Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

22 de dezembro de 2015

Cuba: um mundo em extinção


Paisagens de Cuba
   
      Desde há muito que Cuba exerce um fascínio especial sobre o viajante. Antes, há muito, muito tempo, era um ninho de perdição para norte-americanos que ali procuravam os pecados que não podiam alcançar em casa: sexo, jogo, festas sem interrupção, tudo a preços agradáveis, num universo exótico e com um excelente clima. Uma espécie de paraíso.


Paisagens de Cuba


        Depois, em 1959, veio a Revolução, e os barbudos de Fidel Castro puseram um fim ao bacanal. Durante décadas Cuba tornou-se inacessível ao turista ocidental. Uma espécie de extensão do Muro de Berlim nas Caraíbas. Mas aos poucos foi-se tornando possível a visita de estrangeiros e a queda da União Soviética, no início dos anos 90, acelerou em definitivo as medidas de liberalização tomadas pelo Regime.

Paisagens de Cuba

         A Cuba que hoje vimos é bem diferente da que existia há vinte anos. E, arriscaria a dizer, é a Cuba perfeita para o viajante: a beleza natural está lá, mas essa ficará sempre. O toque de decadência também, com as fachadas degradadas, os velhos carros norte-americanos, a simpatia das gentes... diria mesmo que há um renascer do mundo que os "gringos" tanto apreciavam antes da Revolução.

Paisagens de Cuba

         Mas é agora um mundo em extinção. Em dezembro de 2014 foi anunciada ao mundo a aproximação dos EUA e Cuba. Com ela, o fim das sanções e o levantamento do bloqueio. Ótimas notícias para muitos, mas uma sentença de morte para grande parte do encanto e do atrativo perfume que tem emanado de Cuba.


      Adivinha-se uma invasão pacífica, a chegada em massa dos turistas vindos da Florida, a destruição do caráter singular deste país que a História se fez tão diferente. Os velhos Chevy e Dodge desaparecerão das ruas, o centro de Havana tornar-se-á idêntico a tantas outras cidades e os cubanos perderão a inocência e a simpatia natural.

      É por tudo isto que se tornou urgente visitar Cuba. Agora. Antes que tudo isso suceda. Ainda é possível tomar um táxi coletivo nas ruas de Havana, um carro daqueles antigos, invariavelmente decadente, que funciona como um pequeno onibus, recolhendo e largando passageiros ao longo de um percurso. O que num táxi normal custaria USD10, ali vai custar USD0,40 como um "coletivo". E não há como não conviver de perto com as gentes locais, cruzar as ruas de Havana ao som da música caraterística que sempre emana do rádio.


        Os gelados, filhos daquele projeto louco que nasceu com a visita de um alto dignatário do governo a Itália, continuam a ser servidos, a 0,15 USD se o viajante pagar em moeda local, os CUC. O governante em questão experimentou os famosos sorvetes italianos e ficou decidido que essa iguaria seria a recompensa para os trabalhadores, o doce numa vida amarga. Em Cuba nasceu o núcleo, uma venda de sorvetes que era a maior do mundo. E que ainda hoje está lá, pronta para lhe servir o seu sorvete. 

Paisagens de Cuba

          A comida de rua é ainda servida a preços inacreditáveis. Uma pequena pizza custa 0,30 USD, um copo de suco de fruta cerca de 0,09 USD. Pode-se viver em Havana por um punhado de dólares, se contar a despesa com o alojamento à parte.


        O Malecon, a avenida que corre junto ao mar, é ainda o ponto de reunião social, onde ao fim da tarde os cubanos vão passear, namorar, pescar, tocar e escutar música, fazer um pouco de desporto. Um local seguro, como todos em Cuba. Os níveis de crime são tão baixos que não dá para considerar. É provável que com a mudança dos ventos também isso venha a acabar.


        Os trens ainda vão correndo, com muita irregularidade, mas uma viagem neles é uma experiência única. Uma possibilidade simples: cruzar as águas do porto de Havana na embarcação e, do outro lado, num lugar chamado Casablanca, tomar o trem. É essencial que se informe se o trem está funcionando, porque a mínima falha mecânica implica semanas ou mesmo meses de paragem. Se tiver sorte, é mesmo muita sorte. O passeio é uma viagem no tempo e no espaço, à ruralidade cubana. Os companheiros de viagem serão camponeses que foram à cidade e estão de regresso a casa e as crianças que vão para a escola. Pode ir e regressar no mesmo trem, mas o melhor será regressar a meio caminho, porque a viagem apesar de não ser longa é demorada.


       Por todo o país, e especialmente para a extremidade oriental, estamos perante um universo que deixou de existir em todo o mundo. Uma espécie de museu vivo e genuíno. Talvez o remoto Leste, como lhe chamam os cubanos, cuja cidade maior é Santiago de Cuba, resista um pouco mais à invasão que se avizinha. É uma esperança.



        A melhor época para visitar Cuba é entre novembro e janeiro. Evite os meses de agosto e setembro, período de furacões de violência imprevisível. Para encontrar os voosmais econômicos para Cuba poderá consultar o buscador de viagens Rumbo. Quanto a alojamento, não há muitas hipóteses: os hotéis são quase todos geridos pelo Estado e a relação entre preço e qualidade é reduzida.


          É possível adquirir um programa completo e ficar num resort all inclusive, mas para apreciar verdadeiramente Cuba é aconselhável recorrer a "casas particulares", pertencentes a cubanos que obtiveram do Estado uma autorização para alojar estrangeiros. Descubra a diferença entre a Cuba dos cubanos e dos turistas.


Um comentário:

  1. Olá, deve ser uma agradável viagem no tempo! Tenho muita vontade de conhecer. Acesse o blog: www.sramaia.blogspot.com

    ResponderExcluir

E você? O que pensa sobre isso?
Os comentários anônimos estão sujeitos à moderação.