Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

30 de outubro de 2011

Promoções relâmpago


Promoções de viagem

                   Corra que ainda dá tempo!!!

            Promoção dos hotéis Ibis no Brasil e América Latina.

Condições:
- Promoção não cumulativa, válida para reservas feitas através desta página - Válida para alguns destinos, possui um número limitado de apartamentos na tarifa promocional e está sujeita a disponibilidade no ato da reserva. - Café da manhã opcional e cobrado à parte. - Os hotéis ibis possuem, em sua maioria, somente cama de casal. Para apartamentos com duas camas de solteiro, consulte diretamente a unidade antes da reserva. - Para contratação desta tarifa, não haverá possibilidade de cancelamento ou alteração de datas - Reserva garantida - Tarifa não comissionada.


Assinatura da Viagem e Turismo com 50% de desconto

Promoções de viagem
           



26 de outubro de 2011

Quem é Vanessa Olivatti?

Vanessa Olivatti - Guia de turismo em Bariloche.
Apartamento da Vanessa em Bariloche: ponto turístico. Uma foto como esta está na
maioria dos álbuns de quem visitou a cidade em 2011.

           A temporada de inverno/2011 acabou em Bariloche mas deixou muitas lembranças. Os 'guerreiros vulcânicos', como a Vanessa apelidou aqueles que corajosamente não desmarcaram suas viagens, terão eternas histórias para contar: 'Eu viajei mais de 20 horas de ônibus de Buenos Aires a Bariloche, mas vi a neve em 2011' ou 'Tive que desembarcar em Esquel e seguir de ônibus até Bariloche, mas não desisti' e por aí vai...
             E quem é Vanessa Olivatti? Vamos a uma retrospectiva que talvez ajude a quem viajar nas próximas temporadas:
         Em 2008 viajei pela primeira vez a Bariloche. Na época estava ávida por informações sobre este destino que eu não conhecia, em outro país, com outro idioma. Pesquisando pelo Orkut achei o perfil da Vanessa, que na época trabalhava pela Fênix Turismo, e convidei-a meio na cara de pau para entrar na comunidade mais movimentada de Bariloche que há no Orkut. Ela aceitou o convite e passou a dar dicas e tirar dúvidas dos membros da comunidade. Em 2009, o vírus H1N1 tirou o sossego de brasileiros e argentinos e mudou os planos de muita gente (inclusive os meus); a falta de turistas exigiu um replanejamento por parte das empresas do setor e assim, a Vanessa saiu da Fênix para trabalhar por conta própria, fazendo reservas de hotéis, passeios, transfer, enfm, tornou-se um elo que liga os brasileiros ao sonho de conhecer a neve na Argentina; é nossa correspondente internacional em Bariloche.
            Como tudo e todos no mundo, ela não é unanimidade e nem pretende ser. Junte-se a uma personalidade forte a falta de entonação dos diálogos escritos e os mal entendidos que pontos de exclamação e interrogação não são capazes de esclarecer e imagine as confusões que às vezes acontecem num atendimento feito on-line. Mas tudo sempre acaba bem. Não há uma só reclamação dos serviços prestados pela Vanessa em 4 temporadas da Orkutravel (brincadeirinha, heim, essa operadora não existe...rs). Claro que há opiniões divergentes. Já li comentários reclamando de tudo: que os garçons argentinos não falam português, que os restaurantes não servem feijão, que não nevou no dia 25 de julho às 15:37h... mas nenhuma reclamação de alguém que tenha se sentido lesado por contratar serviços com a Vanessa.
        Em 2010, numa escala de cruzeiro em Buenos Aires, até o guia argentino que nos acompanhou (Pablo) perguntou se conhecíamos a Vanessa. A fama está ultrapassando fronteiras mas isso tem incomodado aos colegas de profissão. No meu último dia em Bariloche, quando fui pegar com o coordenador do hotel os bilhetes aéreos, ele me disse sem cerimônias: 'Você não comprou nenhum passeio comigo, comprou todos da Vanessa. Pensa que não sei? A cidade é pequena, ficamos sabendo de tudo.' Ela tem sido a pedra no sapato dos guias da CVC em Bariloche, principalmente por já ter trabalhado na operadora.
   Nessa temporada tão conturbada por causa do vulcão chileno, Vanessa foi de extrema importância para nos manter informados sobre a real situação da cidade. A feliz ideia de gravar mensagens em videos, que estão todos aqui no blog, resultou em situações inesperadas e positivas. Foi um prazer conhecê-la, um bônus na minha viagem, assim como foi igualmente prazeroso poder falar pessoalmente com pessoas que acompanhavam o blog: Wellington, Letícia, Célia, Andréa, Patrícia... a todos um grande abraço.    E, Vanessa, o De Turista a Viajante   está a disposição se quiser fazer os videos mostrando os passeios.        
      Bem, a temporada 2012 vem aí e a CVC já tem preços dos pacotes. Recebi um orçamento por e-mail de arrepiar - R$17.119,44 (dólar a R$1,86), na mesma época e hotel que fiquei esse ano por R$10.577,00. Assim não vai dar, pelo jeito se quiser voltar a Bariloche na próxima temporada vou precisar ainda mais dos serviços de Vanessa Olivatti.

