Binot - o orquidário mais antigo do Brasil

ESCRITO POR: segunda-feira, setembro 17, 2018 ,

"Há flores cobrindo o telhado
E embaixo do meu travesseiro 
Há flores por todos os lados 
Há flores em tudo o que eu vejo"

Orquidário Binot - Petrópolis

O que dizer das flores do Orquidário Binot? Flores são para se 'ver', não para se 'descrever'! Bem, embora esse não seja um post de muitas palavras, seria imperdoável ter estado diante de tanta beleza e não compartilhá-la. Então vamos conhecer um pouco do orquidário mais antigo do Brasil, cultivando e comercializando essas lindezas desde 1870.

Orquidário Binot - Petrópolis

       A história do Orquidário Binot (que já se chamou Établissement P. M. Binot) começa quando Jean Baptiste Binot deixa a França e se estabelece em Petrópolis como jardineiro-horticultor, em 1845. Sua fama de bom paisagista chega aos ouvidos do Imperador D. Pedro II que, em 1854, o encarrega de projetar e plantar os jardins do Palácio Imperial (hoje, Museu Imperial), a residência de verão da família imperial que viria a ficar pronta em 1862.

Orquidário Binot - Petrópolis

Foi então pelas mãos do Sr. Binot que os jardins que circundam o Palácio Imperial ganharam cerca de 100 espécies de árvores e flores vindas de países como México, Japão, Argentina, Índia, China, Equador, Austrália, Madagascar, entre outros. A grama que completou o projeto paisagístico era francesa. Com o passar do tempo, os jardins foram se modificando, mas ainda é possível ver a definição dos canteiros projetados por Binot e a maioria das espécies ainda estão por lá, inclusive as jaqueiras carregadas de frutos. Como recompensa pelo belíssimo trabalho executado, Jean Baptiste Binot recebeu do imperador terras do atual bairro do Retiro, onde se localiza o Orquidário Binot.
Passando de geração em geração, hoje o orquidário é mantido pela quinta geração de proprietários, quem está à frente do empreendimento é o tataraneto de Binot, Maurício F. Verboonen.   

Orquidário Binot - Petrópolis

      O orquidário Binot é uma enorme floricultura, com flores lindas e preços atraentes. Para quem está de carro é uma ótima oportunidade para adquirir orquídeas, bromélias, suculentas, entre outras flores e suas variedades. Já quem vai voltar para casa por via aérea vai ficar só na vontade, mesmo assim vale a pena visitar e apreciar tanta beleza. Quer uma planta carnívora? Lá tem! (Veja a foto abaixo). E aquela flor linda, que você nunca viu antes? Provavelmente é uma planta híbrida (mistura de duas outras), afinal os descendentes de Binot foram se aprofundando e se aperfeiçoando na arte de cultivar flores. Há cerca de 36 mil espécies de orquídeas no mundo, sendo que 10% são encontradas no Brasil; Petrópolis tem clima favorável à planta, por isso, no Orquidário Binot os apreciadores se deliciam.
Quem visita Petrópolis entre fevereiro e março pode ver a 'Exposição de Orquídeas e Bromélias', realizada no Palácio de Cristal, que chegou à sua 27ª edição em 2018. Para quem está de passagem em qualquer outra época do ano, lembre-se que as atrações de Petrópolis estão também além do Centro Histórico. Nossa dica é contratar um serviço de transfer para conhecer atrações mais distantes. Nós fizemos esse passeio com o guia de turismo Márcio Pizzi (24 99314-7447), que está super recomendado.

Orquidário Binot - Petrópolis

Serviço
- Endereço: Rua Fernandes Vieira 390, Retiro, Petrópolis
(o Orquidário Binot está a 4,7km desde o Museu Imperial)

- Funcionamento: segunda a sábado das 7h às 17h
(se estiver em Petrópolis na segunda-feira, aproveite para essa visita, já que a maioria das atrações estarão fechadas)

- Site: http://orquidariobinot.com.br/ 

Leia também: jardins que visitamos e amamos
Jardim Japonês - Buenos Aires
Rosedal - Buenos Aires
Amantikir - Campos do Jordão
Girassóis - Itápolis
logo mala
Nós exploramos Petrópolis acompanhados pelo guia Márcio Pizzi (24 99314-7447) que tem dicas incríveis para ajudar a organizar seu roteiro e conhecer Petrópolis além do centro histórico.

Poderá gostar também de:

Poderá também gostar de:

0 comentários

E você? O que pensa sobre isso?
Os comentários anônimos estão sujeitos à moderação.