Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

28 de maio de 2012

Google Street View

                “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu."
Amir Klink

          Concordo plenamente com a frase acima, mas quando isso não é possível, viajar com a ajuda da tecnologia não é tão prazeroso, mas é bem curioso... e até divertido. Para isso nosso amigo Google é um parceiro e tanto seja pelas imagens de satélite do Google Earth, pelos caminhos ensinados no Google Maps ou pelas imagens reais do Google Street View, cada vez mais abrangentes mundo a fora.
           Sabe como essas imagens são capturadas e tratadas? O programa Hoje em Dia, da TV Record, mostrou no dia 30/04/2012 numa matéria bem interessante. Veja o vídeo:



Google Street View
   
             Como o Street View traz imagens reais, os flagras viraram diversão na internet do tipo 'Onde está Wally?'. Nem tudo é por acaso, quanto mais conhecido fica o carro que captura as fotos, mais gente quer aparecer nelas  de forma inusitada e essas cenas se espalham através de sites e blogs.
      

Google Street View

Veja algumas e divirta-se:

* 50 flagras do Street View que você ainda não viu

* Flagras do Google Street View pelo mundo

* Dicas para usar o Google Street View


25 de maio de 2012

Teste: Qual é a cidade e a obra?

                São trechos de obras literárias e o jogador deve identificar a que cidade está se referindo. O teste é do portal da Olimpíada de Língua Portuguesa e junta duas de minhas paixões: a literatura e as viagens.

Recife PE
Clique na imagem para fazer o teste sobre cidades brasileiras.

Cidade na África do Sul
Clique na imagem para fazer o teste sobre cidades estrangeiras.

E então, acertou quantas?

22 de maio de 2012

Guest Post - Bariloche é viciante!

           Escrito por mim e para mim, explico:

          Passeando pela blogosfera encontrei em um blog de viagens explicações sobre o guest post que se encerravam assim: 'Meu caro amigo blogueiro e viajante, gostou da ideia??? Entre em contato!!!' Entrei, claro, meu prazer em escrever ultrapassa os limites do meu próprio blog. Escrevi o texto conforme as exigências (que não eram poucas), com no mínimo 500 palavras, anexei as fotos e aguardei a análise... e continuo aguardando... até hoje... 4 meses depois... Ao clicar em 'contato' lê-se no distinto blog a seguinte mensagem: '...irei responder o mais rápido possível. Geralmente, respondo ainda no mesmo dia ou no próximo dia útil' (oi???).
          Nenhum blogueiro é obrigado a aceitar um guest post se não estiver de acordo com a linha de seu blog, mas respeito é fundamental. Eu jamais deixo uma mensagem recebida sem resposta e todos os meses convido alguém para uma entrevista tratando meu convidado com a melhor atenção possível.
       Enfim, não vou descartar um texto que pode ser útil aos leitores numa época em que as postagens sobre Bariloche têm a cada dia mais acessos. Então segue o guest post de Silmara Colombo (eu mesma) para o De Turista a Viajante (da mesma):
Refúgio Neumeyer - Bariloche - AR
Eu sou o pontinho vermelho na neve.

