Martha Medeiros e a Disney

ESCRITO POR: sábado, março 03, 2018 ,

       Gosto muito de Martha Medeiros e ela, por sua vez gosta também de viagens e escreve sobre elas. Perfeito! Por isso me agradam tanto os textos da autora e de tanto lê-los acabei fazendo algumas ligações entre eles (mais ou menos como a Teoria Pixar, em que se fica buscando ligações entre os filmes, sabe?). 
      Minha conclusão? Martha Medeiro tem pelo menos uma frustração na vida: não ter viajado para a Disney.
Magic Kingdom

         Quer ver? Vou mostrar para vocês. Comecem lendo o trecho a seguir da crônica de Martha Medeiros 'A melhor coisa que não me aconteceu':

           "(...) qual foi a melhor coisa que nunca lhe aconteceu?
       Comigo, acho que foi aos 14 anos de idade. Eu iria para a Disney com a família e alguns primos. Estava ansiosa pela viagem, quase não dormia à noite. Seria minha primeira vez no exterior, um acontecimento. No entanto, uns dez dias antes de embarcar, o governo estabeleceu um tal imposto compulsório que tornou a viagem proibitiva. Fim de sonho: não haveria grana para bancar a aventura. Os passaportes novinhos em folha foram para o fundo da gaveta, e eu passei mais uma noite sem dormir, só que dessa vez de tristeza.
      Era julho e minhas férias escolares se resumiriam a ficar em casa. Porém, haveria uma excursão do colégio para a Bahia, e muitas das minhas colegas de aula iriam. Pensei: nada mal como prêmio de consolação, trocar o Mickey pelo Pelourinho. O preço era uma merreca se comparado a uma viagem aos States. De ônibus, até Salvador, imperdível! Virei, mexi, implorei, consegui a última vaga e fui. Resultado: voltei com meia dúzia de amizades tão fortalecidas que, até hoje, somos como irmãs. Tenho certeza de que se eu não tivesse viajado com elas, eu jamais teria entrado para o grupo que pertenço com orgulho até hoje. A Disney foi a melhor coisa que nunca me aconteceu."
A melhor coisa que não me aconteceu


      Até aqui tudo bem, a situação parece muito bem resolvida, já que na Bahia, a autora fez amigos para a vida toda. No entanto o tema 'Disney' volta tantas vezes às crônicas da autora que eu me pergunto se não ter ido à Disney foi mesmo tão bom para a vida dela. Seguem trechos de outras crônicas:

Happily Ever After - Magic Kingdom

"(...) preciso evoluir mais, muito mais, porque ainda fico perturbada quando alguém diz que foi passar a lua de mel na Disney. Tudo bem, é uma escolha, um direito, o que tenho com isso? Ainda assim, não consigo evitar o espanto. Dois adultos apaixonados em lua de mel na Disney. Jantando com o Mickey!"
Casa de vó
Mickey na parada do Magic Kingdom

"Os ricos-pobres pedem no restaurante o vinho mais caro e tratam o garçom com desdém, vestem-se de Prada e sentam com as pernas abertas, viajam para Paris e não sabem quem foi Degas ou Monet, possuem tevês de plasma em todos os aposentos da casa e só assistem a programas de auditório, mandam o filho pra Disney e nunca foram a uma reunião da escola. E, claro, dirigem um Audi e jogam lixo pela janela." 
  Os ricos pobres
Fantasmic - Hollywood Studios

"Laçarotes, babados, contos de fadas: toda mulher carrega a síndrome de Walt Disney. Até as mais modernas e cosmopolitas têm o sonho secreto de encontrar um príncipe encantado."
O que quer uma mulher?

Parada do Magic Kingdom

"Outra carente existencial, outra vítima de Walt Disney, outro coração de farinha. É… Walt Disney enganou o universo feminino direitinho… porque só na fantasia dele os finais são felizes para sempre."
Divã
A princesa e o sapo

"Na época, eu estava publicando meu segundo livro de poemas e pensava em colocar como título "Madame Mim", um trocadilho com a bruxinha da Disney (Madame Min), mas logo que pensei nisso surgiu uma peça de teatro em Porto Alegre com esse mesmo nome, e eu desisti. Acabei lançando o livro com o nome "Meia-Noite e um Quarto", que acho até mais poético."
Carta inédita de Caio F.

Malévola, no Hollywood Studios


"Durante o trajeto, o pai, que estava na direção, comentou sobre a sujeira e degradação de um córrego que acompanhava a estrada. A garota olhou para o córrego a seu lado e viu águas límpidas, um cenário de Walt Disney. E teve a certeza de que ela e o pai realmente não tinham a mesma visão da vida."

A janela dos outros

Pavilhão dos Estados Unidos, no Epcot

"Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy: faz-de-conta que não dói."
Faz-de-conta

Fantasmas da Haunted Mansion

"É mãe excelente, mas quem dera tivesse sido minha avó. Para entender isso melhor, perguntem a quatro sortudos: Julia, Laura, João Pedro e Rafael. Eles sabem o que é ter a Disney a 15 minutos de casa. Basta que ela abra uma caixa de pulseiras, uma gaveta de fantasias ou um baralho encantado, e ninguém mais quer saber de TV, computador, smartphone..."
Minha mãe e eu viramos a melhor amiga uma da outra

Show do Hollywood Studios
 
"....criança precisa ser amada. Não precisa de um iPhone aos nove anos, não precisa ir a Disney antes de ser alfabetizada, não precisa de um guarda-roupa de estrela de cinema. Precisa ser amada."
A pequena vítima de Salve Jorge

Parada do Magic Kingdom

"O que acontece lá dentro é um milagre. Cada funcionário trabalha com um baita sorriso no rosto, como se estivesse na Disney. Atendem meninos e meninas com deficiências de moderadas a graves (não há caso leve por lá) e se sentem orgulhosos e plenamente gratificados por fazer diferença na vida de quem nasceu em total desvantagem em relação a nós."
Vida dura comparada com a de quem?



     Entendeu meu raciocínio? Eu nunca fui a Paris ou ao Caribe e, por isso mesmo, esses locais não exercem influência nenhuma sobre mim ou sobre o que escrevo. Já com Martha Medeiros e a Disney... o que acontece é bem diferente.
    Ou seja, a Disney pode causar impactos tanto na vida de quem foi aos parques temáticos quanto na de quem ficou só na vontade.
   Disney é Disney!! E Martha, nunca é tarde, ainda é tempo para realizar o sonho da adolescente de 14 anos. Depois escreva uma crônica sobre sua experiência, nós vamos adorar ler.

Leia também outras crônicas de Martha Medeiros

* As fotos dessa postagens são bônus do Memory Maker
logo mala

Poderá gostar também de:

Poderá também gostar de:

1 comentários

  1. Hahaha... eu ia dizer exatamente isso. Por que será que ela não resolveu logo esse problema? Tenho um amigo de 52 anos que foi com o filho de 13. E curtiram juntos... e muito!
    Gostei muito do levantamento dos textos dela que vc fez. Abraço!

    ResponderExcluir

E você? O que pensa sobre isso?
Os comentários anônimos estão sujeitos à moderação.