Happily Ever After, no Magic Kingdom

           Os parques Disney são realmente "onde os sonhos se tornam realidade" e os cast members vão fazer tudo o que podem para que  ao passar pelos portões você "deixe a realidade e entre no mundo da fantasia", como anuncia a placa na entrada do Magic Kingdom. Porém, alguns cuidados ao planejar seu roteiro para os parques Disney podem evitar que o sonho se torne pesadelo (se é que isso é possível quando se trata da Disney).

         Seguem cinco erros que podem ser facilmente evitados para tornar a viagem ainda mais perfeita:

1- Não fazer programação alguma de roteiro e ficar andando a esmo pelos parques.

Animal Kingdom

       Os parques são bem grandes ou então concentram muitas atrações mesmo em espaços menores; andar por elas sem um roteiro prévio, vai fazer com que você perca tempo indo e voltando pelos mesmos caminhos, sem conhecer o parque todo. Mesmo que seja sua primeira vez nos parques e tudo seja novidade, dê uma olhadinha nos mapas disponíveis no site e nas atrações que mais interessam a seu grupo. Programe-se no mínimo para definir se começará seu roteiro pelas atrações à direita ou à esquerda do parque. O mapa impresso disponível na entrada de cada parque é imprescindível, pegue mais de um pois eles se perdem pelo caminho (devem ir para aquele mesmo mundo paralelo onde se perdem guarda-chuvas e canetas). Se é sua primeira visita, conforme-se: não será possível conhecer todos os brinquedos, assistir a todos os shows e fotografar com todos os personagens em um único dia, pois os parques são recheados de atrações.

2- Marcar fast pass para shows e atrações em auditórios.

Bela e a Fera, no Hollywood Studios
         Marcar fast pass é imprescindível!! Nós demos várias dicas para aproveitar ao máximo o 'fura-filas' mais bem vindo do mundo aqui, não deixe de ler. Com ele você marca pela internet até três atrações para visitar sem passar pela fila, depois de utilizá-los você pode marcar outro nos totens disponíveis no parque. No entanto, várias das atrações dispensam o fast pass por serem apresentadas em auditórios grandes, para várias pessoas de cada vez. Nessas atrações ter o fast pass servirá apenas para entrar antes que os demais e sentar-se mais à frente, não vale a pena desperdiçar o fast pass nelas. Atrações que dispensam o fast pass:

Magic Kingdom
- Mickey's PhilharMagic
- Monsters, Inc. Laugh Floor

Epcot
- Festival de curtas metragens Disney e Pixar
- Turtle talk with crush
- Illuminations

Hollywood Studios

- Muppet Vision 3D
- Beauty and the Beast - Live on Stage
- Disney Junior - Live on Stage
- Fantasmic
- For the first time in forever: a Froen sin-along celebration
- Indiana Jones - Epic Stunt Spectacular
- Voyage of the Little Mermaid



Animal Kingdon
- It's tough to be a bug
- Donald's Dino-Bash
- Festival of the Lion King
- Finding Nemo - The musical
- Rivers of Light

3- Programar um parque em cada dia da viagem, sem intervalos para descansar.

Unicórnio da Agnes

        Aquela ideia de 'deixar para descansar em casa' funciona muito bem no mundo das ideias, mas na prática cada dia de parque consome um tantinho de energia irrecuperável em uma noite de sono. Os joelhos começam a doer, as pernas incham, os pés fazem bolhas... cada dia no parque é uma maratona e a sensação é que as noites vão ficando cada vez mais curtas, sem tempo suficiente para descansar das atividades do dia anterior. Vale muito a pena, mas é inegável que cansa bastante. O que fazer? Intercale a cada dois dias de parque, um de compras em Orlando, de outros passeios além dos parques ou apenas para relaxar na piscina do hotel. Além disso, faça seu roteiro intercalando parques que fecham mais tarde com outros em que você pode chegar após o almoço e aproveite a manhã para descansar.

4- Chegar aos parques muito cedo para aproveitar o ingresso ao máximo.

