Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

30 de janeiro de 2012

Segundo dia no Beto Carrero World

Fotos do Parque Beto Carrero World

               Em nosso 2º dia no Beto Carrero World já estava negociado com as crianças que a prioridade seriam os brinquedos, sem nada de bichos! Foi o que fizemos, da radical Big Tower -  o elevador que despenca de uma torre de 100m a 120km por hora, à fantasia da Ferrovia DinoMagic, fomos em todas as atrações que o tempo permitiu. No auge da temporada de férias, as filas são imensas, com mais de uma hora de espera, principalmente nas atrações menos radicais onde se encontram todas as idades.
           O sol nesse dia estava castigando, mesmo passando protetor solar várias vezes, todos voltamos com alguma marquinha das roupas. Em dias assim, além do protetor solar, use chapéu e tome muita água. Eu dispensei a proteção na cabeça e queimei até o couro cabeludo, acredite! Em dias chuvosos o parque funciona normalmente e logo na entrada há capas de chuva por R$5,00.
          Almoçamos na Praça de Alimentação onde há muitas opções e preços. Comemos num restaurante por kg (R$37,00) uma comida bem saborosa, mas também havia lanches, pastéis, massas e vários outros. O lugar é bem grande, com um carrossel lindo no centro e mesas do tipo dos Fast Food ao redor.              
         Acertamos em ver os shows no primeiro dia, pois no horário em que acontecem (principalmente o Extreme Show) as filas ficam menores. Os locais abrem ao público meia hora antes de cada show. Bem no final da tarde, quando o cansaço já bateu e a maioria está se preparando para assistir o último show também é possível dar mais uma voltinha na montanha russa.

Parque Beto Carrero World - Penha - SC

                 A organização do parque é nota dez, com algumas ressalvas que fazem com que se perca o precioso tempo ali dentro:
- Nos 2 dias em que estive ali, o passeio nos pôneis e cavalos não começou às 14h como indica a placa e às 15:45h já estava encerrado, quando o horário indicado é às 16h.
- Há 2 estações do teleférico, mas em apenas uma (da entrada do parque) é possível embarcar e desembracar. O mapa não indica isso, só soube quando cheguei à outra e li os avisos.
- O trenzinho que circula dentro do parque é o mais desorganizado. A fila se forma no Castelo do Sorvete (ou Palácio, não sei) mas não é respeitada. Quando o trenzinho chega, começam a entrar por todos os lados e quem passou preciosos minutos na fila fica sem lugar. Tentei nos 2 dias sem sucesso.
         O parque tem várias atrações pagas a parte: os shows com almoço, pista de Kart, quadriciclos, Portal da Escuridão, tiro ao alvo, brinquedos infantis como a bolha e um bote parecido com carrinho de trombada (na água); além dos 'brinquedos' das crianças grandes: passeios de helicóptero e nos super carros, onde é possível realizar o sonho de dirigir uma Ferrari por 8km pela bagatela de R$890,00. Ui!!!
            E as fotos? Ah, as fotos são uma perdição! A cada saída dos brinquedos está lá sua foto sorrindo, com cara de medo, de susto, de pavor... R$15,00 cada uma, se não quiser cair em tentação passe direto! Comprar as fotos não foi nada, o sufoco foi que minha mala extraviou com todas elas dentro. A tensão foi grande até reavê-las.
       Aproveitamos o horário do último show para comprar as lembrancinhas e tirar as últimas fotos... na Ferrari. E dá-lhe mais $$$$$. Como eu disse na postagem anterior, dois dias são pouco, faltou muita coisa. Numa próxima vez quero voltar fora de temporada e aproveitar melhor. Mas vou voltar, com certeza!

Ferrari da atração Super Carros do Beto Carrero World

28 de janeiro de 2012

Beto Carrero World

Parque Beto Carrero World
Elas não entraram no site e nem imaginavam o que encontrariam.
Tudo foi uma deliciosa surpresa.
               O principal motivo para nossa viagem à Balneário Camboriú era levar as crianças para conhecer o Beto Carrero World, por isso no dia seguinte à nossa chegada já estávamos lá. Inicialmente os planos eram para dois dias seguidos no parque, mas fui convencida de que seria muito cansativo e realmente é.
      A viagem de Balneário Camboriú ao Beto Carrero, no Balneário de Penha, dura em torno de 40 minutos e a melhor opção de transporte é o transfer oferecido pelas agências de receptivo que cobram R$30,00 por pessoa. Fomos com a Brasil das Águas, com quem contratei todos os passeios e transfers. No ônibus em que estávamos havia 2 famílias moradoras de Balneário Camboriú utilizando o serviço por ser mais prático e barato. Todas as agências cobram o mesmo valor 'em dinheiro', não aceitam cheques, nem cartões.
         O parque está com a promoção do 2º dia grátis até 29/02/2012 e os ingressos (R$88,00) podem ser parcelados em até 4 vezes no cartão, mas se forem comprados das agências de receptivo são pagos à vista e em dinheiro. Por isso, paguei o valor do transfer e deixei para comprar na bilheteria. Comprando antecipadamente pela internet ou outros postos de vendas não há desconto, mas economiza-se um bom tempo de fila.

