Loja da Carlo's Bakery no Florida Mall

         Quem é que consegue assistir ao Cake Boss na TV e não encher os olhos? As delícias de Buddy Valastro são mesmo de dar água na boca e as lojas Bake Shop estão espalhadas por várias cidades dos EUA, inclusive em Orlando. Se você tem viagem marcada para a Terra da Magia nem tente resistir, coloque o Florida Mall em seu roteiro e, além das compras básicas, dê uma passadinha na Carlo's Bake Shop. Não vá perder essa oportunidade.

Delícias da Carlo's Bakery

          Não que seja absolutamente necessário ir tão longe, já que em São Paulo fica a única confeitaria Carlo's Bakery fora dos Estados Unidos. Uma honra para o Brasil, não é? Acontece que nosso país é tão grande que para muita gente será mais fácil conhecer a loja de Orlando que a de São Paulo. Em qualquer uma das duas os sabores são incríveis, o atendimento excelente e os preços... bem... os preços um pouco menos doces que as delícias da vitrine. Porém, aí vale aquela reflexão do viajante que quer se convencer de que está fazendo a coisa certa: se você já está ali, e pode não ter outra oportunidade, por que não fazer essa extravagância e matar a curiosidade?

Delícias da Carlo's Bakery

      Um exemplo de preço: os tradicionais  lobster tail e cannolis custam na loja do Brasil R$16 e na loja do Florida Mall, USD4,95. Com o dólar em alta, saboreá-los fica um pouquinho mais caro nos EUA, mas você já está ali!
        A loja do Florida Mall sempre tem uma fila, às vezes pequena, outras saindo da loja em direção à praça de alimentação, mas a espera vai valer a pena e o atendimento é bem eficiente. Não precisa saber os nomes dos doces, quando chegar sua vez é só ir apontando qual e quantos doces você quer. Seu pedido será anotado e suas escolhas acomodadas na famosa caixa branca com logo vermelho. Você receberá uma senha e quando seu número aparecer no painel seu pedido estará pronto, é só pagar e saborear.

Carlo's Bakery em Orlando

     Quando chegar ao caixa para pagar haverá por ali outras tentações: caixas de cookies prontas para levar para casa e as lembranças da loja, camisetas, canecas, livros de receitas...
     A loja é pequena e não há no espaço interno mesas para acomodar os clientes, mas ela fica na praça de alimentação do Florida Mall, então não vai ser difícil encontrar uma mesa para sentar-se e apreciar com calma cada sabor. E entre tantas opções, o que experimentar?

Carlo's Bakery em Orlando

      Isso depende muito das preferências de cada um e todos parecem igualmente apetitosos e agradáveis ao paladar. Eu quis experimentar os cannolis tão famosos e comprovei que são mesmo deliciosos. Acho que o caminho é esse: um cannolli e um outro doce que atraia mais na vitrine. Dois é muita gulodice? Depois você queima as calorias andando nos parques.
         Se você escolher um cupcake ou um cookie eles não terão um sabor muito diferente daqueles de outras confeitarias. Escolha os doces diferentes, aqueles que você não vai encontrar na padaria da esquina. Há quem ache que as opções da Carlo's Bakery são mais bonitos que gostosos, eu discordo, o sabor doce na medida certa realmente agrada bastante a meu paladar. A Carlo's Bakery divide opiniões, mas para opinar é preciso experimentar, certo?

Carlo's Bakery em Orlando

Serviço:
Florida Mall - 8001 Orange Blossom Trail, Orlando, FL 32809
Fone: (407) 362-5365
Site: https://bakeshop.carlosbakery.com/florida-mall 
Horários:  
Segunda a sexta-feira - 9:00AM - 9:30PM
Sábado - 9:00AM - 10:30PM
Domingo - 10:30AM - 8:30PM

Leia também: Carlo's Bakery em São Paulo


logo mala

Salão do pregão - Museu do Café - Santos - SP


        Sabe aquela construção tão linda e imponente que dá vontade de entrar para saber o que tem e como é por dentro? Pois o Museu do Café, em Santos-SP é assim. O prédio inaugurado como Bolsa Oficial do Café em 1922, encerrou suas atividades na década de 60 e chegou a passar por ameaça de desmoronamento, antes da restauração e reinauguração como Museu do Café em 1998, conservando arquitetura e mobiliário. Na arquitetura do prédio, os vitrais e obras de Benedicto Calixto ganham destaque e não há como não apreciá-los.

Museu do Café - Santos

      O museu tem exposições fixas e temporárias que recontam a história do ciclo do café misturando-se com a história da cidade de Santos e do Brasil. São muitas informações  apresentadas por meio de objetos, documentos, áudios, vídeos em uma linha do tempo por onde se passeia descobrindo segredos e curiosidades. Os dois andares abertos ao públicos são extremamente bem cuidados e o grande destaque do prédio é o Salão do Pregão (primeira foto), conservado exatamente como quando por ali se movimentava a economia do país. O cuidado com o prédio restringe a entrada com bolsas e mochilas que devem ser deixadas em um guarda-volumes na entrada do museu, mas as fotos são liberadas. Por ser um dos principais pontos turísticos da cidade, que recebe turistas do mundo todo em cruzeiro marítimo, as informações dos folhetos disponíveis na entrada estão, além do Português, em Inglês e Espanhol.

