Que calor! Vamos passar a noite na praia?

           Machado de Assis tinha uma receita pra se começar uma crônica:

         "Há um meio certo de começar a crônica por uma trivialidade. É dizer: Que calor! Que desenfreado calor! Diz-se isto, agitando as pontas do lenço, bufando como um touro, ou simplesmente sacudindo a sobrecasaca." 
(O Nascimento da Crônica, disponível em Releituras).

         No último verão (2013/2014) muitos cronistas devem ter se aproveitado dessa receita mesmo sem conhecê-la, pois o insuportável calor foi assunto comum em todas as conversas e redes sociais. O calor foi tanto que eu vi acontecer em Santos uma situação inusitada: o dia na praia foi trocado pela 'noite' na praia.


            Tínhamos desembarcado de um cruzeiro pela manhã do sábado  e decidido passar o dia em Santos para pegar uma praia e fechar a temporada de férias com chave de ouro. Mas não deu... O calor era tanto que não dava coragem de sair do hotel, quando finalmente vi pela janela que o Sol havia baixado resolvemos sair para dar uma volta pelos jardins da orla.


             Já eram 20h e fomos caminhando até a feirinha de artesanato (Feirart) que acontece todo sábado na orla. Passeando entre as barracas reparei em um movimento na areia excepcional para o horário e fomos ver mais de perto... A praia estava cheia!


            Não lotada, como deveria ter estado durante o dia de corajosos (e loucos!) dispostos a enfrentar o calor que às 11h, em horário de verão, já era de 35º; mas repleta de grupos familiares com crianças brincando na areia com seus baldinhos, os mais velhos nas cadeiras de praia 'tomando a fresca' e os mais jovens praticando esportes tanto na areia quanto na água. 

Pai e filhos brincando na água.
Dois jovens remando em pé em suas pranchas.
                Não deu pra resistir... abandonamos os jardins do calçadão e fizemos o caminho de volta pela beira do mar


           Pelo jeito,  daqui em diante a noite na praia não será mais exclusividade dos casais apaixonados e dos pescadores. Não sei ainda se estamos diante de uma opção mais segura, mas certamente de uma mais saudável.


Felizes coincidências...

        O humorista Bussunda era avesso à artificial intimidade que o público pensa ter com os artistas. Certa vez em um elevador de Paris deparou-se com um grupo de brasileiros que exclamaram surpresos:
        _ Bussunda!! Que coincidência!?
        E respondeu:
        _ Coincidência por quê? Eu nem te conheço!


        Mas coincidências acontecem e algumas são boas surpresas, bônus de viagem. A foto a seguir, por exemplo, foi tirada no aeroporto de Guarulhos, em janeiro de 2013. Nós estávamos chegando da vagem à Disney e encontramos nossos amigos Marcelo e Eleusa prontos para embarcar para Los Roques.


          Essa outra foto foi tirada no Porto de Santos, em janeiro de 2014. Estava aguardando para embarcar no MSC Preziosa e encontrei minhas amigas Rita e Silvana que haviam terminado o cruzeiro no mesmo navio.

        Considerando o tamanho do aeroporto de Cumbica e a loucura do Porto de Santos, não há como negar que foram felizes coincidências. E que venham outras mais!

Gelatina especial

Essa é a especialidade de minhas filhas, que andam se aventurando pela cozinha.

Ingredientes
2 caixas de gelatina de morango
1 caixa (200ml) de creme de leite
1 lata de leite condensado

Modo de fazer
Dissolva a gelatina em água fervente, conforme as instruções da embalagem, mas não acrescente a água fria. Na gelatina já dissolvida coloque o creme de leite e o leite condensado e bata no mix ou liquidificador. Leve para gelar por duas horas e sirva. - Troque o creme de leite por um copo de iogurte natural para ficar mais saudável.
Dicas
- Coloque para gelar em formas plásticas desenformáveis com relevos.

Diário de Bordo do MSC Preziosa

            A postagem com a reprodução do diário de bordo do navio Empress recebe tantas visitas que descobri que não sou a única curiosa a respeito do que trazem esses informativos diários que os passageiros recebem em suas cabines durante os cruzeiros. Por isso, vamos a mais um, desta vez do MSC Preziosa em um dia de navegação, ou seja, sem escala em nenhum porto. Clique nas imagens para vê-las em tamanho maior.










E se eu perder o voo?


                São tantos "e se..." numa viagem aérea que uma agente de viagem certa vez me recomendou não ficar pensando neles para não desistir da viagem. A verdade é que aos poucos fui vivenciando um por um e agora acho que conheço quase todos:

E se... a mala extraviar? Clique aqui.
E se... o voo atrasar? Clique aqui.
E se... o voo for cancelado? Clique aqui e aqui.
E se... eu precisar cancelar a viagem? Clique aqui.

                Minha última experiência foi a 'E se... eu perder o voo'. Vamos a ela:
           Era uma conexão em Campinas de um voo entre Navegantes e Ribeirão Preto, o que torna o transtorno bem menor já que a responsável é a própria companhia aérea que atrasou o primeiro voo. Estava viajando pela Azul e foi tudo muito simples: pediram para que me dirigisse ao balcão de check-in e aguardasse a entrega dos próximos vouchers. Alguns minutos de espera e um funcionário me trouxe os bilhetes para o próximo voo e um vale para o almoço no restaurante indicado. Tudo muito simples, mas quando o responsável pelo atraso é o passageiro a coisa complica um pouco.
              A ANAC garante o direito de remarcar dentro de 12 meses, desde a compra do bilhete, e autoriza as companhias aéreas a cobrarem taxas de remarcação que variam de acordo com cada uma e estão especificadas nos sites. Além da taxa de remarcação, o passageiro pagará a diferença entre o bilhete do voo perdido e o atual que custará bem mais caro que aquele que foi comprado com antecedência. Ou seja, o que já foi pago não será totalmente perdido, mas o prejuízo é grande, às vezes bem maior que o valor inicial da passagem aérea. Por exemplo, já comprei bilhetes da Gol com antecedência de 3 meses, na promoção por R$79,00; se perdesse esse voo e quisesse outro no mesmo dia pagaria 3 ou 4 vezes esse valor + a taxa de remarcação, ou seja, de nada adiantaria ter o estorno do valor já pago. Enfim, é melhor não perder o voo, mas se acontecer saiba que providências tomar.

- Se você tem pressa em chegar ao destino, dirija-se ao balcão de vendas para reservar outro voo o mais cedo possível. Se o fator tempo for o mais importante aqui, considere a hipótese de viajar por outra companhia e deixar esse valor como crédito para uma viagem futura. 

- Depois procure o balcão da ANAC (em qualquer aeroporto) para informar-se melhor e assegurar que todos os seus direitos sejam garantidos.

Tente evitar esse transtorno:

- Se não for possível um voo direto, dê preferência a voos da mesma companhia ou companhias parceiras, pois nessa compra 'casada' as companhias aéreas terão que se responsabilizar pelo atraso provocado por elas mesmas.

- Se seus voos são de companhias diferentes (não-parceiras), compre os bilhetes com uma distância mínima de duas a três horas entre um voo e outro.

- Adiante o check-in através da internet, no site da companhia aérea.

- Quando comprar seu bilhete em promoções, atente-se para as taxas de remarcação.

- Respeite a orientação de chegar ao aeroporto com uma hora de antecedência para voos nacionais e duas horas para voos internacionais. Lembre-se de calcular o tempo perdido no trânsito para chegar até ao aeroporto, principalmente em horários de pico.

Boa viagem!