Parque Beto Carrero World
Cenários que enchem os olhos e o cartão de memória da câmera fotográfica.
         Na entrada é distribuído o mapa do parque, muito útil para otimizar o tempo e aproveitar melhor as atrações. Tentei seguir uma certa logística, mas o deslumbramento de minhas filhas foi tanto com os cenários e os animais que não queriam saber das filas nos brinquedos. Então deixei-as a vontade e no 2º dia veríamos o que faltou. Também não deu. Lembram-se da antiga propaganda que dizia para 'reservar 3 dias para visitar o parque'? É fato, em 2 dias foi impossível aproveitar tudo, principalmente pelas filas de mais de uma hora em algumas atrações. 
 
Animais do parque Beto Carrero World
Zoológico: animais e ambientes bem cuidados.
           Nesse primeiro dia fomos a poucos brinquedos, mas assistimos a 3 shows, visitamos o zoológico, os ambientes em que ficam os cavalos e minhas filhas deram mamadeira para os cabritinhos. Tudo com a condição de que no próximo dia nem passaríamos perto dos bichos, pois principalmente minha futura veterinária passaria o dia todo perto dos animais se deixássemos.
Animais do parque Beto Carrero World
R$1,00 a mamadeira para os cabritinhos, das 15:30h às 16h.
        No mapa há o local e o horário de cada show, que começa rigorosamente na hora marcada. Às 18h, os brinquedos param e começa o show O sonho do Cowboy, no Memorial Beto Carrero. É uma super produção teatral em homenagem ao idealizador do Beto Carrero World,  não há porque perdê-la.
Show do Beto Carrero World
O sonho do Cowboy, show que encerra o dia no parque.

26 de janeiro de 2012

Palmas para crianças perdidas

Praia urbana de Balneário Camboriú

             A praia central de Balneário Camboriú é uma festa familiar e colorida. São baldinhos, pranchas, boias... e entre tantas cadeiras e guarda-sóis são frequentes crianças correndo perdidas. Quando isso acontece alguns voluntários pegam a criança pela mão ou nos braços e seguem caminhando pela beirada da praia batendo palmas, por onde vão passando todos engrossam o coro das palmas e assim a praia toda fica sabendo que uma criança está a procura dos pais.
        Eu não conhecia esse 'código', mas ele foi criado em 2006, nas praias do litoral paulista por um grupo de voluntários chamados Anjos do Verão. O slogan é Bata palmas para essa ideia. Os idealizadores da estratégia do palmaço são dois educadores, Aparecida Rix e Rui Silva, que criaram o método após passarem pela situação com o filho de 2 anos.
         Para comemorar a marca de 1000 crianças encontradas desde o verão de 2006, os educadores pretendem promover na terça-feira de carnaval de 2012 uma ação conjunta, às 13:30h, na praia da Enseada, colocando 50 mil banhistas para bater palmas juntos por 30 segundos e cadastrando a ação de responsabilidade social no Guinessbook.
        Fui pesquisar sobre a novidade que conheci nas praias de Santa Catarina e encontrei notícias sobre o palmaço até em Punta del Este. Tomara que se torne um código conhecido e utilizado em todo o nosso imenso litoral. Quem já perdeu um filho na praia (como eu) sabe o quanto é desesperador.
             Ajude a divulgar essa ideia.
             

24 de janeiro de 2012

Chegando a Balneário Camboriú-SC

Post atualizado em setembro/2016
Vista de Balneário Camboriú desde o Molhe da Barra Sul
Vista da cidade desde o Molhe da Barra Sul
       Chegamos à Balneário Camboriú pelo aeroporto de Navegantes, onde já nos aguardava o transfer contratado com uma empresa de receptivo. Até Balneário são uns 30min e no trajeto o guia foi nos dando dicas sobre a cidade, inclusive me fazendo desistir da ideia de ir 2 dias seguidos ao Beto Carrero World por ser muito cansativo, ele tinha razão. Em pleno domingo, a cidade estava fervendo, com gente para todo lado. A primeira impressão foi de ‘muvuca organizada', gostei!
 