            Nas duas temporadas em que estive em San Carlos Bariloche-AR (2008 e 2011), voltei com a mesma sensação de querer mais e já começar a pensar na próxima viagem para lá.
       É o destino de inverno preferido pelos brasileiros, tanto que o apelido de ‘Brasiloche’ se justifica pelo idioma mais ouvido por lá nessa época: o português. Por falar em língua estrangeira, não se preocupe com a comunicação, o ‘portunhol’ é fluente em todo lugar. Eles se esforçam para entender os brasileiros e mesmo que você queira treinar seus conhecimentos de castelhano e arriscar um ’gracias’, pode ouvir como resposta ‘obrigada você’.
      Dizem que a cidade no verão é linda e que as opções de passeios são ótimas, mas o brasileiro vai para lá por causa da neve. Há quem sonhe em conhecer as montanhas branquinhas, mas tema pelo frio exagerado. Bobagem, frio passamos aqui no Brasil quando somos surpreendidos com temperaturas mais baixas, pois na maior parte de nosso território passamos o ano todo sem tirar o moleton do armário. Nos cerros (montanhas), usa-se roupas especiais e impermeáveis que mantém o corpo aquecido e seco. Quando se está na cidade, um casaco mais grosso é suficiente para caminhar pela rua e tirá-lo quando entrar em um ambiente fechado, já que todos possuem aquecedor.
        Neve lembra esqui e já vêm à nossa cabeça as imagens dos competidores dos esportes de inverno. Não é bem assim. Ninguém faz duas horas de aula e desliza lindamente (e em segurança) montanha abaixo, esquiar é difícil, exige prática. Se o sonho é calçar os esquis, você pode realizá-lo com o esqui nórdico (plano) ou mesmo o esqui alpino (montanha) em pistas para iniciantes. Só não vale tomar isso como obrigação, achar que ‘tem’ que esquiar porque havia neve, isso equivale a pensar que ‘tem’ que surfar porque viajou para a praia.
         Há muitas outras opções por lá, ninguém vai à Bariloche para ‘ver’ a neve. Além das opções de esqui, há o esquibunda, preferido dos brasileiros por ser mais divertido e seguro, patinação no gelo, caminhadas com raquetes, teleféricos, passeios de barco, de quadriciclo, com motos de neve... e muito mais.
      Hummm, a comida!! Não existe unanimidade em nada, portanto já vi quem reclamasse da falta do feijão, mas não tem lógica ir para outro país e esperar encontrar tudo igual ao seu. Furada em Bariloche é reservar hotel com meia pensão, pois são inúmeros restaurantes para todos os gostos e bolsos. Os amantes da boa gastronomia não vão gostar da notícia, mas Bariloche se rendeu à maior franquia mundial de fast food e inaugurou um MC Donald’s em janeiro/2012. Esqueça o regime porque não dá para ignorar os chocolates, eles estão por toda parte em formatos, cores e sabores variados. São deliciosos, impossível resistir.
          O grande engano dos brasileiros é concentrar a atenção nos gastos com passagem e hospedagem e depois ser surpreendido com os preços dos passeios que são mais caros que aqueles feitos no Brasil. Pesquise antes, programe-se e viaje tranquilo. De preferência em agosto, quando a probabilidade de haver neve é maior. Em junho e julho possivelmente haverá neve no alto das montanhas, mas fazer o boneco de neve e o anjinho deitado no chão vai ser um pouco difícil.
            Planos sempre existem, se vão se concretizar ou não é outra história, em todo caso já comecei minhas pesquisas para Bariloche 2012! Quem sabe não nos encontramos por lá?!

Silmara Colombologo mala


 Meus guest posts em blogs que levam o convite a sério:
- 365 dias viajando (Fortaleza além do pacote turístico) - 28/01/2012
- Peppe de Paula Turismo Brazil (Turista ou viajante?) - 01/02/2012
- Cantinho da Si (Beto Carrero World) - 02/02/2012
- Romance em Alto Mar (Surpresas para Namorados) - 25/02/2015
- New York's Secrets (Carol de Mello) - 22/03/2015


Vai viajar? Conheça o Guia Essencial de Bariloche e Villa Angostura. Clique aqui.
Guia Bariloche

19 de maio de 2012

Taça de suspiro

Muito fácil de fazer e de comer com os olhos.

Receita: taça de suspiro com gelatina

Ingredientes
2 caixas de gelatina de maracujá
2 latas de creme de leite s/ soro (deixe gelar e fure embaixo da lata para sair o soro)
2 latas de leite condensado
200ml de suco concentrado de maracujá (1/2 lata como medida)
200gr de suspiro (compre pronto, mas prefira os da padaria vendidos por kg e não em pacotes fechados)
1 maracujá
1/2 xícara de açúcar

Maracujá
Modo de Fazer
1º Faça a gelatina conforme instruções da embalagem e leve à geladeira.
2º Faça a mousse de maracujá batendo no liquidificador (ou mix) o leite condensado, o creme de leite e o suco de maracujá. Use a lata como medida para o suco: 1/2 lata de suco concentrado e 1/2 lata de água. Leve para gelar em recipiente raso para tomar consistência.
3º Faça uma calda com a poupa do maracujá e o açúcar. Reserve. (Na minha foto não há a calda porque minhas filhas não comem a semente do maracujá).
4º Numa taça grande de compota monte a sobremesa em camadas colocando gelatina, mousse, suspiro, gelatina, mousse, suspiro. Se quiser porções individuais coloque apenas 1 camada de cada ingrediente: gelatina, mousse, suspiro.
5º Jogue por cima de tudo a calda de maracujá para decorar.
6º Esta sobremesa deve ser montada no momento de ser servida, pois se ficar guardada na geladeira o suspiro derrete ou fica mole em contato com o mousse e a gelatina.