Museu do Café - Santos

          O aroma do café é garantido no ambiente pela cafeteria que fica na entrada, onde você pode escolher o tipo de grão de seu café, além da opção de ser feito na cafeteira ou no coador de pano. Os preços não são tão interessantes quanto as opções, é verdade, um cafezinho (120ml) pode custar mais de R$20, no entanto, para os apaixonados por café pode ser uma boa oportunidade de experimentar diferentes aromas: frutas amarelas, frutas vermelhas, orgânico e até o exótico jacu bird, feito das fezes do jacu, ave nativa da Mata Atlântica. Calma, vou explicar melhor, o jacu é criado nas fazendas de café pois alimenta-se só dos melhores grãos e como sua digestão é muito rápida, a ave elimina os grãos que ingeriu antes de contaminá-lo pelos ácidos estomacais e aí... bem... em vez do café ser colhido no pé, é colhido no cocô do jacu e resulta no café mais raro e caro do Brasil.
        A origem do café jacu bird é bem interessante, mas eu preferi experimentar outros sabores e tomei um suco de laranja com café (R$18) que é uma coisa louca, seu cérebro entra em conflito e você não sabe direito se está tomando o suco ou o café ou ainda como identificar os dois sabores ao mesmo tempo. A cafeteria também tem, entre várias outras opções, frappê de café (R$24), caipirinha de café (R$26), torta doce de café, brigadeiro de café...

Museu do Café - Santos

         As exposições são pensadas também para as crianças que têm espaços interativos para desenhar e realizar outras atividades. A lojinha tem lembranças com o logo do museu e vende também o café de sua escolha moído na hora para ser levado para casa. O prédio do museu destoa totalmente do abandono e da depredação dos prédios ao seu redor, no centro antigo de Santos e ao entrar as surpresas serão ainda maiores. Visite!

Serviço
Endereço: Rua XV de Novembro, 95 - Centro Histórico
Fone: (13) 3213-1750
E-mail: museudocafe@museudocafe.org.br
Valor do ingresso: R$10 (inteira) / R$5 (meia)
Horários: terça a sábado, das 9h às 17h; domingos, das 10h às 17h
                A cafeteria abre diariamente até as 18h
logo mala
        

Clarion Inn Lake Buena Vista

         Onde se hospedar em Orlando? A pergunta ronda a todos que estão planejando sua primeira, segunda, terceira ou vigésima quinta viagem a Orlando. Por quê? Porque a rede hoteleira da Terra da Magia é muito ampla (com preços melhores do que encontramos no Brasil) e os hotéis se estendem por uma região muito vasta, incluindo cidades vizinhas, o que deve ser analisado com cautela, pois quanto mais longe, mais baixos podem ser os valores, no entanto, o que se gastará com transporte pode resultar em uma falsa economia.

Clarion Inn Lake Buena Vista

        O melhor a fazer é ficar próximo aos pontos de interesse e ganhar tempo indo e vindo dos parques. Se você pretende ficar próximo aos parques Disney, mas quer pagar menos que os valores do complexo Walt Disney World Resort, escolha se hospedar nos hotéis de Lake Buena Vista. Se tem preferência pelos parques da Universal Studios, e outros pontos turísticos de Orlando além dos parques, escolha os hotéis da International Drive. Em qualquer que seja a escolha de localização, nossos hotéis queridinhos em Orlando são os da rede Rosen Inn. Já tínhamos nos hospedado na I-Drive em dois deles o Rosen Inn 9000 e o Rosen Inn 7600, já na última viagem optamos por ficar mais próximos aos parques Disney, que eram nosso foco, e escolhemos o Clarion Inn Lake Buena Vista, um hotel da rede Rosen pertinho do Vineland Premium Outlets, da Disney Springs e dos parques Disney.

Clarion Inn Lake Buena Vista

         E o melhor? Com transporte gratuito para os parques Disney,  Universal e Sea World, além de compras no Vineland Premium Outlets e no outlet Lake Buena Vista Factory Store. Isso pesou bastante em nossa escolha, pois resulta em uma boa economia, mesmo que você não utilize exclusivamente o transporte do hotel. Nós, por exemplo, utilizávamos o shuttle do hotel para ir aos parques até as 11:10am e deixávamos a volta com horário mais livre, utilizando às vezes Uber direto para o hotel (entre USD15 e USD17) e em outras o transporte gratuito dos parques Disney até a Disney Springs onde passeávamos um pouquinho e depois acabávamos de chegar de Uber (entre USD7 e USD8).


        Para utilizar o transporte gratuito não é preciso agendar, basta aguardar nos pontos que ficam bem em frente à recepção do hotel, chegando com antecedência de 10 a 15 minutos. Nos horários acima, observe que não aparece o horário de ida para o Magic Kingdom e nem para o Animal Kingdom e há vários horários para o Epcot. Isso porque do Epcot se vai para qualquer outro parque. Então, se você se programou para ir ao Hollywood Studios e perdeu o ônibus das 10:25am, aguarde o próximo para o Epcot e da lá siga para o Hollywood Studios. Mesma coisa na volta, se 4:25pm é muito cedo para voltar do Hollwood Studios, pegue qualquer ônibus do próprio parque que leve até o Epcot e lá aguarde na lane 48 (espaço numerado onde os ônibus param) para voltar ao hotel às 9pm ou às 9:45pm. Parece muito trabalhoso? Pode até ser depois de um dia de parque em que o cansaço já se abateu sobre nós e tudo que queremos é chegar logo no hotel, por isso, nós optávamos pelo Uber na volta. Porém, para 'ir' aos parques é muito tranquilo, mesmo que você pegue o transporte de um parque para outro. O Magic Kingdom, por exemplo, fecha às 10pm, ou seja, mesmo que você chegue ao parque ao meio dia terá ainda 10 horas de parque para aproveitar. Eu não aguento mais que isso e você?