Bondinho turístico de Balneário Camboriú
Bondindinho: embarque e desembarque em qualquer ponto do trajeto.
       Depois de todos devidamente acomodados e alimentados já eram 16h. Para aproveitar o restinho da tarde, fomos fazer o passeio no Bondindinho.  O trajeto passa por toda a Av. Atlântica e Av. Brasil, parando para embarque e desembarque em qualquer lugar dessas avenidas, basta dar sinal. Ao todo são 10 veículos eleitos como o transporte oficial dos turistas na cidade, portanto o idioma mais ouvido dentro deles em alta temporada é o espanhol, principalmente dos argentinos, mas também de uruguaios, paraguaios e chilenos. No final da tarde de domingo estavam bem lotados, com muita gente em pé, mas durante a semana é mais tranquilo.
     O trajeto inteiro pelas duas avenidas demorou aproximadamente 1h e meia, não só pelas inúmeras paradas para embarque e desembarque, mas também pelo trânsito que é bem 'amarrado'. É uma ótima opção para reconhecimento do terreno, sem pressa. Durante o passeio pudemos ver que o local mais movimentado da praia é o centro perto do calçadão e do Atlântico Shopping, localizar opções de alimentação já conhecidas como SubWay (Rua 1600) e Mc Donald's (Rua 1400), além de poder classificar as duas avenidas: Av. Atlântica - bares e restaurantes; Av. Brasil - comércio (a quantidade de farmácias é impressionante).

Trajeto do Bondindinho

         O ponto final é o Molhe da Barra Sul, de onde saem os bondinhos aéreos ou os passeios nos barcos piratas que vão até a Praia de Laranjeiras. Há também uma passarela mar adentro, além de restaurantes e elementos decorativos que atraem os inúmeros flashes. 

Obs: A Barra Sul é o ponto de partida e chegada do Bondindinho, sempre que se chega ali é preciso pagar nova passagem se quiser continuar o trajeto.

22 de janeiro de 2012

Toblerone sem viajar

Joe da série Friends
Joe, da série Friends.
         Quem é fã de Friends e já assistiu a todas as temporadas (como eu) sabe que Joe não perdia a chance de pedir um Toblerone quando algum amigo ia viajar.
          Com certeza a série não foi a responsável por dar ao Toblerone esse gostinho de retorno de viagem, mas é impressionante como a imagem do chocolate em forma de triângulo é sempre relacionada à passagem pelo Free Shop.
          Aproveitando-se dessa ideia a empresa já lançou no Facebook, a campanha "Faça de conta que você viajou. Compre um toblerone aqui no Brasil."

Compras em Buenos Aires
Eu também já caí nessa tentação.
Esse veio do Free Shop do Navio Zenith-2010.
                   Na página do Toblerone Brasil, encontram-se receitas feitas com esse chocolate, a história do Toblerone, ressaltando que em todo lugar do mundo têm o mesmo sabor seja comprado no supermercado ou no Free Shop, e havia também um aplicativo para criar um álbum virtual e 'fingir' que viajou para justificar  a tentação dessa delícia calórica. 
Campanha do Toblerone no Facebook              
               o resultado não era nenhuma montagem maravilhosa. Mas dava pra brincar de viajar com os amigos, adicionados à sua página do Facebook, para Nova Iorque, Veneza, Paris, Amsterdam, Roma, Barcelona, Tailândia e Argentina
           Quem precisava de um bom motivo para comer um Toblerone, pronto: tinha o álibi perfeito: fingia que tinha viajado, mostrava as fotos aos amigos e ia até o mercado da esquina comprar o seu chocolate.

Álbum virtual de viagem. Aplicativo do Toblerone.
Álbum de viagem à Argentina.
Leia também: Sacolas criativas

14 de janeiro de 2012

Check-list para Balneário Camboriú

             Eu sou um pouco neurótica (tá bom, muito) com a organização de tudo antes de sair em viagem. Quando as crianças eram menores me justificava através delas, agora que cresceram continuei do mesmo jeito...rs Então vamos conferindo cada item:
 
Cristo Luz, em Balneário Camboriú
Cristo Luz.
1- Fazer depósito bancário e enviar recibo do transfer-in Navegantes-Balneário para a empresa de receptivo indicada pelo Hotel Geranium. R$95,00 para 4 pessoas. Confirmar recebimento por e-mail.

2- Confirmar horário de voo, na véspera da viagem, no site da Gol.

3- Imprimir cupons de desconto dos sites de compras coletivas. Consegui promoções no Peixe Urbano e no Groupon.
 
Cupom do Groupon
Groupon
Cupom do peixe urbano
Peixe Urbano










4- Verificar se há promoções nos sites dos cartões de crédito (Visa, Mastercard, Hipercard) para estabelecimentos de Balneário Camboriú. (Desta vez está fraquíssimo, mas já peguei descontos. brindes, parcelamentos...)