Variações: 
limão
- Troque o maracujá por limão na gelatina e mousse. No lugar da calda, decore com raspas da casca do limão sobre o suspiro.
- O azedo da fruta com o doce do suspiro deixa o sabor na medida certa.
  

16 de maio de 2012

Foz do Iguaçu, em As Brasileiras

           Não vou discutir a qualidade da programação, mas para quem está doida para conhecer Foz do Iguaçu como eu estou foi um bom aperitivo, você viu? Foi o episódio de 10/05/2012 com o título A adormecida de Foz do Iguaçu. Separei no vídeo abaixo apenas a apresentação da cidade e a abertura do programa que eu acho linda!! São só 2 min, mas se quiser assistir ao episódio inteiro clique aqui para ver no Youtube.
video

13 de maio de 2012

Antes e depois (fotos)

                       Hoje é Dia das Mães e há 13 anos tenho a felicidade de ser protagonista nesta data. Parabéns para todas nós!
                       O tempo passa... o tempo voa... e felizmente existem as imagens registradas em fotografias para matarmos a saudade, perceber o que mudou e o que 'para nossa alegria' nem o tempo consegue mudar.

1- Abaixo meus anjinhos no aeroporto de Guarulhos, em 2006 indo para Natal-RN, e em 2011 indo para Bariloche-AR.

Aeroporto de Guarulhos

Aeroporto de Guarulhos

2- Minhas princesas como sempre dormindo assim que o meio de tranporte se coloca em movimento. Em 2008, no voo indo para Bariloche; em 2012 voltando de Florianópolis para Balaneário Camboriú.

Soninho bom no avião


Soninho bom no ônibus
Recordar é (re)viver!

10 de maio de 2012

Dicionário do viajante

 '(...) o turismo foi inventado (...) pelas aristocracias européias para se distinguirem das classes operárias. Portanto, o turismo começou como um fenômeno de elites, principalmente a inglesa.' (Leia mais sobre a história do turismo)

              Não sei se isso explica a quantidade de termos em inglês utilizados em tudo que se refere ao turismo, mas se não der pra explicar a origem dos termos, vamos pelo menos entendê-los:
ícones de viagem para web
Agência – loja que comercializa produtos turísticos como pacotes, passagens, reservas de hotéis de diversas operadoras. (ver operadora)

Airpass – Passe ou passagem aérea vendida pelas companhias para voos regionais no exterior.

All inclusive – Determina o sistema no qual todas as despesas (como refeições, bebidas alcoólicas e até gorjetas) estão incluídas no valor pago pelo hóspede. Geralmente relaciona-se à resorts ou cruzeiros marítimos. (ver pensão completa).

Arrival – Desembarque

Bed & Breakfast – Literalmente, cama e café da manhã. Termo normalmente utilizado para designar hospedagem econômica.

Boarding-Pass – Cartão de embarque contendo os principais dados da passagem (horário, destino, nome do passageiro, poltrona e os números do voo).

By night – Passeio noturno pela cidade.

City tour – Passeio turístico pelos principais pontos de uma cidade. No City Tour Panorâmico, o turista nem desce do ônibus.

CHD – Abreviatura de children (criança). Geralmente refere-se à passageiros com idade entre 2 e 11 anos.

Charter – Voo fretado por uma operadora para determinado destino. Geralmente mais barato que o regular, com saída única (mesmo que dentro de uma série), e datas pré-determinadas. É ele que torna os pacotes turísticos mais baratos.

Check-In – Procedimento de apresentação realizado no aeroporto junto ao balcão da companhia aérea; nesse momento se despacha a bagagem. Ou procedimento de entrada em hotel. (ver Early check-in)

Check-Out – Procedimento de saída do hotel; nesse momento se fecha a conta. (ver late check-out).

