formato de semi-círculo e os cômodos em suas extremidades. Não deixe de conhecer os jardins e o espaço onde atualmente são realizados os eventos culturais. E o mais importante: não tenha pressa. Aprecie sem moderação.
Fundação Ema Klabin

Serviço
Site: Fundação Ema Klabin
EndereçoRua Portugal, 43 – Jardim Europa - São Paulo – SP
Horários: quarta à sexta, das 14h às 17h (R$10 / R$5)
                 sábados e domingos 14h às 17h (gratuito)
Visitas em grupos devem ser agendadas previamente.

Fundação Ema Klabin
logo mala


Economia na viagem
           Viajar é a melhor maneira de recarregar as energias, quando é possível viajar mais e gastar menos, melhor ainda, não é? Economizar exige determinação e organização, mas a recompensa vai valer muito a pena. Vamos começar?

1- Tire proveito dos cartões de crédito 
Inscreva-se em programas de milhagem que transformam gastos em milhas e usufrua dos benefícios. Mesmo que não seja possível trocar pela passagem aérea, troque seus pontos por compras, créditos para Uber, combustível e inúmeras outras possibilidades. 
Economia na viagem

2- Inscreva-se em sites de empresas aéreas
Registre seu e-mail para receber promoções das principais companhias aéreas e abra as mensagens regularmente, principalmente se estiver programando a próxima viagem.
Economia na viagem

3- Fique de olho nos sites de compras coletivas
Não compre por impulso, mas fique atento que podem surgir boas promoções. Se já estiver com a viagem comprada, busque por cupons em restaurantes e atrações do destino que irá visitar.
Economia na viagem

4- Fale ao telefone
Sim!! Transforme as contas de celular e de telefone fixo em descontos nos gastos do dia a dia. Todas as operadoras têm programas de fidelidade que rendem pontos para serem trocados, procure saber o que a sua operadora oferece.
Economia na viagem

5- Abastecer o carro também dá retorno
Os postos Ipiranga, por exemplo, possuem o programa KM de Vantagem no qual você ganha pontos a cada vez que abastece ou compra dos parceiros (até passagens de ônibus viram pontos). os pontos serão trocados por mais combustível e assim gira a economia.
Economia na viagem

6- Utilize cupons de desconto
Felizmente a mania dos cupons está chegando ao Brasil. Acostume-se a consultar o site Cupom Válido e aproveite para comprar por menos qualquer coisa da qual você preciso. Cada real economizado vai para a viagem, certo?
Economia na viagem

7- Organize-se
De nada adiante economizar se as economias não tiverem destino certo. Anote tudo que você conseguiu em forma de desconto e guarde esses valores para se esbaldar na viagem.
Economia na viagem

Divirta-se!!
logo mala