Transportation and ticket center, 7am
           O investimento é alto, então a ideia é aproveitar ao máximo o dia no parque. Certíssimo! Mas... pense um pouco e estabeleça qual é o 'seu máximo', quanto tempo você, e quem estiver lhe acompanhando, aguenta ficar no parque? Oito horas? Então se você quiser ver a magia do Magic Kingdom abrindo seus portões às 9am, será difícil ter fôlego para assistir ao show de encerramento que acontece geralmente às 9pm. São, no mínimo, doze horas de parque. Quer esperar o Animal Kingdom abrir para ser o primeiro da fila de Avatar Flight of Passage? Pois serão doze horas até escurecer e poder ver os encantos de Pandora à noite. Programe-se: geralmente o que acontece com quem chega desavisado e muito cedo é não ter fôlego para esperar o show de encerramento do parque e perder a melhor parte. Então, descanse pela manhã e deixe o parque, pelo menos em alguns dias, para um pouco mais tarde. Ou então faça o oposto, chegue cedo, mas não se obrigue (e nem aos outros) a ficar até o parque fechar.  

5- Viajar com crianças muito pequenas.

Carrinhos no Epcot
        Qual a melhor idade para se levar uma criança à Disney? Aquela em que 'ela' pede para visitar os parques e os pais avaliam que a criança vai levar 'de boa' as nove horas de voo, as filas das atrações, os personagens saídos da TV ali na frente delas em carne, osso e fantasia... Sabe aquela criança que chora de medo do Papai Noel, ou dos personagens fantasiados nos trenzinhos? Pois é... não é porque está na Disney que o medo vai necessariamente desaparecer. Já vi pais se revesando na fila para fotografar com o personagem e quando chegou a vez, saíram sem a foto porque a criança chorava e se recusava a ficar próxima 'daquele bicho'. Se as horas intermináveis em um avião são tediosas para adultos, imagine para os pequenos. Um pouquinho de discernimento faz muito bem antes de decidir-se pela viagem. Quem quer ir para a Disney: os filhos ou os pais?
logo mala
Leia também:

Disney Springs

           Vai para a Disney outra vez? Simmm!! Já nem conto mais para os amigos para não ouvir sempre a mesma pergunta. Foram quatro vezes e pretendo ir várias outras, porque cada viagem é única e não, não dá para enjoar.
           Antes de compartilhar o roteiro de nossa última viagem, vou fazer uma retrospectiva do que fizemos em cada viagem:

janeiro/2013 - 10 dias, 8 parques, 1 dia de compras... loucura total, tanto pelo ritmo aceleradíssimo, quanto pela viagem 'amarrada' em grupo. Não indico. Veja aqui nossas considerações.

fev./mar./2016 - 10 dias, 5 dias de parque, compras e atrações além dos parques... tudo com calma e por nossa conta. Perfeito. Veja aqui.

out./nov./2017 - 11 dias, 6 dias de parque, bate-volta até Miami e compras, claro! Bem tranquilo, para aproveitar a viagem sem correria. Veja aqui.

abr./mai./2018 - 10 dias, 7 dias de parque, comprinhas. O foco eram os parques Disney (6 dias) e fomos também ao Busch Gardens. Parece corrido, mas organizamos bem os horários e ficou bem light.

Amanhecer no complexo Disney

1º dia (segunda-feira) - Chegada
Viajamos pela Azul, saindo de Ribeirão Preto às 6:25h e chegando em Orlando às 18:15h . Foi o tempo de fazer o check-in no hotel Clarion Inn Lake Buena Vista e sair para as primeiras compras no Walmart, para abastecer o frigobar e garantir os lanchinhos para o dia seguinte no parque. Tentamos jantar na Cici's Pizza, mas as segundas e terças-feiras fecha mais cedo e nessa noite não deu.

Walmart

2º dia (terça-feira) - Hollywood Studios
Aproveitamos o transporte free do hotel para a ida. Ficamos no parque até o show Fantasmic e na volta fomos direto para a Disney Springs com o transporte gratuito do parque, depois de umas voltinhas acabamos o trajeto até o hotel de Uber (USD7). Foi o que fizemos na maioria dos dias e a economia com transporte foi bem significativa: ida com shuttle do hotel, volta com ônibus do parque até a Disney Springs, último trecho de Uber. O hotel, que fica próximo à Disney Springs, também oferece transfer para a volta do parque, mas optamos por não nos prender à horários na volta.