Deck – São os andares do navio. Quanto mais alto o deck, mais cara a cabine.

Departure – Origem, embarque.

Duty Free Shop - lojas localizadas em aeroportos onde são vendidos produtos importados e nacionais sem acréscimo de impostos ou taxas governamentais de importação. Só tem acesso ao Free Shop passageiros em viagens internacionais.

Early check-in – Entrada no hotel antes do horário normal ou programado. É negociado no momento de fazer a reserva.

E-ticket - Abreviatura de “eletronic ticket”. Substitui a passagem aérea emitida em papel. O viajante recebe por e-mail para imprimir ou simplesmente anotar o número do localizador.

Gate - Portão de embarque.

Guia de Turismo – profissional que trabalha acompanhando turistas em passeios e atrações. Detesta ser chamado de Guia Turístico.

Guia Turístico – material impresso em que o turista encontra informações sobre o destino que visita: mapas, dicas, endereços, etc.

Late check-out – Saída do quarto/apartamento após o horário normal ou programado. Normalmente os hotéis dão uma tolerância de até duas horas, quando solicitado previamente no momento da reserva.

Localizador –É o código que identifica uma reserva aérea. Todo contato com a companhia aérea deve ser feito com o número localizador em mãos.

Life boat – Bote/barco salva-vidas.

Meia pensão – Sistema de hospedagem com café da manhã e mais uma refeição (almoço ou jantar).

Milhagem – É uma bonificação que as companhias oferecem em troca da fidelidade dos passageiros. O passageiros acumula pontos (milhas) e depois troca por trechos aéreos.

Non Stop – Voo sem escalas.

No Show – Não comparecimento de um passageiro ao embarque ou a não entrada do hóspede no hotel.

Operadora – Empresa responsável pela montagem dos pacotes turísticos.

Outlet - Porta de fábrica. Lojas que vendem a "preço de fábrica". Também são chamadas de factory outlet e outlet mall.

Pacote turístico – produto vendido pelas operadoras contendo passagem aérea, hospedagem em hotel, transfer in/out, City Tour e/ou outros itens.

Pax – Passageiro.

Pensão completa – Sistema de hospedagem que inclui todas as refeições. As bebidas não estão incluisas como no all-inclusive.

Pier: Local para parada de embarcações nos portos.

Receptivo – Serviços prestados aos viajantes no local de destino. A agência de receptivo vende passeios feitos no destino e arredores.

Transfer – Transporte aeroporto/hotel/aeroporto na chegada e saída do passageiro ao destino. O mesmo que traslado. É comum ser chamado de “transfer in” ou “transfer out”, respectivamente transporte de chegada e saída.

Traslado – O mesmo que “transfer”.

Traveller’s Check – Cheque de viagem que pode ser comprado em qualquer casa de câmbio do país mediante apresentação de passaporte e passagem aérea; também podem ser comprados em algumas agências bancárias.

Uma perna – Apenas um trecho de uma viagem e não uma ida e volta.

Upgrade – Transferência de uma classe para outra superior sem pagamento de taxa adicional num voo ou hospedagem em hotel, por exemplo.

Visto de entrada – Autorização exigida para que um estrangeiro possa visitar outro país. Antes de viajar ou de comprar a viagem é fundamental saber se o país de destino exige ou não o visto de brasileiros. Em caso positivo, informe-se sobre a documentação necessária e os prazos para a entrega do requerimento.

Voo regular – Que faz parte dos serviços rotineiros de uma empresa aérea, com partida e chegada independente do número de passageiros.

Voucher – Ordem de serviço turístico emitido pela agência, operadora ou sua representante legal. Normalmente os viajantes levam consigo e devem fazer a contra-apresentação para a prestação do serviço