5- Reservar Hotel Ibis em Guarulhos, onde passaremos a noite e o carro ficará guardado. Tem transfer grátis para o aeroporto. Promoção do A-Club: hospedando-se em um dos hotéis da rede Accor até 27/01/2012 serão computados 500 pontos no cartão fidelidade. Ainda não conhece o cartão? Clique aqui.

6- Verificar no site ou 0800 do plano de saúde, os locais de atendimento em Balneário Camboriú. Parece exagero, mas eu já precisei de médico mais de uma vez fora de minha cidade e sei como é bom saber para onde ir.


Balneário Camboriú no Google Earth

7- Juntar todas as dicas 'pescadas' durante as pesquisas. Por exemplo: a Marta me enviou por e-mail um mapinha muito joia do trajeto que o Bondindinho faz pela cidade, entre outras dicas que ajudarão muito.

Mapa turístico de Balneário Camboriú

8- Conferir a previsão do tempo, que não muda os planos em nada, mas evita surpresas.

9- Conferir os documentos, claro:
- RG de todos;
- Número localizador das passagens;
- Cartões Smiles (vou reimprimir, pois agora estão diferentes);

Cartão de pontuação Smile antigo
Cartão antigo.
Dá pra entender porque deixou de ser 'Azul'..

Cartão de pontuação Smile
...e agora é alaranjado.








- Cartão Accor;
- Comprovantes de pagamento;

10-Tudo pronto, agora é fechar as malas e seguir viagem. 
logo mala

12 de janeiro de 2012

Brinquedos de material reaproveitado

 Bolinhas com enchimento de sacolinha plástica


       Em 2012 houve uma tentativa de acabar com as sacolinhas plásticas distribuídas principalmente nos supermercados que infelizmente não deu certo. Por isso, elas continuam a se acumular nos lixões, a entupir bueiros, a poluir rios e mares...
          Uma ideia para ajudar a diminuir o efeito nocivo do plástico no meio ambiente e transformá-las em enchimento de bolinhas para as crianças brincarem. Veja um passo-a-passo:

PAP
Clique na imagem para ampliá-la e ver o PAP.
        Para cada bolinha você vai precisar de 10 sacolinhas plásticas, 1 colher de sopa de arroz cru ou areia grossa e dois balões de aniversário nº7:

1º - Coloque o arroz ou a areia no fundo de uma sacolinha para começar a dar a forma arredondada;
2º - Torça a sobra da sacolinha e passe a bolinha formada por dentro, virando a sacolinha no avesso. Continue o processo até que toda a sacola esteja formando a bolinha;
3º - Coloque a bolinha dentro de outra sacolinha e continue a torcer e virar no avesso até acabar cada uma;
4º - Na imagem do PAP as bolinhas de tamanhos diferentes foram feitas com 1 sacolinha, 5 sacolinhas, 10 sacolinhas. Como parâmetro de medida há uma bola de baseball;
5º - Escolha dois balões de cores contrastantes e corte a parte mais fina;
6º - Envolva o recheio de sacolinhas com um dos balões. Ficará um círculo aberto que será coberto com o outro balão.

     Há inúmeras brincadeiras que as crianças podem fazer utilizando bolinhas e também inúmeras ideias para transformar materiais que iriam para o lixo em brinquedos. Veja algumas:





Brinquedos material reaproveitado de De Turista a Viajante


Outras formas de reciclar e reaproveitar resíduos sólidos:

1- Cadernos velhos - há vários anos a Kalunga promove uma ação em suas lojas no início do ano recolhendo os cadernos usados, sem capa e sem espiral, e oferecendo desconto de R$1,50 para cada Kg de caderno. Esse valor pode ser usado para compra de outros cadernos ou de folhas sulfite na própria loja. Cada 4 cadernos tipo brochurão dá 1kg. A ação é pouco divulgada na internet (o que é bom ninguém fala), mas as lojas expõem os banners nas portas entre dezembro e março, período de compra de material escolar.

2- Embalagens laminadas - eram um problemas, pois a reciclagem é bem difícil, até que a Terra Cycle chegou ao Brasil. Entre no site para conhecer melhor o trabalho, mas resumindo funciona assim:
- monta-se uma equipe de coleta (escola, bairro, igreja, etc) e um dos membros se cadastra no site como responsável, essa será a conta da equipe;
- junta-se as embalagens laminadas de salgadinhos, chocolates, bolachas, café e outras 'brigadas' descritas no site, sempre separadas por tipo;
- Quando houver um número mínimo de 100 embalagens ou o peso correspondente, podem ser enviadas à Terra Cycle, via correio, com porte pago por eles;
- Para cada embalagem pagam o valor de R$0,02 que ficará registrado na conta e em datas pré-estabelecidas poderá ser resgata.

logo mala

Gostou? Compartilhe atitudes ecologicamente corretas.

10 de janeiro de 2012

Com que sapato eu vou?

Sapatos femininos diversos
         Em casa é uma delícia abrir o armário e experimentar 4 pares diferentes até decidir quais das suas sandálias pretas combinam melhor com a estampa do vestido. Isso só pra ir comer uma pizza!
          Mas quando o assunto é viagem não dá. Pare e pense no que grita mais em você, mulher: a paixão pelos sapatos ou pelo consumismo? Ou seja, ocupar o espaço restrito da mala com vários modelos ou deixar livre para as comprinhas de viagem? Em mim o consumismo fala mais alto, por isso tento sair de casa com a mala leve, mas na volta...


Tênis
Tênis -  tem que estar na mala sempre, por diversas razões:
- Para conhecer a cidade num Walking Tour;
- Para seguir de metrô carregando malas (esqueça o salto!);
- Porque choveu e o jeito foi ficar na academia do hotel ou do navio;
- Porque a orla no final da tarde é muito atrativa para uma caminhada;
- Porque os voos estão saindo com atraso e passar 7 horas em um aeroporto com salto 15, ninguém merece;
- Lembre-se: meias e outras peças pequenas dentro deles para economizar espaço.

Chinelo de praia
 Chinelo - imprescindível!
Prefira os modelos que podem ir à praia ou à piscina e ainda compor o visual de um passeio despretensioso no final da tarde. Um único calçado com duas finalidades é economia de espaço na bagagem.
Dica: se for possível, leve na bagagem de mão, pode ser bem útil. Em um cruzeiro por exemplo a piscina estará à sua disposição antes da mala despachada chegar à cabine.

Papete
Papete - Ficam firmes nos pés para caminhar sobre areia muito fofa, como as dunas móveis, ou em passeios marítimos que levam até arrecifes. Os corais cortam o pé e ainda há o risco de pisar num ouriço do mar, por exemplo. Esses lugares geralmente têm o calçado para alugar, em outras situações o empréstimo já está incluso no valor do passeio, mas... a higiene é duvidosa. Eu prefiro levar o meu par.

Sapatilha
Sapatilhas - Compõem vários visuais. Do shortinho, ao jeans e vestido, por isso numa cor neutra pode ser um coringa na sua mala. Não é minha preferida, assim como a rasteirinha, pois sapatos sem salto nenhum me dão dor nas pernas.

Sandália de salto anabela

Sandália de salto anabela - Minha preferência, no lugar de uma sapatilha ou rasteirinha. Também completa o visual de várias roupas, se for numa cor neutra, e pode ser perfeita para jantar naquele restaurante mais requintado.

Sandália de salto fino

Salto fino - Só tem lugar na minha mala se o destino for um cruzeiro marítimo. Tanto por não haver limite de bagagem nessas viagens (mas use o bom senso!), quanto pelo clima requintado das noite nos navios. Adoro salto, mas levar imaginando a 'possibilidade' de usar nem pensar. Só levo quando sei em que ocasião será usado.


Botas


Botas - se o destino é muito frio e disseram para levar sapatos fechados, não estamos falando de scarpins e sim de botas quentinhas e confortáveis. A plataforma não é a preferida das chics e elegantes, mas é perfeita para caminhar com segurança e manter os pés aquecidos, longe da friagem. Se for pisar na neve, aí são botas próprias para isso.
 E então? Com que sapato você vai?

Leia também: Pés de viajante 

Dica para as apaixonadas por sapatos: Algumas marcas enviam catálogos das novas coleções pelo correio. Cadastrem-se nos sites:

Gostou? Compartilhe:
logo mala

7 de janeiro de 2012

Fotos de viagem em janela de demolição

Janelas para o mundo...

Fotos de viagem em janela de decoração
              No De turista a viajante há uma tag de off-topic, que quando surge é porque aflorou na blogueira a professora ou a fotógrafa, a ecologista, a decoradora, a jornalista... Já imaginaram ter um blog para cada um desses assuntos?! Pois bem, aqui mais uma vez foi a artesã.
        Juntei 2 janelas de demolição com fotos de viagens, e fiz os porta-retratos sob as prateleiras com lembranças de lugares onde estivemos. O post nem está fugindo tanto assim do tema do blog.

As janelas

DIY - janelas de demolição

         Foram retiradas, da casa onde moram meus pais.  Não pensei em fotografá-las da forma como ficaram guardadas por quase 10 anos para fazer o antes e o depois, então vou tentar descrevê-las.
    Tinham vidros quebrados e inteiros, estavam pintadas com esmalte amarelado, com a madeira  bem irregular nas laterais e ainda com as dobradiças. Não tinha coragem de jogá-las fora, nem de começar a mexer nelas. 
       Enfim,  mandei a um marceneiro  que retirou os vidros, acertou as laterais arredondando os cantos e lixou com máquina deixando na madeira pura.  Tudo por R$20,00!! Por que não pensei nisso antes?           

