Farol Santander

ESCRITO POR: quarta-feira, setembro 04, 2019 ,

POR FORA O MESMO, POR DENTRO NUNCA O MESMO.

Vista desde o mirante do Farol Santander

       O slogan que define os dois centros de cultura, administrados pelo Banco Santander (em São Paulo e em Porto Alegre), e denominados como Farol Santander,  definem exatamente o que representam. Por fora, a arquitetura conservada de um prédio histórico: em São Paulo, o antigo prédio do Banespa, inaugurado em 1947 e em Porto Alegre, o Banco Nacional do Comércio, de 1931. Por dentro, a inovação de exposições permanentes e temporárias que são razão suficiente para repetir a visita várias vezes. O Farol Santander de Porto Alegre foi notícia nacional em 2017 quando cedeu às críticas de movimentos religiosos e cancelou a exposição “Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira”. Uma das obras mais polêmicas da exposição era “Cena de Interior II”, de Adriana Varejão, que alguns meses depois estava no MASP, na exposição "Histórias da Sexualidade" sem causar tanto alvoroço entre os paulistanos como aconteceu com os porto-alegrenses.
Cena de Interior II, no MASP

      Em São Paulo, o Farol Santander está instalado no edifício Altino Arantes, inspirado no Empire State Building (em Nova Iorque), com 35 andares, e já foi considerado como a maior construção de concreto armado do mundo! Ainda hoje é um dos prédios mais altos da capital paulista. O Banespa (Banco do Estado de São Paulo) funcionou no local entre 1947 e 2001. A primeira vista de quem entra no imponente edifício é o lustre do hall de entrada com 13 metros de altura e 1,5 toneladas de lâmpadas e acessórios de cristal. Impossível não notá-lo, foi incorporado ao prédio em 1988.
Lustre do hall, em SP

         O prédio ficou alguns anos fechado para reformas e reabriu ao público em 25 de janeiro de 2018, no aniversário de São Paulo. Conservou a arquitetura e os móveis originais em alguns andares (os mais baixos: 2º, 3º, e 5º) e em outros abriu-se totalmente para o novo e para o inusitado com suas exposições de arte tecnológica e contemporânea, sua pista de skate no 21º andar, seu Bar do Cofre no subsolo (dentro de um cofre), sua cozinha-escola no 31º andar, o café panorâmico no 26º andar e até um loft exclusivíssimo no 25º andar, com 400m2, equipado para acomodar eventos com até 40 pessoas pela bagatela de R$4000 a diária.
Exposição fixa "Memória"

Exposição fixa "Memória"
          Entre os andares com exposições fixas, o 4º tem projeto artístico de Vik Muniz, artista plástico paulistano conhecido por suas obras de arte com materiais alternativos e inusitados, como lixo ou alimentos. A proposta do artista para o Farol Santander foi utilizar materiais da própria reforma para recriar a vista dos arredores do prédio. É como se o 4º andar fosse também um mirante, porém, o visitante vê a cidade através do olhar de Vik Muniz.
Vik Muniz no 4º andar do Farol Santander
           Os andares 19º, 20º, 22º, 23º e 24º são reservados às exposições temporárias sempre com curadorias exemplares que resultam em eventos inesquecíveis como "Trem das Onze", em homenagem a Adoniran Barbosa, que reuniu mais de uma centena de itens do compositor (de julho/2018 a janeiro/2019), e  "Hebe Eterna"  (de fevereiro a junho/2019) que permitiu reviver momentos com a dama da TV brasileira, inclusive com o famoso selinho.
Exposição "Trem das Onze"

Exposição Hebe Eterna
      Nem todos os andares são visitáveis. O ingresso da visita completa dá direito a conhecer o Espaço Memória (2º, 3º e 5º andar), a Vista 360º por Vik Muniz do 4 (4º andar), as exposições (19º, 20º, 22º, 23º e 24° andares) e o Mirante do 26 (26º andar). A pista de Skate pode ser alugada por hora, os encontros na Arena do 8 são abertas ao público (via ingresso) aos sábados e nos demais dias da semana o espaço é reservado a eventos particulares.
         O ponto alto (literalmente) da visita é o mirante do 26º andar de onde se tem uma vista privilegiada da região. O edifício Martinelli, por exemplo, pode ser visto bem de pertinho, abaixo do mirante do Farol Santander.
Edifício Martinelli, visto do mirante do Farol Santander
           Apesar da vista maravilhosa do centro antigo de São Paulo, ela já foi ainda melhor. Antes do prédio passar pela última reforma era possível subir até o último andar, onde fica a bandeirinha do Estado de São Paulo. Pegava-se dois elevadores e por fim uma escadaria em caracol que chegava ao topo. As atuais leis de acessibilidade não permitem que esse espaço não-acessível seja aberto ao público, por isso, o mirante agora fica no 26º andar, porém, há informações de que as reformas e adaptações no prédio ainda não foram concluídas e novidades podem surgir nos próximos anos.
Ponto mais alto do Edifício Altino Arantes
       Para fazer a visita é possível subir do hall direto para o 26º andar e depois vir descendo nos andares visitáveis ou então começar pelos andares mais baixos, que resgatam a memória do edifício, até chegar ao Mirante do 26. Em qualquer que seja a direção, os andares são muito bem sinalizados tanto por placas informativas quanto pela assistência de funcionários próximos aos elevadores em cada andar.
         Mesmo que a parte histórica do roteiro não seja a sua preferida, não deixe de visitar os andares de memória. Lá você poderá simular a abertura de uma conta como se fazia há 70 anos com a conversão do dinheiro atual para o antigo. Muito legal! Reserve de 1h a 1:30h para a visita.
Atividade interativa no Farol Santander

Serviço
Site oficial - Farol Santander SP
Endereço: Rua João Brícola, 24 - Centro - SP
Horários: terça a domingo das 9h às 20h
Valores: R$25 (inteira) / R$12,50 (meia)

Exposição no Farol Santander
logo mala



Poderá gostar também de:

Poderá também gostar de:

0 comentários

E você? O que pensa sobre isso?
Os comentários anônimos estão sujeitos à moderação.