Hollywood Studios

3º dia (quarta-feira) - Magic Kingdom
Acordamos muito cedo para fazer o Key's to the kingdom tour, o tour que leva os 'guests' aos bastidores do Magic Kingdom, conta alguns segredinhos e passa pelos utilidors. Depois de ver o sol nascendo no complexo Disney (foto no início da postagem), não dava para anoitecer no Magic Kingdom, mesmo assim foram dez horas de parque: das 7am às 5pm .

Magic Kingdom

4º dia (quinta-feira) - Animal Kingdom
Deixamos o período da manhã para descansar, já que o dia anterior foi puxado, e fomos para o Animal Kingdom após o meio dia, com os fast pass para Avatar Flight of Passage devidamente agendados. Ficamos até tarde para ver Pandora à noite e realmente é tão incrível quanto já tínhamos lido em comentários.

Pandora ao anoitecer

5º dia (sexta-feira) - Epcot
Descansamos pela manhã e fomos para o Epcot após o meio-dia para ficar até a hora do show IllumiNations. Imperdível, organize-se para assisti-lo e, para isso, não chegue ao parque muito cedo, pois em alguns dias o show acontece às 22h, ou seja, desde a abertura são mais de treze horas de parque, haja fôlego! Estava acontecendo o Flower and Garden Festival e o parque estava lindo.

Flower and Garden Festival

6º dia (sábado) - Compras
Depois de quatro dias seguidos de parque é hora de dar uma pausa para as compras. Os melhores dias para isso são o sábado e o domingo, pois os parques estarão mais cheios, então evite as filas ainda maiores para as atrações e vá para o shopping. Fomos para o International Premium Outlets.

International Premium Outlets

7º dia (domingo) -  Busch Gardens
Tínhamos visitado o Busch Gardens em 2013, em nossa primeira viagem à Florida, já era hora de voltar. Aproveitamos o transporte gratuito para o parque, que está super indicado, é muito pontual e confortável. O ponto mais próximo de nosso hotel para embarque era o Publix, que fica ao lado do restaurante de comida brasileira Gilson's, por isso, na volta aproveitamos e jantamos por lá.


Busch Gardens

8º dia (segunda-feira) - Magic Kingdom
A intenção era ficar até o parque fechar, por isso, descansamos pela manhã, almoçamos na Cici's Pizza e de lá pegamos um Uber até o parque, chegamos às 15h, a tempo de assistir o Festival of Fantasy Parade. Depois do show de encerramento Happily Ever After, com o parque se esvaziando, é a hora de correr para sua atração preferida e aproveitar as filas quase inexistentes. Fomos três vezes seguidas na Montanha-russa dos 7 anões, que tem fotos e vídeos durante o passeio na atração.


Festival of Fantasy Parade

9º dia (terça-feira) -  Animal Kingdom
Fomos nos despedir de Avatar no último dia de parque antes de voltar e, entre outras atrações, fotografar com Mickey e Minnie em sua casa de campo. É o único parque onde o casa de ratinhos fotografa junto com os guests. Depois Disney Springs e hotel para começar a arrumar as malas, deixando tempo livre para as últimas compras no dia seguinte.


Adventures Outpost - Animal Kingdom

10º dia (quarta-feira) - Últimas compras e partida
Acordamos cedo para aproveitar o último dia e fazer compras no Vineland Premium Outlets, o mais próximo do hotel. A loja da Disney no Vineland é bem maior e mais tranquila para compras que no Internation Premium, uma ótima opção para comprar Minnie Ears e pins bem mais baratos que nos parques, por isso, coloque-o no roteiros dos primeiros dias de estadia se pretende comprar esses itens. Antes de voltar ao hotel, ainda demos a última passadinha no Walmart. Depois aeroporto... que pena!