DIY - janelas de demolição
O material

    Minha casa foi pintada recentemente, a intenção era aproveitar o que tinha sobrado por aqui e comprar o mínimo. O que usei:

- Acrílico branco fosco, Eucatex Premium.
- Esmalte metalizado ouro antigo, Techlux.
- Tingidor tabaco, Veladura.
- Tinta Metallik ouro, Colorgin
- Pasta para calçados incolor, Wassington
- Lixas grossas e finas.
- Pinceis.
- Esponja de espuma (banho)
- Thinner

As fotos

DIY - janelas de demolição
 Tentei aproveitar principalmente aquelas tiradas por fotógrafos bem posicionados, que cobram uma fortuna e ao chegar em casa descobrimos que não cabem em álbum nenhum.
    Usei como fundo para todas elas papel reciclado cru, formando molduras de tamanhos diferentes, já que as fotos não têm padrão.
              Como são todas coloridas, optei por uma pintura rústica e de cor neutra na janela.


Passo-a-passo

DIY - janelas de demolição
           Depois de raspadas com máquina, as janelas ficaram na madeira crua nas partes planas e com restos de tinta nos contornos dos vidros. Cobri tudo com acrílico fosco branco e, depois de seco, pincelei aleatoriamente o esmalte ouro antigo.
     Segundo meu marido, eu estava tentando fazer um dálmata; minha filha achou que fosse uma onça.

DIY - janelas de demolição
         Com o esmalte seco, usei a esponja para cobrir toda a superfície com pasta para calçados incolor. O objetivo é não permitir que o tingidor fique homogêneo e facilitar na hora de lixar.
       Esse tingidor é um pigmento muito concentrado, usei apenas as pontas das cerdas do pincel e quando havia excessos, retirava rapidamente com a esponja.
       Demorou umas 10 horas para secar, principalmente pela pasta para calçados que ficou por baixo.

DIY - janelas de demolição
          Na foto ao lado, apenas uma das janelas está lixada, sem o brilho do tingidor e bem mais clara que a outra.
    O tipo de lixa depende da tonalidade que se queira dar à peça. Eu usei lixa grossa (ferro) para retirar bastante pigmento. Fica fácil de lixar por conta da pasta incolor, por isso vá devagar e comece pelas laterais para testar o resultado.

DIY - janelas de demolição

           Depois de lixadas, limpei o excesso de pó com um pano seco e dei pinceladas finas com a tinta dourada Colorgin. Desgastei um pouco o dourado com lixa fina e estavam prontas para receber as fotos.

DIY - janelas de demolição
           
          Essa parte foi do vidraceiro. Cada espaço vazado foi tranformado em um porta-retratos separado, com garrinhas para segurar a madeira e o vidro que protege a foto. Foi o que ficou mais caro: R$ 60,00 pelo serviço completo.        
         
DIY - janelas de demolição


           Adorei compartilhar o que fiz pois gostei muito do resultado. Espero que tenham gostado também.



Leia também: Espelhos em janela de demolição.

5 de janeiro de 2012

Descubra o Brasil com um Prezi

Mala com selos de várias partes do mundo
        Esse post é só um pretexto para mostrar meu primeiro Prezi, já conhecem essa mídia? Este não está nada profundo em conteúdo, pois o objetivo era mesmo 'treinar' para fazer um.
       O Prezi pode ser usado para fazer apresentações de trabalhos, aulas, divulgação de produtos, guias de viagem num blog, por exemplo, e muito mais com recursos bem mais dinâmicos que os do nosso conhecido Power Point.
    A primeira vez que vi uma dessas apresentações foi num seminário sobre linguística, os olhares estavam fixos no telão e quando abriram para perguntas à palestrante, uma das primeiras foi: "Com que programa você fez isso?!" rs
      Bom, imagens falam muito mais que palavras, assistam e depois me contem o que acharam.


Clique e aguarde carregar, é rapidinho.


3 de janeiro de 2012

Entrevista: jornalismo de turismo, por Talita Ribeiro

               Para falarmos sobre jornalismo de turismo invertemos os papéis e aqui a jornalista Talita Ribeiro não vai fazer perguntas e sim respondê-las para o De Turista a Viajante. Vamos entender um pouco como o turismo se transforma em trabalho e como são produzidas as matérias que lemos em revistas especializadas.

Talita Ribeiro - jornalista


Nome: Talita Ribeiro

 Atividades profissionais:
- Coordenadora de Redação do Peixe Urbano;

- autora do blog http://www.viagemevoo.com/;

- ex-repórter da revista Viagem e Turismo.

              Como é o trabalho de um jornalista de turismo? É mais disputado que outros setores do jornalismo por conta da possibilidade das viagens?
            Para ser sincera, são poucos os jornalistas que pensam em trabalhar na área de turismo, por acharem o tema menos "relevante" para a sociedade. Bobagem, essa área envolve política, bem-estar, saúde, consumo, tecnologia... Não é só descrever destinos, mas também refletir e apurar o impacto que o turismo tem sobre os destinos e sobre a vida das pessoas.

            Cite alguns destinos turísticos sobre os quais você já escreveu.
            Eu já escrevi matérias sobre:
            - Ushuaia, Buenos Aires e Bariloche, na Argentina;
            - Santiago, Atacama, Iquique e La Serena, no Chile;
            - Lisboa e Fátima, em Portugal;
            - Foz do Iguaçu, Búzios, Angra, Paraty e Caldas Novas, no Brasil;
            - Trem de luxo que sai de Curitiba e vai a Morretes;
            - Cruzeiro que sai de Santos e percorre o Nordeste.

            Qual trabalho foi mais prazeroso?
            Difícil dizer qual foi a mais prazerosa, porque eu sempre aprendo e experimento muitas coisas nas viagens, mas acredito que a mais marcante foi a no Norte do Chile (Atacama, La Serena, Iquique). Foi uma viagem de 10 dias, feita de ônibus, passando por diversos hotéis (de hostel ao Tierra Atacama), carregando uma mochila, correndo contra o tempo e com dinheiro contado, mas os lugares eram surpreendentes, a beleza, a força da natureza... Como diz Alain de Botton no livro A arte de viajar, foi um encontro com o Sublime.

             E qual o trabalho mais difícil?
            A viagem mais difícil, sem dúvidas, foi a primeira como repórter, para Ushuaia, no extremo sul da Argentina. Eu nunca tinha viajado para fora do país e, de cara, fui com a Aerolíneas (que tem um péssimo atendimento). Chegando ao aeroporto de Buenos Aires, descobri que a companhia aérea estava "meio em greve" e, para não perder a minha conexão, tive que dormir ali no saguão mesmo, já que o voo estava atrasado, mas poderia sair a qualquer momento. Desembarquei em Ushuaia com quase 24h de atraso, mas minha mala foi para Calafate e eu tive que passar mais 1 dia com a mesma roupa, em um frio de 5 graus, que se transformaria em -7 no dia seguinte... Mas eu conheci uma brasileira que morava lá e me emprestou roupas, sapatos, me levou para todos os lados e foi uma fada madrinha! Um beijo, Ana! rs

              Qual a diferença entre viajar a trabalho e a passeio?
              Quando você está trabalhando tem que visitar inúmeros hotéis, pegar dados sobre o destino, falar muito mais com outros viajantes, anotar TUDO, guardar todas as notas fiscais, acordar cedinho e dormir de madrugada, falar com secretários de turismo, buscar pessoas influentes no destino para saber tuuudo o que há de novo, planejar muitíssimo bem o seu tempo e correr contra ele e a parte que eu considero mais chata, dar menos espaço para o "acaso" (mas ele sempre vem!).

               Como são escolhidos os destinos turísticos publicados em uma revista? A Viagem e Turismo, por exemplo, tem fama de fixação pela Argentina. Você concorda?
               Os destinos são escolhidos, essencialmente, de acordo com:
               - a época do ano (verão no Brasil, temporada de esqui na América do Norte/América do Sul);
              - as novas tendências do mercado (voos novos, comitivas de divulgação de certo destino no Brasil, liberação do visto...);
               - e com as "barbadas", destinos que estão muito baratos por conta de acordos das operadoras com secretarias de turismo/hotéis/companhias aéreas.
              A Argentina aparece muito nas publicações de turismo porque é um país barato para os brasileiros, oferece inúmeras possibilidades (esqui, compras, ecoturismo, vinhos...) e tem sempre uma comitiva de turismo divulgando as novidades por aqui.

                Os relatos de viagem disponibilizados em sites e blogs atrapalham as vendas de publicações sobre o tema? Ou ajudam no setor de turismo?
                Os blogs de turismo ajudam e muito os viajantes, destinos e todo o setor, porque democratizam a divulgação e acesso às informações e dicas sobre os destinos. Não acredito que os blogs atrapalhem as vendas de revistas de turismo, porque quem se interessa pelo tema quer ler sobre ele na internet, no papel, no iPad... As publicações também mantêm blogs em seus sites, porque valorizam esse canal de "compartilhamento" e através dele é mais fácil mensurar quais são os assuntos que despertam curiosidade nas pessoas, entre outras coisas.

                 O que falta ao Brasil para atrair ainda mais o turista estrangeiro?
                 Falta Bom Senso. Os preços praticados pelos hotéis no Brasil são inaceitáveis, assim como a falta de informação e segurança para o turista desvendar a maior parte das atrações turísticas do país. Se já é difícil para o brasileiro, imagine para um gringo.
    