Clarion Inn Lake Buena Vista

        A área de recreação é bem interessante, principalmente para as crianças que têm um playground aquático reservado a elas, além de muita área verde e lago (com as assustadoras placas avisando que ali é o habitat natural de crocodilos, por isso, distância). As placas existem mesmo, mas não se preocupe o lago está distante das áreas de recreação e dos quartos, além de que dificilmente haverá um crocodilo por ali.


Clarion Inn Lake Buena Vista

       Os quartos são exatamente o que mostram as fotos do site e que descrevemos sobre os Rosen Inn 7600 e 9000, os hotéis são idênticos em suas acomodações, se chegar até o quarto de olhos fechados você não saberá em qual dos hotéis está. Todos com frigobar, microondas, cafeteira, tábua e ferro de passar roupa, cofre com senha eletrônica, secador de cabelo, internet, canais de TV a cabo. Mais coisas legais? Tem máquina de gelo gratuita nas dependências coletivas do hotel e balde de gelo no quarto, bem lembrado, não é? Ah! Não tem taxa de resort e é possível solicitar um late check-out das 11am às 15pm por uma taxa adicional.


Clarion Inn Lake Buena Vista

      O hotel serve café da manhã das 6:30am às 10:30am por USD9,99 + taxas e jantar por USD13,99, das 5:30pm às 10pm. O café da manhã é uma ótima opção para manhãs calmas, mas quando quiser dormir um pouco mais deixe para tomar seu café no próprio quarto com as comprinhas feitas no Walmart e o café feito na cafeteira (tem sachês de café, chá, açúcar e adoçantes repostos diariamente). Se a opção for por dormir até mais tarde lembre-se de colocar o aviso de não perturbe na maçaneta, eu esqueci em duas ocasiões e acordei com a arrumadeira quase derrubando a porta.


Clarion Inn Lake Buena Vista


        Próximo ao hotel (possível de chegar caminhando) há alguns estabelecimentos comerciais, entre eles uma Cici's Pizza, um restaurante Olive Garden e um Mc Donalds. Embora esteja em frente ao Vineland Premium Outlet não é possível atravessar a rua e chegar até o shopping pois a frente do hotel fica do outro lado. Entre o hotel e o outlet existe uma rodovia onde não é possível atravessar. Por isso, aproveite o shuttle gratuito para o outlet.

Clarion Inn Lake Buena Vista

Clarion Inn Lake Buena Vista

           A loja de conveniência pode ser a salvação depois de um dia cansativo de parque, mas lembre-se que ela tem preços de 'loja de conveniência', ou seja, são pouco convenientes para quem quer economizar. Uma garrafinha da Starbucks custa mais que o dobro daquela comprada no Walmart, a batata Pringles, tão bem vinda nos parques, custa 3 vezes mais. Quer economia? Então organize-se para as passadinhas no Walmart, Walgreens e Dollar Tree.

Clarion Inn Lake Buena Vista

          Nossa experiência no Clarion Inn Lake Buena Vista foi muito positiva, a limpeza é primorosa, o atendimento muito gentil, com muitos funcionários falando espanhol, a área verde torna os espaços do hotel bem aconchegantes. Última dica: peça um quarto no segundo andar, assim você pode encarar as escadas caso o elevador demore, além de ter uma vista melhor e não acordar com gente passando em sua porta o tempo todo, como acontece no andar térreo.
        Nossa conclusão: um hotel para voltar, com certeza.
logo mala

Keys to the kingdom tour

         A Disney é viciante, quanto mais se visita, mais se quer ver, e conhecer, e saber mais sobre o reino da fantasia... Os administradores sabem disso, por isso, oferecem alguns tours especiais para quem quer avançar um pouquinho em seus segredos. Não se iluda, os segredos desvendados são mesmo bem poucos, os próprios guias informam que nos parques Disney os guests (convidados) têm a falsa ideia de liberdade, porém, na verdade só andam por onde lhes é permitido, só veem e sabem o que é conveniente que conheçam. Sendo assim, não estranhe se alguma pergunta sua ou de outro guest não for respondida, os guias só revelam aquilo que estão autorizados a fazer. Assim se mantém a magia que ninguém explica completamente, mas encanta a todos.