Loja da Disney no Vineland Premium Outlets


logo mala

Frutas do Mercadão de São Paulo

        O Mercado Municipal de São Paulo é um dos pontos turísticos mais tradicionais da capital paulista, visita obrigatória para quem está turistando e quer aguçar todos os sentidos: ver os 72 vitrais do artista russo Conrado Sorgenicht que retratam a agropecuária brasileira, sentir os aromas dos temperos exóticos, o sabor do famoso pão com mortadela, ouvir os chamados nas bancas de frutas e experimentar suas texturas incríveis.
Frutas híbridas
         Ah, as frutas!! Nas dezenas de barracas estão os maiores e mais lindos morangos, cajus, ameixas, jambos, mangas, etc... mas não só. Se estiver em dúvida entre a pera ou a maçã, escolha a 'pera-maçã' (ou pera-nashi, entre outras denominações). Prefere kiwi ou banana? Fique com os dois, no mercadão você encontra o kiwi-banana (kiwi gold). São as frutas híbridas, resultado do cruzamento de duas frutas similares para se tornar uma outra, dois sabores em um só alimento. Já conhece a tayberry, resultado da união da amora e da framboesa? E a atemoia? Mistura da pinha com a cherimoia, ambas da família da graviola, a atemoia é valorizada por atuar no controle da pressão arterial e por beneficiar a saúde muscular.

Frutas do Mercado Municipal de São Paulo

          O preço dessas delícias não é tão doce quanto seus sabores, a maioria das bancas de frutas tem preço único: R$80 o kg de qualquer uma delas ou, como preferem anunciar os comerciantes 'apenas' R$8 cada 100gr de qualquer uma das frutas. Na foto acima a minha humilde bandejinha com dois kiwis-banana, meia dúzia de morangos e meia dúzia de tâmaras custou (ai!!)... R$79!!
        Para atrair clientes dispostos (ou desavisados) para pagar esse valor, o assédio dos comerciantes é grande e tentador. Eles interrompem sua caminhada pelo Mercadão oferecendo a degustação 'sem compromisso' das frutas. Eu experimentei kiwi-banana, pera-maçã, atemoia, pitaya branca, uva sem semente, tâmara e morango, aliás, 'bombom de tâmara': a fruta (que é uma das mais doces do mundo) partida ao meio e recheada com fatias de morango... hummm... muito, muito bom!
         Cada fruta oferecida vem acompanhada de explicações sobre sua origem e seus benefícios para a saúde. Difícil escolher qual a mais saborosa e sair dali sem uma bandejinha, principalmente porque depois de experimentar tantas delícias fica um tanto constrangedor se desvencilhar do vendedor, sem efetuar nenhuma compra. Por isso, já sabe... depois dos doces sabores vêm os preços salgados, então... prepare-se.
logo mala
Leia também:
- Mercado Municipal de São Paulo (um pouco de história)
Grafite no Beco do Batman