                 O que o turista brasileiro ainda precisa aprender?
                 Se eu pudesse dar só 1 dica para o turista brasileiro seria "Compre menos, sinta mais". Porque é muito legal adquirir coisas mais baratas no exterior, trazer um monte de lembrancinhas para a família, renovar o estoque de bebidas no Free Shop... Mas também é incrível renovar a nossa palheta de cores com os novos horizontes que as viagens abrem, gastar horas e horas batendo pernas por ruazinhas minúsculas das cidades, observar o ritmo dos habitantes, o cheiro desse ou daquele restaurante, fazer mais piqueniques e menos almoços pega-turista, descobrir "jardins secretos" em cada novo destino e viver momentos que, por mais que a gente tente, é impossível descrever ou mostrar para os amigos que ficaram no Brasil, momentos únicos.

                 Antes de terminarmos essa viagem vamos fazer uma rápida 'escala' para conhecer suas preferências para viajar melhor:

- Mochila ou mala? Mala e mochila pequenas.
- Inverno ou verão? Primavera e Outono, os preços são mais baratos e a temperatura mais amena.
- Hotel ou camping? Hotel SEMPRE.
- Alta ou baixa temporada? Média Temporada.
- Terra, ar ou mar? Terra.
- Classe econômica ou primeira classe? Classe Econômica, deixa para gastar no destino ;)
- Pacote ou roteiro próprio? Roteiro Próprio para destinos que eu domino, pacote com operadora especialista para destinos mais exóticos.
- Guia impresso ou aplicativos? Guia Impresso, anotações e aplicativos!
- Fast food ou comida típica? Comida típica.
- Turista ou viajante? Viajante!
logo mala

Em maio/2010, Talita Ribeiro fez as perguntas e eu respondi. Leia a matéria para a Viagem e Turismo.

Gostou? Compartilhe:


Entrevista de fevereiro: Viagens internacionais, por Mônica Nóbrega.

1 de janeiro de 2012

Agenda 2012

Agendas customizadas
Começar agenda nova é uma delícia!!!
               
Clips em forma de coração                Junto a cada ano que se inicia vêm as promessas, os planos, as metas... e vem também a ' agenda nova'... que maravilha!!  Ela pode ser bem simples ou cheia de detalhes; igual a tantas outras ou customizada e cheia de personalidade, não importa, é tudo de bom.
Post-it colorido
Não precisa exagerar
               Quem não fica sem agenda, antes do ano começar já escolheu a sua, preencheu a primeira página com seus dados pessoais e anotou em outras páginas datas que não podem ser esquecidas: aniversários, comemorações, planos, compromissos... Essas páginas ficam marcadas com clips coloridos, post its, durex com desenhos ou qualquer coisa que facilite encontrá-las.
                    Sim, é coisa de adolescente. Mas para as adolescentes há mais tempo (há 25 anos +/-) é só a empolgação da novidade, em fevereiro a agenda passa a ter sua real função: de ajudar a não esquecer os compromissos. Os neurologistas defendem a importância desse item para polpar a sobrecarga em nosso cérebro que é como a memória de um computador: se estiver muito carregada a máquina fica lenta, por isso gravamos os arquivos em CDs, DVDs, pen-drives, etc Faça o mesmo por 'sua' memória: anote para não ter que ficar queimando neurônios para se lembrar de tudo. Agora, quem se esquece até de olhar a agenda, aí o caso é grave, nem sei o que sugerir.
                    Eu prefiro aquelas com frases no rodapé e algumas costumam virar histórias na minha vida:

Agenda da Editora da Tribo

- Em 1998, minha agenda foi da Editora da Tribo, com páginas coloridas, desenhos, pensamentos... Tão linda que não tive coragem de me desfazer dela, está até hoje comigo. Coincidência ou não, foi o ano em que engravidei e tive minhas filhas.
Agenda do São Paulo Futebol Club


              - Como os homens se esquecem de datas que consideramos importantíssimas (como o aniversário do cachorro ou o primeiro dia que tomamos sorvete juntos), em 2003 dei de presente ao meu marido uma agenda do seu time com todas as datas que ele não poderia esquecer já anotadas. Perfeito!
                  Nos últimos anos, elas se tornaram um elemento surpresa para mim, pois meu marido ganha de um fornecedor e logo no começo de dezembro ela chega embrulhadinha. Em 2011, quando rasguei o papel de presente, encontrei o inesperado: uma capa de vinil pink com glitter prateado. Peruagem pura! Amei!
                  Enfim, desejo a todos em 2012 tudo de melhor que já leram e ouviram, além de uma agenda maravilhosa, cheia de anotações e planos de viagem que se concretizem.
                  Feliz 2012!!