Keys to the kingdom tour

         O 'Keys to the Kingdom Tour' é um passeio guiado de 5 horas pelo Magic Kingdom no qual os guests recebem muitas informações, em inglês, e ficam sabendo de curiosidades sobre o parque, além de visitar uma pequena parte dos bastidores e dos famosos túneis do Magic Kingdom (utilidors). Como os segredos desvendados podem estragar a magia para algumas pessoas, o passeio é permitido só para maiores de 16 anos (pelo mesmo motivo não continue a leitura se os spoilers lhe incomodam). Custa USD99 (+ taxas), além da entrada do parque, e só pode ser agendado via telefone, com a opção de atendimento em português. Os grupos são formados por no máximo vinte pessoas e saem diariamente a cada meia hora entre as 8h e as 10h. Quem escolhe o primeiro horário, como nós fizemos, precisa chegar bem cedo, por isso, encontra o Transportation and Ticket Center (de onde saem o Ferry Boat e o Monorail que levam até o Magic Kingdom) vazio, como na foto acima. Com tanta tranquilidade consegui olhar para o chão e ver os ladrilhos com o desenho estilizado do Mickey e do castelo da Cinderela e nomes de pessoas que já comemoraram alguma data especial no parque: casamento, formatura, aniversário... A vantagem desse primeiro horário é pegar o parque vazio, entrando antes de sua abertura, porém, nesse dia estavam gravando um comercial (veja os equipamentos na foto) e a abertura dos portões atrasou, como entramos em cima da hora do tour tivemos que ir direto para o Town Square Theater, onde o tour se inicia (a orientação é chegar 15min antes do horário de início). O tempo parada em frente aos portões, serviu para que eu observasse a mensagem da placa circular encrustada no portal: "Aqui você deixa o hoje e entra no mundo do ontem, do amanhã e da fantasia".


     Quando se agenda esse tour não se recebe nenhuma confirmação por e-mail; no dia seu nome estará em uma lista com os cast members na entrada do parque, para permitir a entrada antes das 9h, e o crachá com seu nome pronto no Town Square Theatre, que é o ponto de encontro. Antes de começar o tour você já escolhe o que vai querer para o almoço, que já está incluído no valor do passeio. Nossa refeição foi no Pecos Bill Tall Tale, que fica na área da Frontierland. Cada participante também recebe uma garrafa d'água e um rádio com fone de ouvido para que todos possam ouvir perfeitamente as informações. Nossa guia era essa da foto ajudando a distribuir os crachás, observe que a roupa dela lembra os trajes de equitação (chapéu), inclusive ela levava um chicote de equitação nas mãos. Todos os guias usam essa roupa por escolha da filha de Walt Disney, Diane, que praticava equitação e considerou a roupa adequada à função dos guias. Durante o tour é proibido fotografar e filmar, principalmente nos bastidores (backstage) e utilidors, onde é feita uma promessa solene de não registrar o que está sendo mostrado, por isso, as fotos dessa postagens são 'genéricas'. Algumas foram tiradas em outros momentos de visita ao Magic Kingdom, outras são apenas ilustrativas ou resultado de buscas no Google (como acontece com as imagens dos utilidors).

Keys to the Kingdom Tour

     Todos devidamente identificados e com os fones de ouvido, o passeio começa em frente ao Town Square Theatre, onde a guia conta como começou o império da Disney, primeiro com os filmes (Branca de Neve e os Sete Anões, em 1937; Fantasia, 1940), depois o parque da Califórnia e a compra de terras em Orlando com nomes de diferentes pessoas e empresas fictícias para garantir os preços baixos. Dessa forma Walt Disney conseguiu comprar os 27 mil acres de terras que formam o complexo Disney World, na Florida. Os nomes nas janelas da Main Street são de pessoas importantes para a criação do parque, até mesmo as corporações falsas, criadas para possibilitar a compra de terras a preços baixos, estão lembradas ali. Esses nomes estão propositadamente colocados na entrada do parque para que sejam a primeira coisa que se vê ao entrar e a última a sair, como se fossem os créditos de um filme, apresentados no início e no final da exibição. Pouco depois da Town Square Theatre, seguindo em direção ao castelo, há um recuo lateral à direita que forma uma pequena rua sem saída para os guests, onde na verdade é uma das entradas dos bastidores, paramos ali para ouvir sob as janelas das construções o som de um piano sendo tocado e alguém praticando canto nos prédios identificados como "Singing Lessons" e "School of Dance". Durante o tour são apontados detalhes que estavam ali, mas muita gente não havia observado mesmo após várias visitas, por exemplo, a perspectiva forçada que faz as construções, inclusive o castelo, parecerem maiores do que realmente são (observe na primeira foto como os tijolos diminuem de tamanho do mais baixo para o mais alto) e, no alto dos prédios, a quantidade de bandeiras americanas que na verdade são para-raios disfarçados. Essas são bandeiras falsas, em todas elas falta uma estrela ou uma listra, a única bandeira verdadeira é a que fica na pequena praça da entrada do parque, essa é hasteada pela manhã e arriada diariamente, com todas as honras em uma cerimônia realizada as 17h .

Keys to the Kingdom Tour

       Outra informação bem enfatizada por nossa guia explica o nome do passeio "Keys to the Kingdom Tour"com um trocadilho de duplo sentido usando a palavra 'chave'. Essa chave, que é o símbolo do passeio distribuído em forma de pin, pode parecer simplesmente a maneira de destrancar espaços proibidos para os visitantes em geral, como o backsatge e os utilidors, mas vai além disso, as chaves/keys (no plural) são as 4 diretrizes que criam diariamente a magia que os visitantes esperam encontrar: safety, efficiency, courtesy e show.
- Safety (segurança): por exemplo, a água na Splash Montain é potável pois pode espirrar na boca dos guests;

- Efficiency (eficiência): para isso existem os utilidors, para que nada que estrague a magia seja visto pelos visitantes;

- Courtesy (cortesia): os guests sempre são recebidos com um sorriso pelos cast members que estão sempre prontos a ajudar;