           O grafite, expressão máxima da arte urbana, pode ser apreciado por todos os cantos, de todas as cidades do mundo, no entanto, em São Paulo encontrou seu lugar no turismo da capital paulista: é o Beco do Batman, na Vila Mariana, que já virou ponto turístico e cartão postal da mais populosa capital do país. A presença constante de turistas que colocam o Beco em seus roteiros pela cidade mudou até o trânsito na região, onde não é mais permitida a passagem de veículos entre as obras de arte desse museu gratuito e a céu aberto.
Beco do Batman, Vila Mariana, São Paulo
     Diferente da pichação, o garfite possui funamentos e complexidades na elaboração de seus desenhos, usando basicamente a tinta em spray, porém, podendo ser complementada com moldes vazados (stencils), tintas, pincéis, esponjas, entre outros materiais que contribuem para os efeitos incríveis que se vê pelos muros da cidade.
        Outra coisa incrível dessa exposição a céu aberto é que o acervo se renova constantemente, ou seja, as imagens que você vê nessa postagem não são as mesmas que encontrará em uma pesquisa no Google, por exemplo, ou aquelas que encontrará quando chegar ao beco.
Beco do Batman, Vila Mariana, São Paulo
    Isso acontece porque as pinturas são frequentemente substituídas por outras, dos mesmos artistas ou de grafiteiros diferentes, mas sempre em comum acordo para que um desenho seja apagado e substituído por outro. O que isso quer dizer? Uma visita ao Beco do Batman nunca será igual à outra, pois sempre haverá uma nova obra a ser apreciada.
      O nome do Beco tem origem em um desenho do homem-morcego que marcou presença nessas paredes na década de 80. Chamava tanto à atenção que passou a servir de referência para localizar a travessa, além de atrair outros artistas que registraram sua arte nas paredes do beco. Hoje, embora o nome 'Beco do Batman' permaneça, nada garante que o super-herói esteja pelos muros. Nós o encontramos abraçado a Pelé.
Beco do Batman, Vila Mariana, São Paulo
      Não só as paredes ganham cores e designs descolados nos muros da Vila Mariana, lixeiras, grades, portões  e outros elementos da paisagem urbana ganham cores e se integram com a paisagem. Chega a parecer estranho o interesse das pessoas em fotografar ao lado de postes e latas de lixo. Há desenhos que despertam mais interesse e chegam a se formar filas para fotografar diante deles. Os mais procurados são aqueles que permitem certa interatividade, como grandes asas de borboleta, pássaros ou anjos, entre as quais os visitantes se posicionam para suas fotos. Em nossa visita a grande sensação era um pavão com as penas abertas onde as pessoas faziam filas para fotografar centralizadas no desenho.
      As fotos por ali não são apenas as amadoras, saídas dos celulares dos visitantes, é comum encontrar fotógrafos profissionais produzindo ensaios de gestantes, noivos, 15 anos e foto de moda.

Beco do Batman, Vila Mariana, São Paulo
        E aí você me pergunta: o que mais há para fazer no Beco do Batman? Você pode pedalar alugando uma bicicleta, apreciar o artesanato decolado oferecido no beco, observar os artistas produzindo suas obras, tomar um suco ou uma água de coco... porém, o objetivo ali é apreciar o grafite das paredes coloridas, assim como você faria em qualquer galeria de arte. É um ponto turístico para quem aprecia o grafite, que já está saindo do Beco e se espalhando pelas demais ruas da Vila Madalena.
          Se quiser um horário mais propício para fotos, vá pela manhã; é um passeio rápido, que não tomará seu tempo. Dê ao menos um passadinha.
Beco do Batman, Vila Mariana, São Paulo
logo mala

Flamingos do Busch Gardens


        Apesar de ter a maior concentração de montanhas russas em um único parque da Florida, o Busch Gardens não é apenas o ‘parque das montanhas russas', é também o parque da natureza, dos animais, dos shows (para quem não gosta nem de adrenalina e nem de animais, mas quer conhecer o parque) e de muita diversão. Enfim, assim como o Animal Kingdom, pode ser definido tanto como um parque temático com animais quanto como um zoológicos com brinquedos radicais, depende da preferência do visitante.
Montanhas-russas do Busch Gardens
      Desde a mais 'suave' como a Cheetah Hunt à mais intensa, a Sheikra (ou seria a Montu? Ou a Kumba? As preferências se dividem.),  são aproximadamente uma dezena de atrações radicais, todas com muita adrenalina e muitas filas. Além das montanhas-russas, você também pode despencar de mais de 90 metros de altura na torre Falcon's Fury ou se balançar em um barco pirata até ficar de ponta-cabeça no Phoenix. E as crianças? Sim, há atrações mais suaves na Vila Sésamo, assim como shows e encontro com personagens. Algumas das atrações kid friendly são um tanto... molhadas.
     Esteja pronto para sair encharcado das atrações Stanley Falls Flume e Congo River Rapids, por isso, se não pretende passar o dia com roupas e calçados molhados, previna-se com uma troca de roupa extra na mochila, principalmente para as crianças. Porém, se o dia for daqueles muito quentes, todo refresco será bem vindo e a roupa vai secar rapidinho. No Congo River Rapids (fotos acima), além do rio turbulento, os visitantes ficam em uma plataforma mais alta esperando os botes passarem para atirar com canhões de água nos desavisados ou até nos avisados que não têm como se livrar dos jato d'água. Os 'tiros' de água são comprados por centavos de dólar nos totens que ficam por ali. Assim como nos demais parques da Florida, sempre haverá alguma atração em manutenção justamente pelo cuidado dispensado à segurança dos visitantes, por isso, pode ser que 'aquela atração' que você queria tanto conhecer não esteja disponível. Essa informação fica disponível no site.
Animais do Busch Gardens
        A interação com animais é outro ponto forte do Busch Gardens, são mais de 300 espécies desde as mais fofinhas e cativantes como os pássaros, cangurus e girafas, que podem ser alimentados e acariciados , até aquelas que despertam curiosidade, mas são bem asquerosas como as serpentes e os sapos (argh!). Para ver alguns desses animais bem de perto, e até alimentar as girafas, faça o Serengeti Safari (USD29), um passeio em um veículo adaptado que passeia pela área de 65 acres onde os animais ficam soltos. O passeio dura em torno de 30 minutos e é acompanhado por um guia que vai passando informações e contando curiosidades sobre os animais do parque.
Safari no Busch Gardens