FacebookVanessa Olivatti

GALERIA PASEO DE LA CATEDRAL
CALLE MITRE 442 - 3 ANDAR - SALA "B" (De BRASIL)
ENTRE AS LOJAS DA PUMA E DA ADIDAS

FONES:
154 624541 ou  154 712519

Agência: 4890 213

24 de outubro de 2011

Xeretando em Patchcolagem: imprimir no termocolante.


Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
Nome escrito com a fonte Wall Disney
              Não só pelos destinos turísticos que viajo, estou sempre procurando uma forma de trabalhos manuais para passar o tempo. Foi assim com a Patchcolagem.
             Normalmente faço meus moldes em placas de radiografia para não se desgastarem e ficar mais fácil de riscar, mas estava sem ânimo de riscar e cortar um alfabeto inteiro para fazer nomes em toalhas, então resolvi fazer uma experiência que deu certo: peguei o termocolante nacional e fui xeretando com ele na impressora, até conseguir o resultado que queria.

Vou fazer um passo-a-passo, ok!?
 
1º passo
Abra o "Word" e selecione "inserir" "Word Art". Escolha o "Word Art1", pois são letras vazadas:  

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
Clique nas imagens para amplíá-las.
2º passo
"Escreva" o nome de sua escolha, acerte o "tamanho" da letra e o estilo da "fonte".
Eu escolhi o tamanho 72 que pega quase toda a largura da folha e é certinho o tamanho de uma toalha de mão. A fonte que escolhi foi "Cooper Black" pois queria umas letras gordinhas, mas estilos de letra no computador ão faltam, tem para todos os gostos.

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante



3º passo
Depois de clicar em "OK", o nome passará para a folha do "Word". Puxe pelos pontinhos dos cantos se quiser aumentar ou diminuir o tamanho. Para mover com mais facilidade o nome pela folha vá em "Formatar" - "Quebra automática de texto" - "próximo" (é um cachorrinho). Agora é só clicar em cima do nome e você poderá arrastá-lo pela folha.

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante

4º passo
Espelhar o nome: "Formatar" - "Girar" - "Inverter horizontalmente"

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante

5º passo
Repita o mesmo procedimento com os nomes que quiser até encher a folha. As letras ficam bem próximas e você não vai desperdiçar papel nem tecido.

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante

Para Imprimir:
Corte o termocolante (lembrando: eu usei o "nacional") do tamanho de uma folha sulfite e coloque na impressora com a parte que cola para cima. A folha vai girar dentro da impressora e os nomes ficarão impressos na parte mais lisa. Mande imprimir ajustando o tamanho do papel para "A4".

Para juntar ao tecido:
- Corte a folha impressa em tiras com os nomes completos (sem separar letras);
- Escolha o tecido em que cada nome será feito e corte do mesmo tamanho da tira de papel;
- Use o ferro quente para juntar o termocolante ao tecido, da maneira habitual;
- Recorte as letras com 'tecido e termocolante juntos' e está pronto para aplicar onde quiser. Fica muito mais fácil que recortar o tecido sozinho. 
Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
- 'Manu' impresso do lado liso do papel;
- 'Gabi' com o paninho do mesmo tamanho em que será colado;
- Letras recortadas e 'Isaac' já colado na toalhinha;

Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
                   
               










      

    Além de não ter que riscar e cortar no molde, no tecido e no papel letra por letra (aff!!), outra vantagem em imprimir no termocolante é quantidade de letras diferentes que se pode usar a partir das fontes do computador. 
Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
Fontes em seus respectivos nomes
                    Cada fonte está com seu devido nome. Separei aquelas mais "gordinhas" para facilitar tanto o recorte quanto o bordado. Nem todas servem para imprimir e recortar, mas dão boas ideias para decorar os nomes em patchcolagem. Essa "Flores" me encantou!! Imagine que toalha linda que vai dar!!!

Site para baixar fontes:
http://www.fontesgratis.com.br/


Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante
            Eu tenho fases: só camisetas, só panos de prato, só toalhas...etc Na atual fase das toalhas estou adorando experimentar as letras relacionadas a cartoons. A toalhinha abaixo foi feita com a fonte Minnies Hat.
Patchcolagem: Como imprimir no papel termocolante

Gostou? Compartilhe:

22 de outubro de 2011

Cartão de crédito Smiles

Cartão de crédito Smile
Melhor que viajar para fazer compras é fazer compras para viajar.

                  Esse é o slogan do cartão de crédito Smile, perfeito não é? Pode ser feito pelo Banco do Brasil ou pelo Bradesco em 3 opções: Internacional, Platinum ou Gold. Claro que quanto mais cara a anuidade, maior o número de benefícios, como se vê aqui.

Anuidades:
International - R$ 90,00 em 6 parcelas de R$ 15,00.
Gold -              R$ 190,00 em 6 parcelas de R$ 31,66.
Platinum -       R$ 348,00 em 6 parcelas de R$ 58,00.

                   O meu já chegou. Pedi o mais baratinho e cada dólar gasto é convertido em 1,35 milhas Smiles. Como só viajo a passeio, não conseguiria juntar milhas nunca se não fossem os cartãos de crédito que oferecem esses benefícios. Já que gastar é inevitável e o dinheiro de plástico é unanimidade, então vamos gastar convertendo tudo em viagens.
                   Senti um pouco de dificuldade em fazer o cartão, a página da internet dava erro e  o atendimento via fone do Banco do Brasil orientava a ligar para a Gol e vice-versa. Não teve jeito, tive que ir até a agência do BB para pedir o cartão. Senti até saudades do tempo em que ligavam oferecendo cartões de todos os tipos e bandeiras; isso não acontece mais porque bloqueei meu número para ligações de telemarketing. Aliás, um ótimo serviço do Procom, já conhece? Clique aqui.
                   

21 de outubro de 2011

Como seguir o blog?

Como seguir um blog
        O que é seguir?
       'Seguir', 'acompanhar' ou 'participar' é como 'curtir' uma FanPage do Facebook. Sua imagem e nome do perfil aparecerá num quadro como esse ao lado (widget).


        Como seguir o blog?
        * Encontre na barra lateral o widget "Participar deste site" e clique na barra azul. Na tela seguinte aparecerão as opções para seguir com sua conta do Google, Twitter ou Yahoo.
       
Como seguir um blog

* Escolha uma das opções e faça o login como se fosse entrar em sua conta, com mesmo e-mail e senha.

Como seguir um blog

* No exemplo ao lado foi usado login do Twitter. Depois clique em entrar e pronto: sua foto e nome de seguidor estará entre os seguidores do blog.

20 de outubro de 2011

Como deixar recados no blog

Como deixar recados em blogs
             Com a proximidade das férias, começam os planos de viagem, aumentam as visitas ao blog e os e-mails recebidos. Não me importo em respondê-los, mas os recados são enviados por e-mail porque as pessoas nem sempre conseguem deixar recados no blog. Então vamos às opções:


1- Anônimo - clicando nessa opção, você publica seu recado tranquilamente, basta copiar a palavra de verificação. A desvantagem é que sem identificação o dono do blog não terá como enviar uma resposta direta. Então, se fez uma pergunta, volte ao blog para ler a resposta deixada.



Como deixar recados em blogs



2- Nome/URL - Escreva seu nome e deixe o espaço para URL em branco. Nessa opção também não há como contactá-lo diretamente, volte ao blog para ver a resposta. Se possuir um site ou blog, digite o endereço no espaço da URL, assim quem clicar em seu nome será direcionado ao seu domínio.

Como deixar recados em blogs

3- Conta do Google - Se você possui um blog, escolha essa opção e faça o login na caixa que abrir com e-mail e senha de seu blog. Nesse caso, seu nome se transformará num link direcionado ao seu blog.

Como deixar recados em blogs

Obs: Mesmo para os bloggeiros, às vezes o blogger 'enrosca', impossibilitando deixar recados em outros blogs. Para evitar isso, quando for fazer o login, deixe a caixa Continuar conectado desabilitada.



Leia também: Como seguir o blog?

18 de outubro de 2011

Bambooterapia

Bambooterapia _ massagem relaxante
               Essa semana experimentei e adorei a massagem com bambu.
 Faço massagem semanalmente desde 2007 por recomendação, pode acreditar, de minha 'fonoaudióloga'. Acontece que dou 10 aulas por dia e minhas cordas vocais estavam bem castigadas, então ela recomendou as sessões de massagem para relaxar. Funcionou perfeitamente e fui experimentando vários tipos: drenagem linfática, modeladora,  turbinada... e agora a bambuterapia.
     As promessas estéticas são maravilhosas: redução de medidas, diminuição da celulite, tonificação da pele, etc . Não sei se realmente traz todos esses benefícios, mas nenhuma outra relaxa tanto - uma delícia!
     Se relaxar diminui a ansiedade, que no meu caso chega a níveis elevadíssimos, então o efeito realmente pode ser satisfatório e me ajudar a ficar longe da geladeira. Aprovadíssima!

                

16 de outubro de 2011

Sacolas criativas


Sacola criativas

           As sacolinhas plásticas deveriam ser abandonadas, pelo bem do meio ambiente. Em 2012, no Brasil, houve uma tentativa frustrada, que não deu em nada, mas se tiverem a criatividade dessas sacolas aqui, seria muito divertido substituí-las sem problema algum:

Sacolas criativas
Para os esportistas
Sacolas criativas
Para as mães
Sacolas criativas
Para ecologistas
Sacolas criativas
Para doadores de sangue
Sacolas criativas
Para terroristas
Sacolas criativas
Para sádicos
Sacolas criativas
Será que os dentistas iriam gostar dessa?
Sacolas criativas
Para os insensíveis
Sacolas criativas
Para os depravados...

                Não gostou de nenhuma dessas? Há mais modelos aqui. Eu faria compras nessa loja até conseguir uma sacola de cada modelo.

Gsotou? Compartilhe:

14 de outubro de 2011

Chegou o verão! - Luís Fernando Veríssimo (?)

                          Embora seja assim que a crônica a seguir circula pela internet, estão errados tanto título, quanto autor. É mais um dos textos atribuídos erroneamente a Veríssimo. A seguir o título original e a verdadeira autora deste texto divertidíssimo!

Charge sobre a praia lotada no verão


The summer is tragic!
(Rosana Hermann)

Chegou o verão. E com ele também chegam os pedágios, os congestionamentos na estrada, os bichos geográficos no pé e a empregada cobrando hora-extra.

Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura e muita gordura, pouco trabalho e muita micose.

Verão é picolé de Ki-suco no palito reciclado, é milho cozido na água da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca.

Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entra no tênis. Mas o principal, o ponto alto do verão é... a praia!!

Ah, como é bela a praia!

Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção.

Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das véias.

Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a prancha pra abrir a cabeça dos banhistas.

O verão é Brasil, é selva, é carnaval, é tribo de índio canibal.

Todo mundo nu de pele vermelha. As mulheres de tanga, os homens de calção tão justo que dá até pra ver o veneno da flecha, e todo mundo se comendo cru.

O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão chegando. É muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa, toalha, bola, balde, chapéu e prancha, acreditando que estão de férias.

Em menos de cinquenta minutos, todos já estão instalados, besuntados e prontos pra enterrar a avó na areia.

E as crianças? Ah, que gracinha! Os bebês chorando de desidratação, as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os adolescentes ouvindo walkman enquanto dormem.

As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do chinelo.

Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como perfurar um poço pra fincar o cabo do guarda-sol. É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar em pé.

Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da maravilha que é entrar no mar! Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de cerveja no fundo. Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva.

Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita cheia de areia, vem aquela vontade de fritar na chapa.

A gente abre a esteira velha, com cheiro de velório de bode, bota o chapéu, os óculos escuros e puxa um ronco bacaninha.

Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor.

Mas, claro, tudo tem seu lado bom. E à noite o sol vai embora. Todo mundo volta pra casa, toma banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo. O xampu acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa, desde o creme de barbear até desinfetante de privada. As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa de praia oferece. Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede pra adquirir um bom torcicolo.

O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família. Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e torcendo, pra que na manhã seguinte, faça aquele sol e todo mundo possa se encontrar no mesmo inferno tropical.

The summer is tragic!
Rosana Hermann

Yes, it is!

10 de outubro de 2011

Decidido: Balneário Camboriú, janeiro/2012

Post atualizado em setembro/2016

Praia do Centro -  Balneário Camboriú

                   
           Entre as opções que analisamos para as férias de janeiro (Balneário Camboriú, João Pessoa, Porto de Galinhas, Fernando de Noronha), esta foi escolhida por uma logística muito simples: pedimos a opinião das crianças e, claro, elas querem conhecer o Beto Carrero World. Juntou-se a esse forte argumento o preço excelente das passagens aéreas e lá vamos nós para Santa Catarina.
            Em Balneário Camboriú só se chega por terra, não há porto nem aeroporto. Quem desembarca dos cruzeiros com escala em Itajái, como já fizemos, pode contratar uma das vans que ficam em frente ao porto e chegar até a cidade vizinha. Quem decidir ir pelo ar, tem 3 opções de aeroportos próximos: Navegantes, Joinville ou Florianópolis. O mais próximo é Navegantes e, a não ser que se pegue uma super promoção de passagens aéreas para um dos outros aeroportos, não há porque deixar a viagem mais longa e mais cara. O transfer para terminar a viagem desde Navegantes custa menos da metade que desde Joinville ou Florianópolis.
           O mais complicado foi escolher o hotel. Eu achei os preços muito altos pelo pouco que oferecem. Alguns são maravilhosos, bem localizados, mas sem TV a cabo ou internet disponível nos apartamentos. Cheguei a ligar em um deles para ter certeza de que não era o site que estava desatualizado. Em outros não há ar condicionado, ou a piscina é um tanque, ou a foto do café da manhã desanima, ou a TV de 14" fica em um suporte na parede para ganhar espaço. Há quem ache que todos esses itens sejam dispensáveis em um hotel; embora eu não compartilhe dessa opinião, entendo desde que o preço seja justo. Pagar de R$300 a R$800 reais pela diária de um hotel sem wireless é totalmente inviável. 
        Os hotéis concentram-se principalmente em 2 avenidas da cidade: a Av. Atlântica, que fica de frente para o mar, e a Av. Brasil, que é paralela à Atlântica. Hotéis que conhecemos e aprovamos: GeraniumRieger e Marimar.
         Logo que comecei a pesquisar o destino, já entendi o porquê dos catarinenses chamarem a cidade apenas de 'Balneário', diferente de nós que nos referimos a ela como 'Camboriú'. É que existem por lá 2 cidades com o mesmo nome: 'Balneário Camboriú' que é litorânea, e outra ao lado chamada simplesmente de 'Camboriú'. Cuidado para não chegar ao lugar errado.


Balneário Camboriú no Google Earth
As vizinhas Camboriú e Balneário Camboriú
           
Leia Como foi a nossa viagem: 15 a 22/01/2012
logo mala

6 de outubro de 2011

Rancho Beneli

                   Quem já leu a crônica de Luís Fernando Veríssimo, Minhas Férias, consegue entender o porquê do chamado turismo rural ou ecotutrismo ganhar tantos adeptos. Seja para estadias em hotéis fazenda, camping ou simples bate-volta para passar o dia em sítios, pesqueiros e afins, cada vez mais se procura o sossego do ambiente rural, principalmente famílias com filhos pequenos que não querem que as crianças cresçam como o personagem de Veríssimo:

3 de outubro de 2011

Minhas Férias - Luís Fernando Veríssimo

Foto do escritor Luís Fernando Veríssimo
                   O texto a seguir é uma crônica em que o narrador tem que escrever a famigerada redação da volta às aulas: Minhas Férias. Felizmente esse tipo de proposta já foi abandonada em nossas escolas, mas o resultado do texto de Veríssimo é muito divertido!

Minhas Férias
                 
                      Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar da minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca-discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde íamos não teria corrente elétrica, o que deixou a minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmo o peixe pescado no fogo, e comer o peixe com as mãos, e se há uma coisa que eu gosto é confusão. Foi muito engraçado o dia em que a minha mãe abriu a porta do carro bem devagar, espiando embaixo do banco com cuidado e perguntando "será que não tem cobra?", e o meu pai perdeu a paciência e disse "entra no carro e vamos embora", porque nós ainda nem tínhamos saído da garagem do edifício. Na estrada tinha tanto buraco que o carro quase quebrou, e nós atrasamos, e quando chegamos no local do camping já era noite, e o meu pai disse "este parece ser um bom lugar, com bastante grama e perto da água", e decidimos deixar para armar a barraca no dia seguinte e dormir dentro do carro mesmo; só que não conseguimos dormir porque o meu cachorro (Dogman) passou a noite inteira querendo sair do carro, mas a minha mãe não deixava abrirem a porta, com medo da cobra; e no dia seguinte tinha a cara feia de um homem nos espiando pela janela, porque nós tínhamos estacionado o carro no quintal da casa dele, e a água que o meu pai viu era a piscina dele e tivemos que sair correndo. No fim conseguimos um bom lugar para armar a barraca, perto de um rio. Levamos dois dias para armar a barraca, porque a minha mãe tinha usado o manual de instruções para limpar umas porcarias que o meu cachorro (Dogman) fez dentro do carro, mas ficou bem legal, mesmo que o zíper da porta não funcionasse e para entrar ou sair da barraca a gente tivesse que desmanchar tudo e depois armar de novo. O rio tinha um cheiro ruim, e o primeiro peixe que nós pescamos já saiu da água cozinhado, mas não deu para comer, e o melhor de tudo é que choveu muito, e a água do rio subiu, e nós voltamos pra casa flutuando, o que foi muito melhor que voltar pela estrada esburacada: quer dizer que no fim tudo deu certo.

Luís Fernando Veríssimo

Charge sobre churrasco queimado