- Show: o parque é o próprio show e a estação de trem por onde se entra é considerada a cortina que se abre para que o público assista ao show que deve ser perfeito.
Jungle Cruise

       Até aqui as informações foram dadas em algumas paradas feitas na Main Street, depois a caminhada seguiu em sentido anti-horário para a Adventureland (onde fizemos o Jungle Cruise), depois para a Frontierland (almoço e backstage da Fantasy Parade), Liberty Square (Haunted Mansion), Fantasyland (entrada dos utilidors) e Tomorrowland (saída do backstage). O tour foi finalizado na praça em que fica a bandeira americana real. A cada nova 'terra' que chegávamos, a guia chamava a atenção para os detalhes, a mudança de cor do chão, a música, a impossibilidade de ver o castelo a partir da Adventureland que representa a selva, etc
          Sem passar pela fila (uhuu!!) o grupo embarcou em um único barco para fazer o Jungle Cruise, uma das atrações originais do MK, desde sua inauguração em 1971, considerada revolucionária para a época. Enquanto navegávamos alguns segredos foram sendo desvendados, o barco corre sobre trilhos, o cast member que ´pilota' o barco é apenas decorativo. A profundidade do rio é mínima, o que dá a ideia de profundidade é a cor marrom-esverdeada conseguida com corante; a cachoeira tem a função de ajudar a agitar e misturar o corante. O Jungle Cruise tem alguns hidden mickeys (Mickeys escondidos) que foram apontados por nossa guia, olhe na foto os três círculos na aranha e o relevo na fuselagem do avião que caiu na selva.

          Ainda na Adventureland demos uma paradinha no Enchanted Tiki Room, que é o maior pára-raios do Magic Kingdom. Os pássaros da Tiki Room foram os primeiros bonecos animatrônicos do parque, mas não paramos ali para vê-los e sim para observar o teto que sendo de palha deveria juntar insetos (bugs). A guia emprestou seu chicote de equitação para que um dos guests do grupo batesse na palha para vermos se voavam insetos. Nada! O teto na verdade é feito de tiras individuais de alumínio e ela aproveitou para informar que não há insetos nos parques Disney. No dia seguinte fomos ao Animal Kingdom e observei que mesmo entre tantas árvores e animais, os insetos são raríssimos. Esse mistério ficou sem resposta.
        Sobre Piratas do Caribe, a guia nos contou que naquele espaço seria construída inicialmente uma atração educativa, porém, os visitantes do parque de Orlando procuravam pela atração que já existia na Disneyland da Califórnia, por isso, decidiu-se pela construção de Piratas do Caribe também na Florida. Sobre a relação entre a atração e o filme, ela destacou que realmente existe uma 'inspiração', mas não que o filme tenha sido criado para homenagear a atração, como dizem.
Almoço

         O almoço aconteceu na área Frontierland, no Pecos Bill Tall Tale. Quando chegamos os pratos escolhidos já estavam na mesa com nossa identificação no cartão que dentro trazia o pin em forma de chave, símbolo do tour. O tempo para refeição foi rápido, meia hora no máximo, e a guia orientou que fôssemos ao banheiro antes de continuarmos a caminhada. Detalhe: se alguém não se dirigia aos restrooms quando eram indicados, ela repetia que era para ir mesmo sem vontade, 'como dizem as mamães'. Nessa área do parque o pedido faz todo sentido, pois está próximo da Liberty Square, onde não há banheiros externos, eles ficam sempre dentro dos restaurantes, isso para ambientalizar a área com prédios dos séc. 18 e 19, quando o saneamento básico era bem precário na América colonial, por isso, o chão vermelho do parque ganha uma faixa marrom-amarelada nessa área para representar o esgoto que corria a céu aberto na época ali representada.
      Nosso caminho após o almoço foi o backstage onde ficam guardados os carros do Disney Festival of Fantasy Parade, o desfile com personagens que acontece diariamente às 15h, desde março/2014. Nós entramos nos bastidores justamente por onde os carros começam o desfile e ali houve uma paradinha para que todos repetissem as palavras da guia prometendo não fotografar e nem filmar nada que estivesse a partir daquele ponto.


Imagem do Google Earth


      Na imagem acima, do Google Earth, está o caminho que fizemos representado pela linha laranja que começa ao lado da Splash Montain (onde se inicia o desfile) e vai até o galpão onde os carros ficam guardados. Todos os dias são feitos testes de som, retoques de pintura e detalhes dos carros para garantir que tudo esteja impecável. A linha amarela atravessada logo no início do trajeto realmente é desenhada no chão e indica o ponto em que o show deve começar, pois a partir dali os carros já podem ser vistos e ouvidos. Da mesma forma, onde o desfile se encerra (no início da Main Street), há uma linha amarela para que os personagens saibam o ponto em que podem parar as performances pois a partir dali não poderão mais ser vistos pelo público. 
       Nesse espaço em que entramos, é possível perceber que por trás do show, os prédios que abrigam as atrações Piratas do Caribe e Splash Montain estão muito próximos, praticamente um ao lado do outro, o que não é possível notar quando se anda pelas áreas livres do parque e se vê apenas a entrada de cada atração, pois é nos bastidores que está a maior parte das áreas construídas (como um iceberg em que apenas uma pequena parte é visível). O Magic Kingdom tem muita informação concentrada em pouco espaço, o que dá a falsa impressão de que ele é maior do que realmente é. O Animal Kingdom, maior dos parques Disney, é cinco vezes maior que o Magic Kingdom, por outro lado, o MK tem três vezes mais atrações que o AK.     
         Ainda na imagem acima, o círculo amarelo sobre um dos prédios, mostra como as grandes construções dos bastidores do parque são camufladas. Nesse ponto específico a parede é revestida com pedras iguais as da Splash Montain, assim quando se olha a partir do parque ela está integrada ao cenário da atração. Além disso, a cor escolhida para a pintura dos prédios foi estudada (pelo próprio Walt Disney) para se confundir com as árvores do parque e tornar os prédios imperceptíveis.


Fantasy Parade

         No backstage a parte mais interessante é a visita ao galpão que guarda os  carros da Fantasy Parade - embora não haja uma circulação entre eles - ficamos apenas na entrada e, enquanto eram passadas as informações, ouvimos o teste do som e vimos os carros sendo detalhadamente revisados, inclusive com um espelho que permitia ver embaixo de cada float (flutuador ou carros alegóricos). Entre as curiosidades destacou-se a segurança dispensada aos 'amigos dos personagens' (como são chamados os cast members que os interpretam) que ficam todos presos aos carros. A Pequena Sereia, por exemplo, que parece solta sentada dentro de uma concha, na verdade está presa pela cintura.
       As fadas-madrinhas da Bela Adormecida - Fauna, Flora e Primavera - que parecem flutuar acima do chão, estão na verdade em plataformas sobre rodas que são comandadas por suas varinhas mágicas com fiação escondida sob as mangas longas de suas roupas (amplie a imagem e veja o fio dentro do círculo amarelo). O príncipe Philip também está no desfile enfrentando o grande dragão de Malévola, mas... e Aurora? Bem, a princesa que passa a maior parte de seu próprio filme dormindo faz parte da parada da Disneyland Tokyo (foto), mas no Magic Kingdom, enquanto o príncipe luta com o dragão ela está dormindo, então, não faria sentido aparecer no desfile e foi substituída no carro de abertura por Anna e Elsa. Observe na foto acima que a estrutura dos dois carros é idêntica, Aurora foi realmente substituída pelas princesas de Frozen.

Haunted Mansion

       Voltamos pelo mesmo caminho e seguimos em direção a Liberty Square que tem uma réplica do Sino da Liberdade (Liberty Bell) feito no mesmo molde do sino original. O jardim em sua volta tem flores brancas e vermelhas e a Disney ainda procura por uma flor azul que se harmonize às outras para que as três cores da bandeira americana sejam representadas ali. Ao lado fica o carvalho centenário que foi transplantado para o parque, nele estão penduradas 13 lanternas representando as colônias americanas, antes da independência dos EUA.
           A Liberty Square é a menor das 'terras' do Magic Kingdom e é dedicada à história americana. A atração mais procurada por ali é a Haunted Mansion, que fomos visitar sem passar pela fila. Na foto aérea mais um exemplo de como a maior parte das atrações está escondida nos bastidores e o que vemos do parque é só uma pequena parte. Se o Jungle Cruise foi considerado inovador na inauguração do parque, em 1971, imagine a Haunted Mansion que surpreende até hoje e é cheia de segredos! Desde os jardins cuidadosamente descuidados até os fantasmas que pegam carona nos carrinhos, tudo causa admiração. Os imagineers não entraram em um acordo se a atração mal-assombrada seria apenas divertida ou realmente assustadora. Como não houve acordo, a primeira parte é mais aterrorizante (um pouquinho) e a segunda mais divertida. A divisão é marcada pelo baile onde os fantasmas dançam.
       Saímos dali, mais do que ansiosos para finalmente conhecermos os utilidors onde descemos as escadas por dentro de uma das lojas da Fantasyland. Como já expliquei, as fotos são proibidas, as que estão a seguir são resultado de pesquisa no Google e são as poucas e raras que podem ser encontradas.
Utilidors - Magic Kingdom
        Eles foram construídos justamente para possibilitar que o show nunca perdesse seu encanto. Os cast members só circulam por ali, então você nunca encontrará algum deles chegando de mochila pelo parque, ou comendo em um dos restaurantes dos guests. E mais, o que motivou Walt Disney a executar esse projeto foi impedir que um cowboy da Frontierland tivesse que atravessar a Tomorrowland para chegar a seu ponto de trabalho, ou então que Cinderela tivesse que atravessar a selva da Adventureland para chegar até seu castelo, o que quebraria o encanto de cada área. Todo o trânsito de mercadorias e cast members acontece exclusivamente pelos utilidors. São dois mundos separados: os utilidors construídos no térreo, que são, o mundo real, e o parque construído no primeiro andar, que é o mundo da fantasia. Para se ter uma ideia dessa diferença entre os dois andares do parque, quando estiver na atração It's a Small World observe que a entrada fica no alto e a fila desce até chegar ao ponto de embarcar para o passeio. Isso porque a entrada está no primeiro andar e o 'rio' por onde navegam os barcos da atração está no nível dos utilidors.
It's a small World