         Para quem não faz questão de chegar tão próximo dos animais, há um trem que faz o mesmo roteiro, de uma distância um pouco maior, de onde também se pode ver todos os animais. É o Serengeti Express, que já está incluso no valor do ingresso, onde podem ser vistos grandes rebanhos de animais africanos, incluindo girafas, zebras, antílopes, avestruzes, entre outros. Os trilhos circundam todo o parque e há 3 estações de embarque (Congo, Nairobi e Stanyville). É uma boa opção para descansar após depois o almoço, sem perder tempo. A volta completa, até chegar à estação onde você embarcou dura em torno de 1h, mas você pode desembarcar onde quiser, aliás, é uma boa ideia para aliviar as caminhadas, pois o parque é bem grande. Outra opção para encurtar distâncias é utilizar o SkiRide, o teleférico com vista panorâmica que atravessa o parque da área do Egito ao Congo.
Animais do Busch Gardens
     Em qualquer parque temático ter um mapa em mãos é importante para conciliar horários e conhecer um pouco de tudo. No caso do Busch Gardens, o mapa é imprescindível! Se você quer experimentar as montanhas-russas (pelo menos a Cheetah Hunt), interagir com animais (ou ao menos vê-los de perto) e ainda assistir a algum(ns) show(s), mantenha o mapa em mãos e programe-se em seu roteiro para não ficar rodando aleatoriamente, passando pelos mesmos lugares e deixando de visitar outros bem interessantes. O parque não tem uma disposição muito linear em suas áreas, por isso, conheça todas as atrações de um área antes de seguir para a outra, pois apenas circundar o parque não é garantia de ver tudo. Se quiser começar pelas montanhas-russas, comece sua rota pela direita (desde a entrada do parque); se estiver com crianças, comece pela esquerda e logo estará na área infantil.
Busch Gardens em 2013 e em 2018.
         Os shows, ahh os shows! Assista a pelo menos um deles. São quatro espetáculos diferentes apresentados em vários horários. O 'Let's Play Together' é um show para as crianças com os personagens da Vila Sésamo. 'Opening Night Critters' tem animais adestrados que encantam adultos e crianças. O 'Push Play' tem cantores e dançarinos e acontece no Dragon Fire Grill e conciliando seu almoço com o show você não perde um único minuto de atrações no parque; o sistema é fast food com opções de lanches e saladas e refrigerante com refil. Agora se os shows não fazem parte de suas preferências ou você decidir por assistir a apenas um deles, que seja o 'Turn it up', um show de dança e performances em patins sobre gelo que é a cereja do bolo da visita ao parque. Imperdível!
Transporte gratuito para o Busch Gardens
     O Busch Gardens fica em Tampa, a aproximadamente 1h de Orlando e tem transporte gratuito (ehhh). A reserva é feita online e há seis pontos diferentes para o embarque e desembarque. Ao indicar seu hotel, o site vai sugerir o ponto mais próximo. O ponto mais próximo de nosso hotel (Clarion Inn Lake Buena Vista) era o supermercado Publix e há uma placa indicando o local onde aguardar a chegada do ônibus, que é muito confortável e pontual tanto para ir como para voltar. Há mais de um ônibus fazendo o trajeto diariamente, por isso, fotografe o número do seu para se localizar na saída do parque. Na volta, desembarcamos no Publix e aproveitamos para jantar no Gilson's Restaurant antes de seguir para o hotel.