7 de maio de 2012

Saudades de Maceió-AL


Piscinas Naturais de Pajuçara Maceió - AL
Piscinas naturais de Pajuçara

               Estivemos em Maceió em nov/2005 e a capital de Alagoas nunca saiu de nossos planos para uma 2ª visita. O mar muito calmo e muito azul é extremamente convidativo para quem viaja com crianças. Estranhamos um pouco a estrutura da praia sem as grandes barracas, como em Fortaleza ou Porto Seguro, mas era inquestionável a beleza do litoral alagoano. Na época meu marido disse que voltaríamos daqui a 10 anos para ver o que havia mudado na estrutura da orla que apresentava sinais de investimentos.
Piscinas Naturais de Pajuçara - Maceió - AL               Quase 7 anos depois, os serviços oferecidos na praia melhoraram significativamente pelo que leio nos blogs e revistas de turismo, mas segundo Ricardo Freire, do Viaje na Viagem, "A piscina natural da Pajuçara é roubada — há anos não está mais cristalina. Vale só para quem gosta de passeio de jangada." (Leia mais). É realmente uma pena! Eu fiz o passeio de jangada até essas piscinas naturais e o que vi em 2005 estão nas fotos deste post. Era tudo muito lindo!
Piscinas Naturais de Pajuçara - Maceió - AL
             A viagem à Maceió foi muito importante na minha passagem De Turista a Viajante, foi a primeira vez em que dispensei os passeios oferecidos pelo receptivo da operadora e fui montar meu próprio roteiro apesar do terrorismo típico dos guias de turismo nessas situações. Antes da viagem pesquisei tudo no site Férias Brasil que tinha um formato bem diferente do que tem hoje, era mais dinâmico, formado essencialmente por dicas dos internautas fossem elas positivas ou negativas. Nos comentários sobre Maceió era unânime a indicação da Luau Turismo que não decepcionou em nada. Fizemos alguns passeios com eles e o clima era muito familiar, o motorista do microônibus era um dos sócios que também servia como guia, carregava as crianças durante as caminhas se fosse preciso, parava num lugarzinho que só ele conhecia para comprar um pão especial para os passageiros, enfim, dava para nos sentirmos viajando entre amigos.
             Além das inúmeras belezas do litoral alagoano, demos uma esticadinha até Porto de Galinhas, num bate-volta que deixa sabor de quero mais. Maceió deixou saudades, acho que vou voltar antes do planejado.

4 de maio de 2012

Parada obrigatória - Moacyr Scliar

Capa do livro 100 lugares para conhecer antes de morrer
"1.000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer", best-seller mundial da americana Patricia Schulz lançado no Brasil pela Sextante, traz cerca de 20 paradas obrigatórias no país. Mônica Bergamo, 23 de abril de 2006
                    Tão logo ele tomou conhecimento dos mil lugares imperdíveis no mundo, decidiu: seria o primeiro brasileiro a conhecê-los todos. Homem muito rico, recursos para isso não lhe faltariam. Pretendia, inclusive, realizar este périplo em tempo recorde, em primeiro lugar para dar à façanha ainda maior destaque e depois porque, pela idade, já não podia fazer planos a longo prazo. Assim, tudo o que faria era entrar nos lugares mencionados na obra, tirar uma foto e seguir adiante. Consultou um amigo, dono de uma grande agência de turismo. Sim, era possível fazer aquilo em um ano, desde que ele alugasse um jatinho particular. O que sem demora foi feito, e assim ele partiu, disposto a visitar pelo menos três lugares por dia. Era difícil, mas ele o conseguiu e assim pouco a pouco foi riscando os lugares de sua lista.
                     Deixou o Brasil para o fim. Em nosso país eram cerca de 20 lugares, a maioria deles em São Paulo, cidade onde nascera e onde morava. Os amigos esperavam que ali se encerrasse a gloriosa trajetória, mas seus planos eram diferentes. Queria terminar com o Copacabana Palace, no Rio.

                      Havia uma razão para isso, uma razão muito especial. Anos antes ele se apaixonara por uma mulher, uma jovem e linda carioca. Paixão tão fulminante, tão avassaladora, que ele decidira largar tudo, esposa, filhos, empresas e viver com a moça no Rio. Para tanto, haviam marcado um encontro no Copacabana Palace.

                      Encontro ao qual ele não compareceu. Chegou a viajar para o Rio e, no aeroporto, tomou um táxi para ir ao famoso hotel, mas no meio do caminho desistiu: não, não abandonaria tudo que havia conquistado por causa de uma aventura amorosa. Voltou a São Paulo sem ir ao Copacabana Palace - no qual, aliás, nunca entrara.

                      Agora, finalmente, adentraria o hotel. Não mais para uma aventura, mas para gozar seus 15 minutos de fama. Seus assessores haviam avisado a imprensa, que lá estaria para registrar o clímax da aventura, a chegada ao último dos mil lugares.

                     Já era noite quando o jatinho pousou no aeroporto. Ele tomou um táxi. Nervoso: já estava atrasado. E, para cúmulo do azar, havia um congestionamento em Copacabana. Decidiu completar o trajeto a pé, apesar das advertências do motorista.

                     Já estava a uns 200 metros do famoso prédio da avenida Atlântica, quando o assaltante lhe apontou o revólver. Ele fez um gesto - um gesto que queria dizer leve tudo, mas não me retenha, tenho um encontro com o Destino - mas foi mal interpretado: o homem achou que ele tentava reagir e disparou.

                    Caído no chão, agonizante, tinha apenas uma mágoa: havia um lugar, um único entre mil outros lugares, que ele não veria antes de morrer. O problema, concluiu antes de expirar, é que a gente não pode ter tudo o que se quer na vida.
Folha de S.Paulo (São Paulo) 01/05/2006

1 de maio de 2012

Entrevista: Santiago por Sousas Tour

Santiago do Chile

Santiago do Chile é minha viagem frustrada. Em 2009 estava tudo programado 'e pago' quando o virus H1N1 (gripe suína) me obrigou a mudar de planos. Já havia pesquisado tanto sobre a capital chilena que não tive coragem de descartar o material. As informações viraram posts aqui do blog que ironicamente são muito acessados, mesmo deixando claro que não conheci o destino. Também já estavam decididos e contratados os passeios que faríamos lá com a Sousas Tour, que agora nos apresenta a capital do Chile numa entrevista respondida a 4 mãos por Jalila e Vinícius:

Apresentem-se.
Olá, leitores do De Turista a Viajante, aqui é a equipe da Sousas Tour, operadora de turismo receptivo que atua há seis anos na Zona Central do Chile (Santiago e arredores). Contamos com frota de veículos próprios (Sprinters, H1s, ônibus e micro-ônibus) com ar condicionado, seguro-passageiros, além de um staff internacional disposto a prestar qualquer tipo de assistência aos visitantes desse país andino. Nossos guias de turismo são treinados pelo padrão Sousas Tour de atendimento, especializados em história chilena e aptos a receber os turistas oriundos das mais diversas localidades em português, inglês, espanhol e alemão. Estamos localizados no bairro de Bellas Artes, um dos mais descolados de Santiago, há poucos metros das mais visitadas atrações turísticas da cidade. A fim de aprender, conhecer, relaxar e/ou experimentar aquilo que de melhor o Chile tem para oferecer? Contate-nos! A Sousas Tour é a melhor opção para bons momentos em sua viagem!

O que é importante saber sobre a capital chilena ao planejar a primeira viagem?
A primeira coisa a reconhecer é que Santiago possui acentuadas diferenças climáticas. Em um único dia, a temperatura pode oscilar entre 5 e 20 graus, principalmente durante as estações mais frias. Outro fator importante é considerar a umidade do ar. Por a cidade ser localizada dentro de um vale o clima é muito seco, por isso hidratar-se é fundamental. Sem esquecer o protetor solar, já que a incidência de raios solares é muito forte. O planejamento urbano da cidade facilita muito o deslocamento, tanto em transporte público como particular. Com um simples mapa da cidade nas mãos, você localiza-se facilmente.

As estações de esqui são um grande atrativo para os brasileiros. O que dizer aos indecisos entre conhecer a neve na Argentina ou no Chile? Qual a melhor época?
Existe uma grande onda de investimento no setor turístico chileno, principalmente no que se relaciona aos assuntos ligados à neve. Com ampliação da infraestrutura de produtos e serviços oferecidos principalmente ao público brasileiro, que corresponde a aproximadamente 80% do fluxo anual de turistas na cidade. Para você ter uma ideia: somente na região Metropolitana existem mais de seis centros de esqui, capacitados com o que há de mais moderno no mundo dos complexos turísticos invernais. Ao total são mais de 10 mil hectares de terreno esquiável, escolas de esqui, instrutores capacitados, especialmente em português, restaurantes lojas, cadeia de hotéis e apart-hotéis e uma série de atrações para não esquiadores. Tudo para entreter os amantes da neve em geral.

E quem não pretende esquiar? O que pode fazer em Santiago no inverno? Ou o verão é melhor?
Como dito anteriormente, existe um grande investimento em torno do público de não esquiadores. Concentrados em atrações oferecidas para todas as idades, como destaque, temos: passeios panorâmicos de teleférico, tirolesa, arvorismo, tubbing (o famoso skibunda) e esportes de aventura, como cavalgadas, trekking e outros. Além de grandes espaços recreativos onde se pode simplesmente brincar com a neve.
No entanto, o verão da cidade não deixa a desejar. Atrações como as cidades litorâneas de Valparaíso, Viña del Mar e Isla Negra, além das vinícolas existentes nos Valles del Maipo e Colchagua, transformam Santiago em um dos melhores destinos para todas as estações. Não a toa a cidade foi eleita pelo jornal norte-americano New York Times o melhor destino de 2011.

Para quem o destino é indicado: casais, famílias, solteiros... etc.
Podemos dizer com toda certeza que Santiago é um destino para todos. É uma cidade acolhedora, receptiva, moderna que reúne harmonia, boemia, história e cultura, além de uma deliciosa gastronomia.

Há vários pacotes oferecidos no Brasil que levam à Buenos Aires e Santiago na mesma semana. Apenas 3 ou 4 dias em Santiago são suficientes para conhecer a cidade?
Para conhecer “um pouco” sim! Mas para criar um vínculo com a cidade é pouco. Santiago é uma cidade de detalhes e para percebê-los é necessária uma vivência, in locus, maior.

O causa mais estranheza aos brasileiros no Chile em relação aos hábitos culturais?
Sem dúvida, o hábito que causa mais estranheza é comer abacate com sal (risos!). No mais, são as diferenças mais usuais, como o clima, idioma e a moeda (que tem tantos zeros).

Quais são os passeios imperdíveis numa primeira vez em Santiago do Chile?
Um City-Tour pela cidade, uma visita às cidades da costa do Pacífico, um passeio pela inigualável Cordilheira dos Andes e uma degustação de vinhos nas vinícolas mais famosas do país.

Qual é o diferencial dos serviços oferecidos pela Sousas Tour?
O principal diferencial dos serviços oferecidos pela Sousas Tour é o fato de nossos clientes serem atendidos por brasileiros. Pois como brasileiros, entendemos melhor as demandas de nosso público. Já que atualmente o Brasil impõe no cenário latino-americano seu próprio padrão de qualidade, isto é, preza a simpatia, o bom atendimento e a flexibilidade que a todos conquistam.

O que falta dizer a quem está planejando uma viagem à Santiago do Chile.
Preparem-se para conhecer uma cultura totalmente distinta da que está acostumado, separe sua documentação para que não haja problemas com a aduana e não se esqueça de trazer o dicionário de espanhol chileno, já que o idioma por aqui é uma atração à parte.

Para encerrar, só pode dizer que conheceu um pouco de Santiago do Chile quem:

Esqui em Santiago do Chile

- Fotografou em ... Plaza de Armas e seu conjunto de edificações históricas.
- Fez compras ... no Mall Parque Arauco
- Passeou pela rua... Constituición
- Assistiu... a troca-de-guarda no Palacio de La Moneda
- Comeu... a famosa empanada de piño de ½ kg.
- Bebeu... Pisco-Souer
- Jantou no... Bali Hai
-Conheceu... uma parte da imensa cadeia de montanhas Cordilheira dos Andes.
- Visitou... uma das Casas Museu de Pablo Neruda.
- Trouxe de recordação... um bom vinho chileno.


logo Sousa's Tour
Contatos:

Telefones: +56 ( 9 ) 8723.5630
+56 (2) 848 8502
ID Nextel 56*145*7656
Endereço: Loreto 06, Of. 06 - esquina con Av. Santa Maria - Metro Bellas Artes

Entrevista de abril:

Entrevista de junho:
Leia também: Posts sobre Santiago do Chile, no De Turista a Viajante.
                     Aprenda espanhol na internet