         Quando descemos a escada e chegamos aos utilidors, o mundo real trocou as canções dos contos de fadas por Ragatanga (o Aserehe, do grupo Rouge, lembra?). Diga se isso é ou não um choque de realidade. Em cima, o mundo é só fantasia e encantamento, mas nos utilidors os funcionários relaxam com a realidade, vimos vários deles chegando ou saindo com suas bolsas e mochilas e até o sorriso deixa de estar nos rostos 100% do tempo. Não que parecessem rudes ou mal humorados, apenas não sorriam o tempo todo. Além de armários dos funcionários, caixas de mercadorias, carrinhos, nesses falsos subterrâneos (pois na verdade são o andar térreo do parque) há várias fotos e objetos em painéis nas paredes que contam a história do parque desde a sua construção. A guia contou várias delas, como por exemplo, a posição sempre lateral de Roy Oliver Disney nas fotos que mostram a construção do Magic Kingdom, para que o destaque ficasse para a obra e ele aparecesse nas fotos apenas como coadjuvante na realização do sonho do irmão Walt Disney, que faleceu 5 anos antes da inauguração do primeiro parque Disney na Florida. Walt Disney faleceu aos 66 anos de idade de um câncer no pulmão, ficando hospitalizado por semanas; muitas de suas ideias para o Magic Kingdom foram anotadas por aqueles que o acompanhavam em seu leito de morte.
Inauguração do Magic Kingdom

       Na inauguração do Magic Kingdom, em 1º de outubro de 1971, Roy temia não ser capaz de discursar por conta da emoção em realizar o sonho do irmão, por isso, levou com ele o mais famoso personagem criado por Walt Disney: Mickey Mouse. Menos de dois meses depois da inauguração o próprio Roy veio a falecer. Essa foi uma parte triste do tour que a guia contou com voz emocionada (treinada?) mostrando as fotos nas paredes dos utilidors, mas houve outras histórias mais alegres. Os nomes de Mickey e Minnie, por exemplo, que originalmente seriam Mortimer e Minerva foram modificados pela esposa de Walt Disney, Lillian, que não concordou com as escolhas. O próprio Walt foi dublador do ratinho e na construção da estátua em que está de mãos dadas com Mickey Mouse houve muita discussão para se concluir qual seria o tamanho de Mickey. Resposta indefinida até hoje pois na estátua ele é bem menor que os personagens encontrados pelos parques.

Castelo da Cinderela

       Uma curiosidade, uma ideia não tão brilhante dos imagineers para comemorar os 25 anos do parque. Algum deles teve a (in)feliz ideia de camuflar o castelo em um grande e coloridíssimo bolo de aniversário. Como resultado dezenas de casamentos que seriam realizados no Magic Kingdom foram cancelados pois o sonho das noivas era fotografar em frente ao castelo e não tendo como cenário de fundo uma alegoria multicolorida e de gosto duvidoso (clique para saber mais sobre casamentos na Disney).
         Algumas lendas foram desmistificadas no tour, como o sistema de tratamento de lixo que realmente existe e passa por tubulação interna nos utilidors, mas não é sugado diretamente das lixeiras do parque. A guia disse que as pessoas acreditam nisso, pois seria realmente uma ideia incrível, porém perigosa e que não corresponde à realidade. Ah! Existem várias Tinker Bells, mas nenhum Tinker Bill, ou seja, é mesmo uma mulher que atravessa 'voando' o parque ao final do show de fogos.

Entrada dos utilidors

         Ficamos em torno de 40 minutos nos utilidors e caminhamos por eles desde a Fantasyland, descendo as escadas que ficam atrás da porta mostrada na foto, atravessando a Tomorrowland até sairmos ao lado do Town Square Theater, logo na entrada do parque. Na Fantasyland entramos nos túneis pela porta de uma loja de  Minnie Ears próxima ao It's a Small World. Voltamos ao parque pelos portões (foto acima) que fecham a ruazinha lateral onde ficam a "Singing Lessons" e "School of Dance", que eu expliquei no início da postagem. Eu já tinha passado por esse lugar durante a festa de Halloween do Magic Kingdom, quando cordas e cast members separavam quem entrava de quem saía do parque e a partir desse portão formava-se um corredor que percorria toda a Main Street por trás. Eu imagino que os pontos de entrada e saída dos túneis tenham sido esses que circulei na imagem abaixo. Sim, eles são muito maiores do que foi apresentado, mas dá para matar a curiosidade.


       O tour é todo em inglês e a guia fala rápido e muito. Calculo que, de 5 horas de passeio, ela tenha falado umas 4h, algumas ininterruptas. Em alguns momentos chega a ficar cansativo. Quem não domina o inglês, vai aproveitar pouco das informações passadas, mas siga a direção das mãos ou das cabeças que você vai descobrir alguma coisa interessante sendo mostrada.
        Quem entende pouco o inglês, mas quer muito fazer o passeio, leia sobre ele antes de ir (se leu esse post, por exemplo, já está preparado para muito do que será mostrado). E lembre-se que além das informações você também terá o almoço incluído, duas atrações sem filas, visita aos bastidores da Fantasy Parade, a entrada permitida nos utilidors, o pin em forma de chave... enfim, para mim valeu muito a pena. Não indico para quem está visitando o parque pela primeira ou segunda vez, pois há muito para se ver por lá. Primeiro conheça as atrações, depois descubra mais sobre elas.
logo mala

Breakfast Despicable Me

        Fomos tomar café da manhã com Gru e sua turminha no hotel Loews Sapphire Falls, da Universal Orlando Resort e vamos contar tudo sobre o Despicable Me Character Breakfast que foi muito legal! Essa refeição com personagens acontece apenas aos sábados e não é preciso estar hospedado no hotel e nem ter ingresso para os parques para participar, basta reservar antecipadamente pelo site e pagar com cartão de crédito os valores de USD34,99 por adultos (+ taxas USD37,26) ou USD20,99 para crianças de 3 a 9 anos. Para crianças de 0 a 3 anos a participação é gratuita. Você receberá por e-mail a confirmação do pedido e os tickets para serem impressos e apresentados no dia de seu breakfast.

Breakfast Despicable Me

        O hotel Loews Sapphire Falls é lindo e um dos mais novos da Universal, foi inaugurado em 2016, então, chegue um pouco antes e aproveite para conhecer o saguão com um lustre impossível de não ser notado e a loja de produtos licenciados. Pelas paredes envidraçadas é possível observar as partes externas que também são admiráveis. 

Loews Sapphire Falls

Loews Sapphire Falls

     Todos os produtos da lojinha do hotel podem ser encontrados também nos parques da Universal e na City Walk, mas havia alguns que eu ainda não conhecia, não sei se por distração anterior ou porque minha atenção estava mais apurada por conta do objetivo que nos levou até ali: encontrar Gru, Agnes, Margo, Edith e os Minions. O livrinho de história que Gru lê para as meninas dormirem, por exemplo, eu ainda não havia visto em outros lugares.




        Ah, eu perco horas nas lojinhas se não me policiar, mas vamos ao nosso café da manhã. O lobby do hotel é muito bem sinalizado para ajudar os convidados a chegarem até a Cayman Court Pavilion, onde acontece a refeição com os personagens, então ninguém vai precisar gastar o inglês para pedir informações mas, se for o caso, mostre seu ticket que irão direcioná-lo. As placas indicam o caminho até um balcão onde é feito o registro e entregue o número de sua mesa que poderá ser compartilhada com outras pessoas/famílias, pois são mesas de dez lugares.

Despicable Me Breakfast

       Depois do registro, você entra em uma fila para fotografar com um Minion, nessa primeira foto será dado um cartão para ser entregue a outros fotógrafos durante o café da manhã, a cada vez que você fotografar com os personagens. O cartão tem um código que será usado para visualizar e baixar as fotos a partir do site da Universal. Essas fotos digitais já estão incluídas no valor do café da manhã. O nosso cartão tinha 11 fotos, todas já com moldura dos personagens e data, como você pode ver algumas nessa postagem.

Despicable Me Breakfast

        O período da refeição é de uma hora (a nossa foi das 9h às 10h) e enquanto acontece Gru e as meninas vão de mesa em mesa fotografar, ou então, os fotógrafos chamam por famílias/grupos para fotografar em espaços mais adequados para a qualidade das fotos. Senti falta dos Minions durante o café, dois deles apareceram apenas no final e ficaram no jardim, onde se formou uma fila bem grandinha que não encarei, principalmente por conta do Sol. Aliás, o único porém sobre as mesas, é que algumas ficam no Sol, como essa de toalha azul na foto acima. Não era o caso da minha, felizmente, pois eu ficaria bem incomodada.


         Os alimentos do café da manhã eram tipicamente americanos: ovos mexidos, panquecas, bacon, linguiça de porco, batata, pães doces e de forma, cereais, leite. Também algumas frutas: melão branco, melão amarelo, melancia e, claro, bananas!! Essas eu não vi ninguém comendo, mas estava nas mãos de quase todo mundo por conta das fotos com os Minions (veja na mão do menino na foto acima). Nas mesas, os garçons serviam suco de laranja, café ou chá.

Despicable Me Breakfast

       Depois do café da manhã aproveitamos o transfer gratuito de barco do hotel até a City Walk, basta se dirigir ao pier. Mais uma vez está tudo muito bem sinalizado, inclusive ao lado dos elevadores. A vantagem é pular a etapa do tumulto na entrada da City Walk para a revista de bolsas e mochilas, ela também é feita no hotel, antes de entrar no barco, porém, bem mais tranquila, com bem menos gente. O trajeto é bem rapidinho, o hotel fica tão próximo dos parques que dá para ver a montanha russa do Hulk e as torres da atração Dr. Doom's Fear Fall, do Islands of Adventure.

Transfer do hotel para a City Walk

        Aí vem a pergunta que não quer calar: vale a pena pagar mais de 37 dólares (aproximadamente R$130) para um café-da-manhã? Bem, se você vai viajar para Orlando, vá preparado pois a alimentação é um item caro no orçamento da viagem. Realmente não é um valor baixo para uma refeição, nem para fotos com personagens ou para um transfer em uma distância tão pequena, mas e se colocarmos na conta tudo isso e mais conhecer um pouquinho do Loews Sapphire Falls? E mais essa experiência única que de nenhuma outra forma será possível? Sim, vale a pena! Deixe para fazer economia quando você voltar para o Brasil.

Despicable Me breakfast

Serviço
Local: Loews Sapphire Falls Resort
Endereço: 
6601 Adventure Way, Orlando
Data: todos os sábados

Horários: das 7h30 às 8h30; das 9h às 10h; das 10h30 às 11:30h
Site: Despicable Me Character Breakfast

Despicable Me Breakfast

Bom apetite!
logo mala