Leia também:
Pandora à noite
         A área de Pandora, no Animal Kingdom, tirou do público a ideia de que esse parque não era para um dia inteiro e ainda a de  ser um parque que fecha cedo. Agora os visitantes querem ficar até mais tarde só para ver Pandora que, toda iluminada, se transforma em uma atração em si mesma.

Pandora à noite
        A floresta bioluminescente foi idealizada pelos imagineers para promover ao visitante experiências totalmente diferentes  de acordo com o período do dia. Quando o sol começa a se por, mudam as cores, os sons e as sensações na floresta iluminada. O ambiente fica bem aparecido com aquele encontrado na fila de Avatar Flight of Passage e nos cenários de Na'vi Journey, a diferença é ver a transformação mágica acontecer ali, diante de seus olhos, enquanto a noite cai. As plantas começam a brilhar, assim como o chão que aos poucos vai ficando todo iluminado, as montanhas flutuantes ganham novas tonalidades e a água das cachoeiras ganham um brilho azul. Tudo lindo, lindo!

Pandora à noite

      Quando a tarde começa a avançar para a noite, a área de Pandora vai ficando cada vez mais cheia, com muitas pessoas simplesmente por ali... esperando escurecer, o que acontece por volta das 8:20pm em horário de verão. Os fotógrafos da Disney também se posicionam nos pontos mais bonitos da área e logo se formam as filas para aquela foto que todo mundo quer tirar.
       Enquanto espera as surpresas da floresta iluminada, aproveite para assistir à última apresentação do dia da Swotu Wayä Na'vi Drum Ceremony que acontece por volta das 20pm, quando a celebração do espírito da floresta terminar, a mágica estará começando. 
       Esse não foi um post de muitas palavras, pois a ideia é aguçar sua curiosidade e recomendar que fique no parque até depois do anoitecer, vai valer a pena. Pandora à noite é mais surpreendente e encantadora que o próprio show de encerramento do Animal Kingdom.

Pandora à noite
logo mala
Leia também: 

Encerrado 

Sorteio de 3 ingressos para o balão da Disney Springs

Characters in Flight Tethered Balloon Ride

          O blog De turista a Viajante completou 8 anos  e vai dar de presente três ingressos para o Characters in Flight Tethered Balloon Ride, o balão da Disney Springs, para quem estiver em Orlando na próxima semana.
           É tudo relâmpago... 
- Inscrição deixando recado nessa postagem do blog: 'Eu quero' e seu nome;
- O sorteio será amanhã (15/07/2018), após às 21h; 
- Ingressos válidos até sexta-feira (20/07/2018);
- Três ingressos para o mesmo sorteado;

Characters in Flight Tethered Balloon Ride

Regras:
- Seguir o blog no nosso Instagram ou no Pinterest
- Compartilhar conosco as fotos de seu passeio para uma postagem no blog.

Mais informações:
- Inscrições até 15/07/2018, às 21h .
- O sorteio será realizado em via Sorteiospt .

- O resultado será divulgado no blog e o vencedor avisado pela rede social em que segue o blog: Instagram ou Pinterest.
- Os vouchers serão enviados por e-mail após contato com o ganhador.
- Inscrições de não-seguidores serão desconsideradas.

Boa sorte!!
logo mala

Resultado de imagem para oito anos

Oito anos!!!

    Se esse meu filhote fosse humano já estaria alfabetizado e começando a escrever seus próprios posts.
       Mas quem está fazendo oito aninhos é o blog De Turista a Viajante e para comemorar segue o lembrete de oito itens que sempre nos esquecemos de colocar na mala de viagem: