Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

31 de janeiro de 2011

Montevideo/ Montevidéu

Navio Empress ancorado em Montevidéu
        Montevideo em apenas um dia, ou melhor 7 horas, é só mesmo para passageiros de cruzeiro que tem como opção 'ver' a cidade ou ficar no navio. Ninguém vai voltar pra casa dizendo que 'conheceu' a capital do Uruguai, no máximo que 'passou' por ela.
     Antes de viajar procurei por dicas nos grupos e blogs que, na minha opinião, têm as informações mais realistas, e até encontrei algumas coisas interessantes como:

"- Vá no Teatro Solis, se puder faça uma visitação. Na quarta-feira, a visita guiada em espanhol é gratuita.
- Tomar "médio a médio" no Mercado; bebida tradicional a base de vinho branco e espumante (alguma coisa assim);
- Mercado del Puerto tem vários restaurantes, os garçons ficam fazendo a captação de clientes e oferecem um drink, é bem divertido.
- Faça um passeio pelo centro a pé mesmo. Vá até o Estádio Centenário, conheça o centro velho, visite o zoológico.
- Para quem gosta de futebol e quiser trazer uma camisa de um clube uruguaio de recordação, recomendo a Casa Sanz. Tem várias camisas, todas oficiais. O endereço deles é Av. Uruguay 1163.

Teatro Solis        Li também em duas revistas de turismo matérias sobre Montevideo com sugestões de passeios, dicas de compras, atrações, etc. Até ajudaram bastante, pois eu não conhecia nada de nada do roteiro. Continuei no 'nada'. Não consegui seguir as dicas por causa do tempo, tanto cronológico quanto climático, e tive que me contentar com o entediante "City Tour Panorâmico'.
      
        Além da grande oferta de passeios no porto, algumas lojas como a MLF, que fica na Av. 18 de Julio, perto das principais atrações da Ciudad Vieja, oferece um serviço de transfer para quem quiser ir até a loja, conhecê-la 'sem compromisso', fazer o passeio a pé pelo centro e depois voltar ao porto também com o transporte da loja. Nos folhetos de propaganda das lojas sempre há um mapinha localizando as atrações.
        O Ministério de Turismo y Deporte também distribui no porto um panfleto bem detalhado com localização no mapa, descrição e foto dos pontos turísticos para quem optar um Walking Tour ou Circuito Peatonal. Para quem não tem crianças e possui disposição para a caminhada são ótimas opções.
        A grade amarela que se vê na foto do porto separa vans e táxis que oferecem o City Tour. O assédio é intenso, analise com calma e não se deixe levar pela insistência de um uruguaio mais falante. Os táxis cobram 30 dólares por hora, para 4 passageiros, e sugerem 2 horas para fazer o City Tour com paradas onde o cliente quiser.
       As vans cobram 25 dólares por pessoa para um City Tour de 3 horas; mas reúna um grupo e dê a choradinha brasileira que o preço diminui. Juntamos 15 pessoas e ficou por 20 dólares cada um, mais vantajoso que o táxi. Fomos em micro-ônibus com guia que se arriscava num portunhol bem compreensível.
Estádio Centenário - Montevidéu - Uruguai
      Começamos pela Catedral e a Plaza Constitucion, que possui uma feirinha de lembranças e antiguidades. Por ali tem Burguer King, Mc Donald's e Casa de Câmbio. Dali fomos para a Plaza Independencia e seguimos numa caminhada rápida (mesmo) pela Ciudad Vieja tentando acompanhar a guia de turismo que andava e falava ao mesmo tempo enquanto nós tentávamos fotografar e segui-la. Piada total!


               Fizemos apenas mais uma parada no Palácio Legislativo para fotos nas escadarias e tudo o mais foi visto e fotografado de dentro do ônibus. Minha atenção foi se dispersando pela monotonia, minhas filhas dormiram, meu marido desistiu de acompanhar as explicações em portunhol. O único lugar em que entramos foi na catedral, nenhum museu, o Teatro Solis só de longe, a maioria das fotos com o reflexo das janelas do ônibus. Eu gosto de City Tour, mas não assim. Eu não indico.
           Logo que desembarcamos no porto, um taxista perguntou se éramos brasileiros e disse sorrindo: "Sólo no podemos hablar de futbol", demonstrando um explícito orgulho do desempenho uruguaio na Copa 2010. Orgulho este que não pode se estender ao Estádio Centenário que está em reforma, fechado para visitações e bem 'estropeado', segundo descrição da própria guia.
           O ponto final do passeio foi o Mercado del Puerto onde meu marido estava disposto a experimentar a parrilla uruguaia e o argumento para me convencer foi bem criativo: "Se um dia nós formos a Paris, você vai querer experimentar escargot." Sim, vou. E vou também experimentar muitas outras comidas típicas por onde eu passar, mas o padrão de higiene por ali é bem diferente do que estamos acostumados no Brasil. Se estiver disposto a encarar, muita atenção a pratos, copos e talheres. Se tiver álccol em gel na bolsa, será bem útil. Minha filha soltou mais uma pérola desta 'aventura': "Olha, o prato já vem com a comida antes da gente escolher." Seria cômico se não fosse trágico.
Parrilla uruguaia
            Por segurança, não deixamos as crianças pedirem suco. O refrigerante engarrafado era mais adequado para a situação. Para os adultos uma Patrícia, a cerveja mais famosa do Uruguai. A parrilla decrita no cardápio era para 2 pessoas. Pedimos uma parrilla para 7 e não conseguimos consumir alguns dos itens indecifráveis colocados à nossa frente, entre eles Morcilla (sangue de vaca coagulado, o nosso chouriço) e chinchulin (instestino fino). Esse restaurante foi indicação da guia de turismo e fica bem na porta do Mercado del Puerto e não dentro dele.
O antigo e o moderno em Montevidéu - Uruguai            No Mercado del Puerto há muitos outros restaurantes, todos servindo parrilla. São poucas as lojas de lembranças, vinhos, etc. Procurei pelo doce de leite La Pataya mas não encontrei por ali. Comprei alfajores bem gostosinhos, depois voltamos para o navio pois eu não aguentava mais ver parrilla pra todo lado.             
        Cada turista tem preferências e interesses diferentes em cada roteiro. 'Se' um dia eu voltar a Montevideu numa escala marítima, vou fazer diferente do que fiz desta vez:
       - Não quero mais City Tour. Ou faço tudo a pé, parando e conhecendo o que eu quiser e der tempo pela Cuidad Vieja ou pego um táxi que faça o roteiro que eu escolher.
           - O Mercado del Puerto fica a um quarteirão de onde o navio ancora. Vou passear de manhã, voltar ao navio para almoçar e sair novamente depois. Se for inviável, minhas opções de alimentação ficarão entre Mc Donald's ou Burguer King.
          - Não viajo para fotografar, eu fotografo aquilo que vivencio. Quero entrar nos lugares, mesmo que sejam poucos e desfrutar o momento de estar ali.
            Um único dia é pouco em qualquer lugar que se vá, mas essa passagem rápida pode despertar ou não o interesse em voltar e conhecer melhor. Pra mim um dia em Montevideu já foi suficiente.
logo mala

30 de janeiro de 2011

Recordar é viver

Diário Catarinense. Segunda-feira, 24 de janeiro de 2000.

Recorte de jornal do Diário Catarinense

              Escrevendo sobre Balneário Camboriú no tópico anterior foi impossível conter as recordações de quando estive lá, pela primeira vez, no ano 2000 e trouxe como lembrança esse recorte de jornal. Essa, no centro da foto, de maiô preto e chapéu sou eu! Como fui parar aí? rs
        Bem, viajei em excursão, horas e horas de ônibus até Santa Catarina. Estávamos na praia, jogando conversa fora quando chegou uma dupla perguntando se éramos brasileiros. Naquela época a desvalorização do real fazia com que Balneário Camboriú se enchesse de argentinos. Diante de nossa resposta afirmativa e desconfiada, eles se apresentaram como fotógrafo (Caio Cezar) e jornalista (André Guillamelau) do Diário Catarinense, pedindo para tirar uma foto nossa e fazer uma entrevista. Ninguém acreditou. E eles insistindo, pois diziam que precisavam entrevistar um brasileiro e só encontravam grupos de argentinos. Só depois de mostrarem as credenciais e insistirem um pouquinho mais, acabamos concordando.
          No dia seguinte, o colega da foto foi o primeiro a se levantar. Acho que chegou na banca antes do próprio jornal e lá estávamos nós sob a manchete: "Turista lota Balneário Camboriú". O texto falava sobre as praias lotadas, apesar do relatório de balneabilidade que indicava 10 pontos poluídos, entrevistava turistas argentinos e brasileiros e também vendedores que previam que aquela seria a melhor temporada que a cidade já havia tido.

A legenda da primeira foto é: FORMIGUEIRO: É difícil encontrar um lugar vago na areia, principalmente em finais de semana quentes e ensolarados.

A legenda de nossa foto: FESTA: A dentista Alesandra Ribeiro (D) veio em excursão de Barretos (SP) e diz que não troca cidade por nenhuma outra.


Fiquei feliz por ter guardado o recorte. Trouxe boas recordações.

29 de janeiro de 2011

Balneário Camboriú em escala de cruzeiro

Para os catarinenses, apenas Balneário; para todos os não-catarinenses apenas Camboriú. Para evitar confusões com o nome do município vizinho: Balneário Camboriú.

       Essa foi nossa opção de passeio, na escala que fizemos em Itajaí com o navio Empress. O trajeto desde Itajaí até a principal atração da vizinha Camboriú, o Parque Unipraias, leva em torno de meia hora. O site é bem detalhado e tem informações ótimas.
           São 47 bondinhos aéreos interligando 3 estações: Barra Sul, de onde parte o bondinho morro acima até a estação Mata Atlântica que concentra o maior número de atrações: mirantes, praça de alimentação, caminhada pela mata, Casa do Chocolate, arvorismo e um trenó (Youhooo) que percorre 710 metros de descidas e curvas no meio da mata.

Vista de Balneário Camboriú desde os bondinhos aéreos.
Estação Barra Sul
      Da estação Mata Atlântica, se desce até a Praia de Laranjeiras que é o 'típico ambiente para turista' com muitas lojas de lembranças, artigos de praia, camisetas com frases engraçadas, tatuagem temporária e um quiosque de bebidas onde a batida escolhida é servida numa garrafa transformada em taça. Custa R$25,00 a dose e se o cliente aguentar beber tudo, pode encher de novo por apenas R$15,00. Se ele vai conseguir sair dali sozinho é outra história.

Vista de Balneário Camboriú desde os bondinhos aéreos.
Bondinho descendo da estação Mata Atlântica para a estação Laranjeiras

        Como em todo lugar onde há concentração de turistas, as opções de restaurantes são muitas e os garçons ficam tentando pegar o cliente no laço. A maioria oferece pratos à base de frutos do mar, mas tinha até rodízio a R$16,90 em promoção por apenas R$15,00. Não quis arriscar e fui para o prato mais comum nos cardápios - Sequência de Camarão.
          Nas minhas pesquisas sobre Itajaí e vizinhança eu li, não sei onde, o comentário de um nativo dizendo que 'o turista chega achando que é chique comer Sequência de Camarão e isso é coisa de gente brega'. Como eu não tenho medo de ser feliz, nem de ser turista, fui diretinho no pedido. Além de postas de peixe, bolinhos, salada, batata frita e outros acompanhamentos, o garçom começou a trazer camarão de todos os jeitos: empanado, no alho e óleo, com queijo, pequeno, médio, grande... estávamos em 4 pessoas e não conseguimos comer tudo.
          Na hora me lembrei do filme Forrest Gump:

″Enfim, como eu ia dizendo, camarão é o fruto do mar. Você pode assar ele, ferver, grelhar, cozinhar, refogar. Tem eh, camarão no espeto, camarão no molho, camarão com quiabo. Tem camarão frito na panela. Camarão no abacaxi, camarão no limão, camarão com coco, camarão apimentado, sopa de camarão, ensopado de camarão, camarão com salada, camarão com batatas, camarão com hambúrguer, sanduíche de camarão. E é, e é isso.”

Praia de Laranjeiras - Balneário Camboriú - SC
Praia de Laranjeiras

         Depois de tanto camarão, subimos novamente para a estação Mata Atlântica, passando direto por ela e descendo para a estação Barra Sul ponto final do passeio que recomendo. Na volta, o motorista/guia da van seguiu pela orla de Itajaí para mostrar as praias. Mas como eu já disse em outras postagens,  praia, para mim, não é pra se 'ver' é para se aproveitar. A monotonia de água, areia e pedras foi me dando sono e quando despertei já estava no porto bem em frente ao Imperatriz.
          Mas a Praia de Laranjeiras está recomendadíssima!
logo mala

28 de janeiro de 2011

Itajaí na prática


Itajaí

    Desde que fechei o Cruzeiro comecei a procurar por informações sobre Itajaí na internet. Tudo que encontrei falava do tal Pier Turístico de Itajaí, mas eu não entendia exatamente o que havia para se fazer lá. Mandei e-mails para a Secretaria de Turismo, para o site do próprio píer e para um outro que falava de um ônibus que saía do píer e passava pelos pontos turísticos. Não recebi nenhuma resposta.
      Entrei na comunidade de Itajaí no Orkut para tentar diretamente com os moradores alguma dica. Também não funcionou, parece que eles desconhecem que semanalmente a cidade recebe milhares de turistas. O máximo que obtive foi uma listinha com os nomes das praias.
     Pra mim, praia é água salgada, areia e coqueiro em qualquer lugar do Brasil. Se for do litoral nordestino acrescente as falésias na descrição. Praia é para se curtir: entrar no mar, tomar uma cerveja enquanto as crianças procuram conchinhas, ficar a toa vendo o movimento e jogando conversa fora. Passar por meia dúzia de praias parando só para fotografar é qualquer coisa que eu não sei explicar, programa turístico não é. Se fosse para este roteiro eu estava decidida a nem desembarcar.
    Até que encontrei na comunidade do Navio Imperatriz um itajaiense sincero que me respondeu que o melhor que havia para fazer em Itajaí era ir para Camboriú, que lá eles chamam simplesmente de Balneário. Tentei encontrar o site de alguma empresa de receptivo que fizesse esse passeio, mas não achei nada. Então deixei rolar e chegar lá pra ver o que aconteceria.
    As excursões oferecidas no navio deixam claro que o porto escolhido para o desembarque não oferece atrativo turístico nenhum que preencha o dia em terra. Por isso há três opções de passeios, todas fora de Itajaí:

- Parque Beto Carrero (sem ingresso) por 38 dólares cada adulto e 27 dólares cada criança até 6 anos. O passaporte custa R$88,00. Eu já estive lá e um dia é pouco para tantas atrações. Não vale a pena investir tanto para passar em torno de 5 horas no parque, que é o tempo que os passageiros de cruzeiros tem disponível.

Beto Carrero World
- Blumenau pelos mesmos valores do transfer até o Beto Carrero World (38 e 27 dólares).
- Balneário Camboriú c/ Unipraias por 33 dólares cada adulto e 23 dólares cada criança.
O desembarque acontece em frente a uma praça, olhando para a direita já se vê várias vans estacionadas que oferecem passeios pelos pontos turísticos de Itajaí (?), por Camboriú ou até o Beto Carrero. O preço fechado da Van para até 15 pessoas é de R$230,00 qualquer que seja o roteiro escolhido. Fechamos num grupo de 13 pessoas, R$18,00 para cada um. Com a cotação do dolar no dia, a economia por pessoa foi de R$50,00.
E lá fomos nós para o melhor que Itajaí oferece: a proximidade com Balneário Camboriú.

Leia também: Turismo em Itajaí-SC

27 de janeiro de 2011

Pontos Turísticos de Itajaí

Itajaí- SC
                 Depois de muito procurar, encontrei um site com as "Atrações Turísticas de Itajaí". Não é o tipo de informação que eu gosto de seguir, mas na falta de outras mais realistas...
                Um dos guias locais me disse que 80% dos turistas que desembarcam ali vão para Balneário Camboriú. O que concluí é que Itajaí 'quer ser' cidade turística porém não encontrou ainda o caminho para que isso se torne realidade. O que não é nenhum pecado, é o mesmo sonho da cidade onde moro que está há 3 anos tentando erguer uma estátua do Cristo Redentor mais alta que a do Rio de Janeiro. Mas isso é assunto para outro tópico. Vamos às atrações turísticas:

                "Algumas das praias mais sofisticadas de Santa Catarina encontram-se em Itajaí. Sua posição geográfica e a proximidade dos grandes pólos têxteis do Estado, sem falar no Beto Carrero World, colocam Itajaí em posição privilegiada para receber turistas durante todo o ano.
Porto de chegada dos primeiros imigrantes alemães e italianos para o Vale do Itajaí, a cidade recebeu ainda forte presença açoriana na sua formação e na presença do único píer exclusivamente turístico do País seus maiores atrativos."


                 P.S. Aqui havia a lista com todos os pontos turísticos de Itajaí separados por praias, passeios culturais, religiosos, etc. Mas fui consertar um errinho na postagem e por algum problema do blogger, apagou tudo. Como as postagens são salvas automaticamente, ficou salva só pela metade. Sorry!

                  Fica aqui um link com indicações de passeios por Itajaí:

26 de janeiro de 2011

O Agente de Viagem

               Agente de viagem é o profissional que comercializa serviços de turismo.

Charge sobre turismo no Rio de Janeiro              É necessário estar muito bem informado sobre hotéis, clima do lugar de destino, hábitos da população, orientações sobre moeda, câmbio e visto. Além de encontrar o hotel BBB (bom, bonito e barato) que o cliente quer, fazer 10 cotações de roteiros diferentes sem conseguir agradar, ouvir as reclamações porque choveu, porque não nevou, porque os golfinhos não deram as caras no passeio de barco...
              Não, eu não sou 'o agente de viagem', eu sou 'a cliente', mas dou muitas risadas numa comunidade do Orkut chamada "Eu odeio passageiro estressado" onde eles contam as histórias e saias- justas que enfentam na profissão.


Charge sobre falência da empresa aérea BRA
                  E tem até dia dedicado a eles, sabia? Dia 22 de abril - Dia do Agente de Viagem. Muito justo e merecido. Esses profissionais estão ali para facilitar nossa vida. Eu não deixo de usufruir dessas facilidades, quando não custam nada a mais no meu bolso, só para dizer que "fiz tudo sozinha". O ideal é o meio-a-meio: eles fazem a parte burocrática das reservas e eu pesquiso os roteiros e passeios.
         Eu sempre tenho um Personal Travel Agent. Olha que chic!!! Já foi a Fabiana, que se mudou de cidade. Depois a Dani, que mudou de agência... Cada vez que isso acontece eu me sinto meio orfã. É tão bom falar direto com a pessoa que já sabe suas preferências! Quem tem agora essa árdua tarefa é o Mateus, da agência da CVC em Sertãozinho.
              O que eu vejo acontecer pela internet a fora é que reclamar da CVC virou lugar-comum e o argumento negativo contra a operadora é que ela trabalha com "turismo de massa". E daí? Nem tento entender a expressão usada de forma prejorativa. Como disse em outros tópicos, não tenho nada contra a CVC e nem contra ser turista. Como qualquer outro prestador de serviços, operadoras de turismo são passíveis de erros e de críticas, inclusive minhas, mas nunca me senti lesada e nem prejudicada.
                    Cheguei domingo de viagem e na segunda-feira cedo entrei em contato com Mateus relatando alguns detalhes que não me agradaram no cruzeiro que fiz no Empress. Tentei descrever o ocorrido de uma forma construtiva e não com a conhecida reclamação nunca-mais-viajo-pela-CVC.
           Hoje pela manhã, 2 dias depois, recebi um telefonema da operadora se desculpando, prometendo providências a respeito do que relatei e oferecendo 10% de desconto em minha próxima viagem para que eu dê um voto de confiança e comprove que eles estão sempre empenhados em melhorar a qualidade de seus seviços. Sem Procom, sem Reclame Aqui, sem posts em comunidades dedicados a ressaltar defeitos e não em sugerir melhorias.
              Coerência sempre funciona! E lidar com profissionais que levam a sério sua clientela faz muita diferença.
  

Empress - Diário de Bordo

            Eu escrevo no blog por 2 motivos:
        Primeiro - para prolongar o prazer de viajar registrando tudo e mais tarde voltando a ler e relembrar os detalhes de cada roteiro.
   Segundo - porque gosto de compartilhar informações, principalmente aquelas que gostaria de ter antes de viajar e nem sempre consigo. O Diário de Bordo é uma delas, pois eu tinha a maior curiosidade em saber como era.
           Então aí está, para aqueles curiosos como eu:

Diário de bordo do navio Empress
pág.1

Diário de bordo do navio Empress
pag.2

Diário de bordo do navio Empress
pag.3


Diário de bordo do navio Empress
página 4
O Diário de Bordo é entregue todas as noites em sua cabine e com ele você se informa sobre tudo que acontecerá no navio no dia seguinte. Não existe a menor possibilidade de não ter o que fazer ou de perder alguma atividade por falta de informação.


               Esse exemplo é de um dia de navegação no Empress (21/01/2011). Em dias como esse, em que não há desembarque, as atividades começam às 7h da manhã e vão até às 3:45h da madrugada, horário em que se encerram as atividades na boite.

25 de janeiro de 2011

Zenith x Empress (continuando)

Show no navio Empress
Palco da Broadway no Empress com cover de Beyoncé

       Vamos aos espaços físicos de cada navio. Para resumir, quase tudo no Empress é menor. Como tem mais passageiros que o Zenith o que se pode concluir é que o espaço utilizado para as cabines acabou reduzindo as áreas coletivas e as próprias cabines que também são menores. A piscina é menor, há menos espaço para as espreguiçadeiras, o teatro é menor com um palco minúsculo se comparado com a Broadway do Zenith. Mas há uma predileção no Empress por ambientes que ocupam 2 decks e assim se tornam maiores e mais bonitos que no Zenith. Isso acontece com o restaurante Miramar, com o Cassino e com a boite que teve sua parte de cima transformada em academia e ficou excelente pois durante o dia concentra no mesmo espaço a malhação com aparelhos e as aulas de fitness que são feitas na pista de dança.
        Os teatros dos 2 navios ocupam 2 decks. Como tem um palco bem maior, os shows do Zenith são mais bonitos e menos cansativos apesar de terem a mesma companhia de dança (Bailamaris) e, nos cruzeiros que fiz, até o mesmo Mestre de Cerimônia (Alê Campos) que era do Zenith em 2010 e esse ano está no Empress. Isso acontece porque no palco do Zenith dançam 6 casais de bailarinos que ora estão juntos, ora se revezam em coreografias com muito movimento. No palco do Empress se espremem 4 casais que, por serem poucos, precisam alternar seus números com os cantores para que haja tempo de trocarem os figurinos. O resultado é que só meio show tem dança, a outra metade tem apenas um dos cantores no palco. Cansa um pouco.
      Por fim os serviços da CVC/Pullmantur. Sinceramente senti muita diferença entre uma temporada e outra. E nesse caso não há relação nenhuma com os navios pois os serviços são padronizados. Em 2010, o camareiro levava água e gelo pela manhã e à noite na cabine; nessa temporada o próprio passageiro tem que buscar sua garrafa d'água quente em um dos bares. O "All Inclusive" terá que mudar de nome. Eu sugiro "Almost All Inclusive" ou "A Little Inclusive" pois a carta de bebidas dos bares tem 37 itens pagos, alguns deles na temporada passada estavam realmente incluídos no sistema. As versões light de sucos e refrigerantes sumiram do Restaurante Miramar. A marca do espumante é "Pullmantur" (mais genérico impossível), entre outros detalhes que juntos fazem com que a queda na qualidade dos serviços fique muito evidente. Perguntei a um dos tripulantes o porquê de tantas diferenças e ele me respondeu que em 2010 viajamos com o "Padrão Pullmantur" de cruzeiros e na temporada atual estávamos viajando com o "Padrão CVC".
        Enviei um e-mail para a operadora relatando tantas diferenças e vou aguardar que retornem. Se receber uma resposta justificável eu posto aqui para vocês.

Show de talentos no navio Empress.
Show de talentos na noite "O Turista é o Artista", na Broadway do Zenith

24 de janeiro de 2011

Zenith x Empress

Navio Zenith

     É inevitável num segundo cruzeiro fazer comparações com o primeiro. Aqui cabe ir além de analisar navios e observar também os serviços oferecidos em duas temporadas diferentes pela CVC/ Pullmantur.
Viajei no Zenith em janeiro/2010, no pacote de 9 dias e 8 noites, com 1 dia em Punta del Leste e 2 dias em Buenos Aires.
Átrio do Navio Empress
No Imperatriz (ou Empress), viajei em janeiro/ 2011, no pacote de 8 dias e 7 noites, com 1 dia em Itajaí, 1 dia em Montevideo e 1 dia em Buenos Aires. Como os roteiros foram bem parecidos, há parâmetros para se comparar.
Vale lembrar que no Empress peguei quase a semana toda de tempo nublado e chuvoso. No Zenith o Sol esteve presente em todos os dias de navegação, o que é apenas um detalhe, pois o navio já é por si mesmo ensolarado e festeiro. A própria CVC promete no site dias de muita animação no Zenith e charme e glamour no Empress. Essa diferença fica bem nítida.
     No Zenith toda a animação se concentra em volta da piscina, que não é muito grande, mas tem muitas espreguiçadeiras tanto no nível da piscina quando num segundo piso que contorna todo o navio. O palco fica posicionado de forma que de quase todos os pontos os passageiros conseguem assistir aos shows e brincadeiras feitas pela equipe de animação. Mesmo que eu tivesse tido dias radiantes no Empress, a piscina não teria sido o principal ponto de encontro, pois não é nada convidativa. É menor ainda que no Zenith, dividida ao meio pelo palco e o espaço das jacuzzis que ficam sobre ela. Tem pouquíssimas cadeiras ao seu redor, pelo número de passageiros que leva. No dia em que o Sol deu as caras, nem as crianças se animaram muito, principalmente porque se não havia lugares para os pais se sentarem por perto, elas não poderiam mesmo estar dentro d'água.
     O Empress é um navio realmente mais glamouroso, bem mais bonito que o Zenith, com elevador panorâmico e uma decoração, considerada duvidosa por alguns, que faz com que você se lembre o tempo todo de que está num "cruzeiro". No Zenith tudo é mais simples, talvez por isso as pessoas se sintam mais "em casa" e acabem comprando a animação que a operadora oferece. O que não deixa de ser coincidência porque quem fará realmente a semana ser mais ou menos animada são os passageiros que ali estiverem. O marketing relacionado ao Zenith atrai mais jovens, solteiros e baladeiros. Já o Empress tem como maioria um público mais familiar e mais velho com senhorinhas ávidas pelos bingos anunciados e senhores virando a noite no Cassino. Até na ceia, servida após a meia-noite, se percebe a diferença de públicos. No Zenith eram servidos lanches e pizzas; no Empress, além da pizza, todos os dias tinha uma sopinha diferente com crutons e pãezinhos.
        Há ainda tanto a dizer que vou precisar continuar amanhã para o tópico não ficar longo demais. Para encerrar vou descrever os variados sabores de pizza oferecidos tanto no Zenith quanto no Empress:
- Massa, queijo e molho
- Massa, molho e queijo
- Molho, queijo e massa
- Molho, massa e queijo
- Queijo, massa e molho
- Queijo, molho e massa
Bom apetite!!!

23 de janeiro de 2011

Cruzeiro Imperatriz

Navio Empress, em 2011

      Acabei de chegar, ainda estou sentindo o chão se mover e louca pra escrever no blog as impressões da semana (16 a 23/01/2011) passada a bordo do navio Empress, da CVC/Pullmantur. Vou tentar ser imparcial e não ficar comparando com o cruzeiro no Zenith que fiz na temporada passada porque vou deixar um tópico só pra isso: Empress x Zenith.
       Bem pra começar peguei uma semana inteirinha... sem sol!
      O que muda em relação aos cruzeiros ensolarados é que quando a piscina deixa de ser a opção principal nos dias de navegação, os passageiros começam a prestar atenção nas outras atrações oferecidas no diário de bordo. Acabei descobrindo que "todos" os cruzeiros são temáticos, cada um dá o "tema" que quiser para o seu. 
     Há quem faça o "Cruzeiro da Jogatina" e passe dia e noite no cassino, nos bingos promovidos no navio e desembarque em Montevideo só para conhecer outro cassino.
      Pode ser também o "Cruzeiro Fitness" em que você aproveita ao máximo a academia, que é bem legal no Imperatriz, e faz todas as aulas oferecidas que vão desde Pilates até Fight, passando pelos ritmos, alongamento e até Dança do Ventre. Se o tempo deixar, vá para a parede de escalada. Claro que a alimentação também tem que ser light, por isso abuse do cardápio menos calórico e sobremesa só aquelas "sem açúcar" que há em todas as refeições.
    Enquanto os cavalheiros abastados ganham (ou perdem??) dinheiro no cassino, suas esposas podem fazer o "Cruzeiro Madame". Há várias opções para compras: perfumes, roupas, bebidas, bijouterias, chocolates, lembrancinhas, etc. Cansou das compras? Podem descansar fazendo uma massagem no SPA (que é pago e caro), além de cabelo, limpeza de pele, manicure... E aula de maquiagem!!!
      Pra quem optou pelo "Cruzeiro Beber, Cair, Levantar" e está disposto a tomar tudo que o "quase" all inclusive oferece é só escolher um dos bares: Bar Marina (piscina), Rendez Vous, Embarcadero, Broadway (teatro), Starlight Disco (boate), Wu Bar Lounge (pago), Bar do Cassino. Ficou em dúvida com tantas opções? Consulte seu diário de bordo e escolha pelo estilo musical: sertanejo, pagode, samba, tecno, etc
      O "Cruzeiro Kids" tem os tios o tempo todo inventando uma brincadeira, um showzinho na Broadway só para os pequenos, festa do pijama, passeio com os piratas... além do mágico que aparece em todos os cantos do navio e até ensina alguns truques para os olhinhos atentos. Para os pais é uma beleza!! Sossego!
        Só não vá resolver fazer um "Cruzeiro On-line" e colocar seus e-mails em dia, já que o sol não deu as caras. Saiba que 80 min de internet custam 25 dólares. O informativo distribuído no porto diz que você pode navegar 24 horas por dia com serviço wi-fi. Eu não consegui com meu Smart Fone, nem a colega de viagem com o notebook e nem vi ninguém conectado. Mas não se preocupe, não vai faltar o que fazer.
    No dia do embarque, vi uma senhora apreensiva com os possíveis enjoos que foi tranquilizada por uma tripulante: "Não se preocupe, vai parecer que a senhora está num shopping!"
     Fiquei admirada com uma definição tão perfeita. Realmente parecia um shopping, ali se vendia de tudo: tratamentos e produtos de beleza, jogatina no cassino, fotografias e vídeos da viagem, passeios, bebidas, roupas, perfumes, bijouterias, fichas de jogos eletrônicos infantis, cartões de internet e telefone, guloseimas, lembranças diversas, DVD de Mágica... além de ter um restaurante com comida oriental a "preços convidativos" e serviço de lavanderia por apenas 20 dólares "toda a roupa que couber na sacola" - nem imagino o tamanho dessa sacola. Tudo isso oferecido através da "Rádio Imperatriz" que no máximo a cada meia hora lembra aos passageiros de alguma promoção que eles não podem perder.
       O Sol só deu as caras timidamente na sexta-feira, mas trouxe com ele o meu melhor momento da viagem: golfinhos nadando ao lado do navio. Lindos demais!!!
          Vou deixar os passeios em terra para outra postagens:

Starlight Disco do navio Empress
Starlight Disco. As escadas levam à academia que fica na parte de cima.

10 de janeiro de 2011

Revele suas fotos

Brasília em período de seca Brasília após as chuvas Brasília vista da Torre de TV em 06/09/2010 (seca) e em 28/11/2010 (verde)

               Férias é época de fazer arrumação em armários. A faxina é geral, na minha eu incluo os arquivos de computador e entre eles as centenas de foto que vão sendo descarregadas.
               Embora as câmeras digitais sejam a última maravilha para quem ama fotografar, e mesmo quem não gostava passou a gostar, elas nos deixaram mais preguiçosos. Se você já viu a foto no computador pra que revelar?
                Bons motivos existem vários. Revelar é importante para:

- Sentar ao lado dos amigos e familiares e ir contando sua história de viagem;
- Não correr o risco de perder suas lembranças porque precisou formatar o computador de repente;
- As crianças terem referências sobre a história de suas vidas e seu crescimento;
- Para comparar o antes e o depois de lugares que você visitou mais de uma vez;

                Fui aliviar o computador de tanto peso e separei 360 fotos para revelar de fatos acorridos em 2010. Só com as fotos em mãos dá pra reparar em detalhes como os das fotos acima tiradas com menos de 3 meses de diferença.
                Vale a pena investir!